Mercedes Classe C inova em eficiência e segurança

Mercedes-Benz Classe C 03

 

Em se tratando das marcas de prestígio, optar por um modelo de menor porte significa cada vez menos abrir mão de conforto, tecnologia e segurança. É o que acontece com o novo Mercedes-Benz Classe C de quarta geração (leia a história das anteriores), que já tem produção confirmada para a nova fábrica brasileira da marca.

Como de hábito, o sedã cresceu: ganhou 95 mm em comprimento (para 4,69 metros), 40 mm em largura e 80 mm em entre-eixos (para 2,84 m); o porta-malas aumentou para 480 litros. No novo estilo chamam atenção as grades dianteiras bem diferenciadas entre a versão com estrela, mais esportiva, e a cromada sem o logotipo, e os vincos marcantes nas laterais. As linhas estão mais arredondadas e revelam inspiração no Classe S. Os faróis podem ser de leds em duas versões, uma estática e outra com adaptação automática do facho às condições da via. O Cx é tão baixo quanto 0,24 na versão mais eficiente nesse quesito.

 

 

No interior a Mercedes buscou esportividade nos difusores de ar circulares e na tela central destacada de até 8,4 pol, que lembra um tablet.  A alavanca de câmbio automático foi movida para a coluna, sendo as trocas comandadas no volante. No console central vê-se apenas o comando do painel tátil, inspirado no uso de telefones inteligentes, no qual o usuário pode até mesmo escrever letras para acionar comandos. Inédita no modelo é a projeção de informações no para-brisa. Outros recursos são ativação do recirculador de ar ao entrar em túneis (usa sinal de GPS para isso) e sistema de áudio Burmester.

De início o Classe C oferece apenas três versões: C 180, com motor turbo de 1,6 litro, potência de 156 cv e torque de 25,5 m.kgf; C 200, com um turbo de 2,0 litros, 184 cv e 30,6 m.kgf; e C 200 BlueTec, que tem um turbodiesel de 2,2 litros, 170 cv e 40,8 m.kgf. O mais rápido, o C 200, acelera de 0 a 100 em 7,5 segundos. A linha logo crescerá com opções mais potentes e com outras mais eficientes, como o inédito 1,6-litro a diesel com compressor  (isso mesmo, nada de turbo) e versões de 115 cv/28,5 m.kgf e 136 cv/32,6 m.kgf. Na gama a gasolina, versões de 238 e 333 cv (esta de seis cilindros) estão a caminho. Um Classe C híbrido consta da linha pela primeira vez. O C 300 BlueTec Hybrid combina um diesel de 204 cv a um elétrico de 27 cv e promete fazer 25,6 km/l.

 

Mercedes-Benz Classe C 21

 

Com grande emprego de alumínio na estrutura da carroceria, o novo Classe C chega a pesar 100 kg a menos que o anterior. O câmbio manual tem seis marchas, e o automático, sete; há opção de tração integral em algumas versões. A suspensão oferece três versões com controle eletrônico de amortecimento: confortável, Avantgarde e esportiva, esta com altura de rodagem 15 mm menor. Primazia no segmento é a opção de molas pneumáticas, caso em que o amortecimento tem quatro modos de ajuste.

Entre os auxílios ao motorista destacam-se o controle de distância com frenagem automática a até 200 km/h e função “anda e para” (segue o carro à frente no trânsito), assistente para estacionar, câmeras externas com exibição de 360 graus, assistente de farol alto (faz “máscaras” no facho para evitar ofuscamento ao detectar outros veículos) e leitura de placas de limites de velocidade e de conversões proibidas. As bolsas infláveis incluem laterais traseiras, para os joelhos do motorista e bolsas para a pélvis dos ocupantes da frente.

 

Texto: Fabrício Samahá – Fotos: divulgação