Ford Mustang: potência para as massas há meio século

2001 Ford Mustang Bullitt

 
Além das rodas e da decoração, o Bullitt vinha com o motor V8 4,6-litros
ajustado para 270 cv, suspensão mais firme e freios da Brembo

 

A Road & Track  constatou que o Cobra R acelerava tão rápido quanto um Corvette e o deixava para trás em aceleração lateral, além de prover sensações típicas de carro de corridas: “O escapamento de grandes bocas late com uma urgência diretamente proporcional à abertura do acelerador. O Cobra R é brutalmente rápido. É uma grande diversão, do tipo que pede para ser dirigido com o pé no fundo”.

 

Os longevos concorrentes Camaro e Firebird
eram descontinuados: a GM entendia
que o conceito de carro-pônei estava superado

 

No ano seguinte a Ford apresentava o GT Bullitt, em homenagem ao filme estrelado por Steve McQueen em 1968 (leia boxe abaixo),  no qual o protagonista pilotava um Mustang GT 390. As rodas de 17 pol em tom grafite e o acabamento interno lembravam os do modelo do cinema, mas havia também novas tomadas de ar e saias laterais. O motor V8 4,6 recebia alterações para chegar a 270 cv, a suspensão era mais firme e os freios usavam discos dianteiros Brembo. Cada uma das 5.500 unidades trazia uma plaqueta numerada. O Cobra voltava ao mercado, agora com 320 cv efetivos.

Dois de seus concorrentes de mais longa vida, o Camaro e o Firebird, eram descontinuados ainda em 2001. A GM entendia que o conceito de carro-pônei estava superado, pois os jovens compravam esportivos europeus e japoneses e os mais maduros satisfaziam sua sede de desempenho com picapes e utilitários esporte, com motores V8 de mais de 300 cv. Uma sombra pairava sobre o Mustang — mas a Ford não se abateu e persistiu em sua evolução.

 

2003 Ford Mustang Mach 1

 

2003 Ford SVT Mustang Cobra
2004 Ford Mustang SVT Cobra
 
O Mach 1 (em cima) associava 300 cv a um capô que balançava ao acelerar;
o SVT Cobra (embaixo) ganhava compressor e passava a 390 cv no modelo 2003

 

O mítico nome Mach 1 era retomado em 2002 em uma versão especial de 6.500 unidades do Mustang. Não ficou de fora nem o clássico shaker hood,  uma seção do capô que balançava ao acelerar o V8 de 4,6 litros, 32 válvulas e 300 cv. Rodas exclusivas de 17 pol e detalhes em prata no interior, além de faixa central e aerofólio pretos, compunham o visual esportivo. Para os audiófilos estava disponível um sistema de som de 1.140 watts com alto-falante de subgraves.

 

 

Car and Driver  comparou o Mach 1 a Audi TT, Honda S2000 e Nissan 350Z. Os resultados foram o Mustang em segundo lugar e uma conhecida conclusão: “De longe, o melhor desempenho pelo dinheiro. As mentes por trás dos outros carros estavam focadas no futuro, enquanto o Mach 1 é uma ode ao passado. O Mach 1 ganha medalha de prata por causa de sua diversão bruta. Os 96 km/h são seus em 5,2 segundos, 0,7 s atrás de um bem mais caro Cobra”.

O SVT Cobra redimia-se do golpe da falsa potência em 2003, ao receber um compressor para alcançar 390 cv e 54 m.kgf. Vinha com câmbio de seis marchas como o do Cobra R e a suspensão traseira independente. Ainda nesse ano o Cobra aparecia em série limitada de 2.003 unidades, a 10th Anniversary, alusiva aos 10 anos da divisão SVT. Disponível como cupê ou conversível, trazia bancos de couro preto e vermelho, rodas exclusivas de 17 pol, pinças de freio vermelhas e detalhes próprios de acabamento.

Próxima parte

 

Nas telas

007 Contra Goldfinger
007 Contra Goldfinger

Um Homem e uma Mulher
Um Homem e uma Mulher

Cherry 2000
Cherry 2000

Relacionar todos os filmes em que um carro bem-sucedido como o Mustang aparece é tarefa quase infindável (há sites com uma lista que supera 4.000), mas relacionamos aqui os mais expressivos.

Sua primeira aparição nas telas foi em 007 contra Goldfinger  (Goldfinger,  1964). Enquanto James Bond (Sean Connery) dirige o Aston Martin DB5, Tilly Masterson (Tania Mallet) está em um conversível branco “1964 e meio”. Os cubos de roda do DB5 de Bond ejetam-se e se tornam lâminas, que cortam os pneus do Mustang e destroem suas laterais. Havia planos de usar um fastback  no filme, mas não ficou pronto a tempo.

No francês Um Homem e uma Mulher  (Un Home et une Femme,  1966) um drama romântico com Jean-Louis Trintignant e Anouk Aimée, o piloto de provas aparece num Mustang conversível 1965 vermelho. Em uma cena na praia de Deauville, faz derrapagens. Depois aparece, ao lado do Ford GT40 branco, em testes na pista inclinada de Monthlery. O mesmo cupê participa do Rali de Monte Carlo e muito em todo o filme.

Em K-9, um Policial Bom para Cachorro  (K-9,  1989), James Belushi tem um conversível verde 1966. Talvez seja o Mustang mais surrado que apareceu nas telas, mas o detetive sempre se referia a ele como “um clássico” e tinha muito orgulho. No fim do filme a carroceria já está quase toda perfurada por balas. Cupês de 1965 e 1966 estão também nos filmes de ação Condenação Brutal  (Lock Up, 1989), com Sylvester Stallone; Cherry 2000  (1987) e Fast Lane  (2009). Conversíveis aparecem nas comédias A Nova Cinderela  (A Cinderella Story,  2004) e Mister Bean: O Filme  (Bean,  1997).

Grand Prix
Grand Prix

60 Segundos
60 Segundos

O Importante é Vencer
O Importante é Vencer

No ótimo filme de corrida de Fórmula 1 Grand Prix  (1966), o ator James Gardner é piloto. Nas horas de folga dirige um Shelby GT 350 verde com faixas douradas pelas estradas sinuosas do sul da França, perto de Mônaco. Na refilmagem 60 Segundos (Gone in 60 Seconds, 2000), o Shelby GT 500 de 1967, prata e modificado, é cultuado pelo ladrão de carros interpretado por Nicolas Cage. Há quase 40 minutos de perseguições.

Outro Shelby GT 500 1967, branco com faixas azuis, é usado no drama Amargo Regresso  (Coming Home,  1978) em que um combatente volta do Vietnã paraplégico. Mustangs mais comuns desse ano estão na ação Velozes e Furiosos – Desafio em Tóquio  (The Fast and the Furious: Tokyo Drift,  2006), nos dramas O Importante é Vencer  (The Last American Hero,  1973) e Na Linha da Morte  (Return to Sender,  2004) e na comédia Jocks  (1986).

A Mansão dos Desaparecidos
A Mansão

Bullitt
Bullitt

Cannonball
Cannonball

Um dos mais memoráveis pegas do cinema está no policial Bullitt  (1968), estrelado por Steve McQueen e a bela Jacqueline Bisset, com perseguições emocionantes pelas ruas de San Francisco, na Califórnia. Em duelo com um Dodge Charger, o Mustang verde escuro é um GT 390 fastback  1968. McQueen, como sempre, dispensou dublês. Do mesmo ano são o Mustang do drama Cadê a Grana?  (Where the Money Is,  2000) e o GT 500 KR do policial A Mansão dos Desaparecidos  (What Ever Happened to Aunt Alice?,  1969).

No filme policial Malone  (1987), Burt Reynolds faz um ex-agente do FBI que possui um belo fastback  1969. Podem ser vistos outros Mustangs desse ano nos filmes de ação Cannonball – A Corrida do Século  (Cannonball,  1976) e Sentença de Morte  (Death Sentence,  2007).

007 - Os Diamantes são Eternos
Os Diamantes são Eternos

Gone in 60 Seconds
Gone in 60 Seconds

Starman
Starman

Os grandes Mustangs do começo da década de 1970 também têm participações expressivas. James Bond dirigiu um Mach 1 vermelho 1971 (e fritou pneus em Las Vegas) no filme 007 – Os Diamantes são Eternos  (Diamonds are Forever,  1971), com Sean Connery. O Mustang fica em duas rodas, dá cavalo de pau e deixa louca a polícia do estado de Nevada. No original Gone in 60 Seconds  (1974), a estrela é um Mach 1 amarelo 1973, denominado Eleanor pelos ladrões de automóveis. Há muita destruição de carros e perseguições.

Um cupê 1970 está no policial Bobbie Jo and the Outlaw  (1976), um Mach 1 de 1971 aparece na ação Bounty Killer  (2013) e um 1973 consta da ação Marcado para a Morte  (Marked for Death, 1990), com Steven Seagal. A geração Mustang II pode ser vista nos filme de ação Sheba, Baby (1975) e <em”>When Strangers Appear  (2001). A versão Cobra II tem presença na aventura Starman – O Homem das Estrelas  (Starman,  1984).

Uma Noite Muito Louca
Uma Noite Muito Louca

House Party 2
House Party 2

Eternamente Lulu
Eternamente Lulu

As aparições de Mustangs tornam-se mais escassas quando se trata da geração lançada em 1979. Um cupê desse ano aparece no filme de terror The Black Room  (1983). Há um conversível 1986 na comédia Uma Noite Muito Louca  (The Night Before,  1988), um cupê 1987 no drama Fazendo Acontecer  (Make It Happen,  2008) e um conversível do mesmo ano na comédia House Party 2  (1991). Entre os carros dos anos 90, um conversível 1992 está na ação Adoro Problemas  (I Love Trouble,  1994) com Julia Roberts, um de 1996 é visto no drama Lockdown  (2000) e um modelo 1999, também aberto, na comédia Eternamente Lulu  (Forever Lulu,  2000).

Mindstorm
Mindstorm

Corrida Mortal
Corrida Mortal

Born to Race
Born to Race

Mustangs do novo milênio ainda não ganharam papéis de grande relevância, embora sejam frequentes nas telas. Merecem citação o conversível 2000 da ação Mindstorm  (2001), o modelo 2006 bastante desfigurado da ação Corrida Mortal  (Death Race,  2008) e o 2011 modificado que compete na ação Born to Race  (2011).

Colaborou Francis Castaings

Próxima parte