Renault Kwid vem a R$ 30 mil: conheça versões e preços

 

A novidade é brasileira, mas estreia no Salão de Buenos Aires: o Renault Kwid, sucessor do Clio como seu modelo de entrada, que entra em pré-venda com entregas a partir de agosto. A reserva requer pagamento em concessionária ou online de R$ 1.000 no cartão de crédito, em até três vezes. A pré-venda traz como vantagens primeira revisão gratuita, cinco anos de garantia para quem fizer o financiamento com o banco Renault e entrega prioritária.

O Kwid terá três versões de acabamento, com os seguintes conteúdos e preços:

 

 

Kwid Life – R$ 30 mil – Bolsas infláveis frontais e laterais, fixação Isofix para cadeira infantil, indicador de troca de marcha e de condução.

Kwid Zen – R$ 35 mil – Como o Life, mais direção assistida elétrica, ar-condicionado, travas e vidros dianteiros elétricos. Opcional: rádio com Bluetooth e entradas USB e auxiliar (R$ 35.390).

Kwid Intense + Pack Connect – R$ 40 mil – Como o Zen, mais retrovisores elétricos, faróis de neblina, tela de 7 pol para áudio, navegador e câmera de manobras, abertura elétrica do porta-malas, rodas diferenciadas e chave dobrável.

 

 

Fabricado em São José dos Pinhais, PR, o Kwid é um hatch pequeno para a classe de Fiat Mobi e Volkswagen Up com 3,68 metros de comprimento e 2,42 m de entre-eixos. A Renault o anuncia, exagerada, como SUV dos compactos para destacar o grande vão livre do solo de 18 cm. Lançado em 2015 no mercado indiano, ele passou por extensas alterações para o Brasil (80% dos componentes seriam exclusivos), como reforços estruturais para aumento da resistência em colisões. Também recebeu instrumentos analógicos em vez de digitais.

Em uma rápida análise, o carro mostra o interior esperado da faixa de preço, com materiais dos mais simples. Os controles elétricos de vidros (só dianteiros) vêm no painel e os bancos, como em Mobi e Up, têm encosto de cabeça integrado. Com os ocupantes em posição bem alta, aproveita-se melhor as compactas dimensões; mesmo assim, um passageiro de 1,75 metro fica justo atrás de um motorista do mesmo porte. O porta-malas leva 290 litros e traz o estepe.

O Kwid usa a plataforma mundial Renault-Nissan CMF-A. Na Índia oferece motores de 800 cm³ e 1,0 litro de três cilindros, mas aqui terá apenas o segundo em versão SCE com 12 válvulas e bloco de alumínio. É o mesmo de Logan e Sandero, mas sem variação de tempo de abertura de válvulas, o que o deixou menos potente: 66 cv com gasolina e 70 com álcool (ante 79/82 cv) e torque de 9,4/9,8 m.kgf (contra 10,2/10,5 m.kgf).

Ajudada pelo peso abaixo de 800 kg, bem menos que o habitual na categoria, a Renault anuncia o melhor consumo em cidade do segmento pelos padrões do Inmetro: 15,2 km/l com gasolina e 10,5 km/l com álcool. Por enquanto não há opção de caixa automatizada. As rodas de 14 pol usam pneus 165/70. No Salão é mostrada a versão Outsider, com aspecto mais “aventureiro”, que chega mais tarde ao mercado. A previsão é que possamos avaliá-lo em agosto.

 

Texto e fotos: Fabrício Samahá