Idea Adventure: para os desafios da selva de pedra (7)

 

Duas viagens ao litoral e teste de consumo urbano vêm
responder à pergunta:  vale a pena usar gasolina na minivan?

Texto e fotos: Roberto Agresti

 

Atualização de 19/10/12

A Fiat Idea Adventure fez, afinal, sua passagem do combustível derivado da cana de açúcar para o de petróleo. Em que pese a perda de alguma vivacidade, em especial em retomadas (há uma queda de 0,5 m.kgf no torque máximo), esperávamos que as marcas exageradas de consumo conseguidas usando álcool passassem a um patamar mais razoável com gasolina no tanque.

Pela diferença de poder calorífico entre os combustíveis, um rendimento cerca de 43% mais alto em quilômetros por litro seria esperado. Por que 43%? Porque é usual o motor render 30% menos com álcool, o que dá (em números redondos) 43% a mais com gasolina na conta inversa. Para quem imagina que o cálculo teria o mesmo resultado nos dois sentidos, vale fazer a analogia com o preço de um produto. O item A pode custar duas vezes mais que o B, mas o B jamais custará duas vezes menos que o A: custar “uma vez menos” já significa gratuidade.

Como de hábito, levamos a Idea até esgotar ao máximo o combustível vegetal, a fim de evitar uma mistura que afetaria os resultados, mesmo que pouco. Isso incluiu desprezar a indicação de baixo nível no tanque pelo computador de bordo. Abastecidos com 100% de gasolina (que, nunca é demais lembrar, no Brasil contém mais de 20% de álcool), partimos, curiosos, para nosso percurso-padrão de cerca de 43 km, situação na qual a Idea, no início de nossa avaliação de Um Mês ao Volante, conseguiu percorrer apenas 10,9 km/l. A média fora considerada fraca levando em conta o perfil muito favorável do percurso e as marcas conseguidas por outros carros no mesmo trajeto — o Honda Civic LXL automático, que conseguiu 12,1 km/l, e o VW Gol 1,0 BlueMotion, com 14,6 km/l de álcool.

 

 
Grandes pneus, maior vão livre do solo e diferencial com bloqueio são particularidades
da versão Adventure que agradam a Gustavo: “Essa seria a Idea que eu compraria”

 

No trecho a minivan da Fiat mostrou que o motor de 1,75 litro batizado de E-Torq rende bem com gasolina, mas… não tanto quanto deveria. A média de 15,1 km/l indica 38,5% de diferença em relação ao índice obtido com álcool, pouco menos que os 43% preconizados. O fato curioso é que um dado técnico sobre o motor da Fiat fazia esperar melhor rendimento com gasolina: a taxa de compressão de 11,2:1, bem menor do que a do Gol 1,0 (12,7:1) e pouco mais baixa que a do Civic (11,7:1). Em regra, uma taxa mais alta beneficia o consumo com álcool, o que não seria o caso da Idea.

 

“Gosto de ir a praias onde a natureza esteja praticamente intocada. Esse Fiat me parece adequado para tal fim, compensando com essa versatilidade o consumo algo elevado e o desempenho que não achei grande coisa”, diz Gustavo

 

Depois de percorrer o trajeto-padrão na estreia da gasolina no tanque, a Adventure teve uma semana variada, enfrentando bons quilômetros de uso urbano sem, contudo, frequentar grandes congestionamentos. O registro de consumo nesse vai-vem pela cidade foi razoável, com média de exatos 10 km/l. Na sequência, o colaborador Gustavo Epifânio, 38 anos, fotógrafo, foi convocado para rodar com a Idea, levando-a a Santos, onde clicou o jogo entre Santos e Atlético Mineiro pelo Campeonato Brasileiro de Futebol.

“Esperava mais do motor”

No trajeto de ida e volta à Baixada Santista, Gustavo destacou como pontos positivos a qualidade da iluminação oferecida pelo fornido conjunto de faróis, o espaço interno e o razoável conforto oferecido pelos bancos. Contudo, no aspecto dinâmico a Idea Adventure frustrou as expectativas do motorista: “Esperava mais, bem mais desse motor. Mesmo viajando só e sem bagagem, não achei as acelerações e retomadas condizentes com os anunciados 130 cv. É certo que para uma minivan não se pode querer um comportamento esportivo, mas ela me pareceu amarrada, pesada, aquém do que imaginava”.

 

 

Enfrentando condições meteorológicas ruins, com fortes ventos de rajada na subida da Rodovia dos Imigrantes, Gustavo relatou dificuldade em manter a trajetória por conta da forte sensibilidade da Idea aos ventos laterais: “O carro alto do solo é uma vantagem para passar por buracos e encarar estradas ruins, mas na condição de rodovia, a 120 km/h, exige cuidado ao volante. Por diversas vezes a Idea foi deslocada lateralmente de maneira muito incômoda. Pude manter a velocidade, mas no limite. Mais do que os 120 km/h seria totalmente desconfortável, perigoso até”.

No dia seguinte à volta de Santos, mais litoral, dessa vez a norte — descendo a serra que de Mogi das Cruzes leva a Bertioga e subindo, no mesmo dia, pela Tamoios. Nesse percurso, sem ventos intensos, o motorista notou boa estabilidade: “Nas curvas, mesmo sem abusar, não senti insegurança por conta da altura e dos pneus mistos, teoricamente menos aderentes no asfalto”. A diferença de sensação confirma o que a Idea já havia mostrado a outros colaboradores: uma suspensão muito bem acertada, dentro dos limites inerentes a um carro que tem de altura (1,81 metro) mais que de largura (1,75 m).

 

 
Sobre a estabilidade, diferentes impressões: a Idea comporta-se bem em curvas para
um carro tão alto, mas sofre em demasia com ventos laterais em velocidade

 

Ao cabo desse périplo, o veredito da bomba não foi ruim: duas subidas de serra e, ainda assim, registrar 12 km/l de média de certo modo refazem a abatida imagem da Idea no quesito consumo. E sobre esse perfil aventureiro, os pneus e adereços Adventure, Gustavo pensa o quê? “Imagino que se eu tivesse que comprar uma Idea seria essa, alta, com pneus mistos. Gosto de me embrenhar, vez por outra, por caminhos não convencionais e levar meus dois filhos a praias onde a natureza esteja praticamente intocada. Esse Fiat me parece adequado para tal fim, compensando com essa versatilidade, e com o diferencial que pode ser bloqueado, o consumo algo elevado e o desempenho que, como disse, não achei grande coisa”.

O maior problema para que uma Idea igual à avaliada entrasse na garagem do colaborador é — você adivinhou — o preço: “Quase R$ 60 mil é uma cifra além do que esse carro deveria custar. Tem uns 5 ou 8 mil de ‘gordura’ pelo que ela oferece, mesmo sabendo que essa está com quase todos os opcionais possíveis e que carro, no Brasil, é caro demais de um modo geral. Para não sair do tipo de veículo adequado a algumas ‘escapadas’, o novo Ford EcoSport Freestyle 1,6 custa R$ 60 mil e traz mais itens de segurança, como controle eletrônico de estabilidade, além de ter um projeto muito mais atual que a Idea”.

Para o fim de semana, a Idea Adventure fará jus ao nome: enfrentará uma “aventura”, prosseguindo ainda nas mãos de Gustavo para a cobertura fotográfica de um rali na região de Ilha Comprida, litoral sul de São Paulo. E de lá, no domingo, seguirá para uma rápida viagem ao norte do Paraná.

Observação: a próxima atualização de Um Mês ao Volante sai na sexta-feira, dia 26.

Atualização anterior A opinião de quem tem

 

Último período

3 dias

529 km

Distância em cidade 98 km
Distância em estrada 431 km
Tempo ao volante 10h 38min
Velocidade média 40 km/h
Consumo médio (gasolina) 11,6 km/l
Indicações do computador de bordo

 

Desde o início

24 dias

2.347 km

Distância em cidade 726 km
Distância em estrada 1.621 km
Tempo ao volante 60h 27min
Velocidade média 39 km/h
Consumo médio (álcool) 7,4 km/l
     Melhor marca média (álcool) 8,4 km/l
     Pior marca média (álcool) 5,6 km/l
Consumo médio (gasolina) 11,6 km/l
     Melhor marca média (gasolina) 12,0 km/l
     Pior marca média (gasolina) 10,0 km/l
Consumo em percurso-padrão (43,2 km)
     Álcool 10,9 km/l
     Gasolina 15,1 km/l
Indicações do computador de bordo

 

Preço

Sem opcionais R$ 51.040
Como avaliado R$ 59.691

 

 

Ficha técnica

Motor
Posição transversal
Cilindros 4 em linha
Comando de válvulas no cabeçote
Válvulas por cilindro 4
Diâmetro e curso 80,5 x 85,8 mm
Cilindrada 1.747 cm³
Taxa de compressão 11,2:1
Alimentação injeção multiponto sequencial
Potência máxima (gas./álc.) 130/132 cv a 5.250 rpm
Torque máximo (gas./álc.) 18,4/18,9 m.kgf a 4.250 rpm
Transmissão
Tipo de câmbio e marchas manual /  5
Tração dianteira
Freios
Dianteiros a disco ventilado
Traseiros a tambor
Antitravamento (ABS) sim
Direção
Sistema pinhão e cremalheira
Assistência hidráulica
Suspensão
Dianteira independente, McPherson
Traseira eixo de torção
Rodas
Dimensões 6 x 15 pol
Pneus 205/70 R 15
Dimensões
Comprimento 4,207 m
Largura 1,753 m
Altura 1,814 m
Entre-eixos 2,511 m
Capacidades e peso
Tanque de combustível 48 l
Compartimento de bagagem 380 l
Peso em ordem de marcha 1.325 kg
Desempenho e consumo
Velocidade máxima (gas./álc.) 178/180 km/h
Aceleração de 0 a 100 km/h (gas./álc.) 11,6/10,8 s
Consumo em cidade (gas./álc.) 11,0/7,4 km/l
Consumo em rodovia (gas./álc.) 14,6/9,8 km/l
Dados do fabricante