Maserati, 100 anos: relembre modelos de destaque

Maserati 1953 - A6 GCS Berlinetta 03

 

A Maserati comemora hoje seu centenário: foi em 1º. de dezembro de 1914 que Alfieri Maserati e seus irmãos Ettore, Ernesto e Bindo começaram em Bolonha, Itália, a oficina de automóveis Società Anonima Officine Alfieri Maserati, que se tornaria um fabricante de carros esportivos e de luxo. A empresa manteve-se na cidade até 1939, quando se mudou para Modena. Nestes 100 anos a marca do tridente fez grandes carros de competição e de rua, entre os quais destacamos alguns nesta galeria. Informações abrangentes sobre vários deles constam do arquivo de histórias da seção Carros do Passado.

 

8CM (1933)

Produzido por dois anos, foi um dos primeiros carros de Grande Prêmio da marca. O motor de oito cilindros em linha e 3,0 litros desenvolvia potência de 240 cv e permitia alcançar 250 km/h.

 

A6 GCS Berlinetta (1954)

Desenhado por Pininfarina, foi o primeiro Maserati de rua. O elegante cupê tinha motor de seis cilindros em linha e 2,0 litros, com 170 cv, e chegava a 235 km/h.

 

250F (1957)

Um grande campeão das pistas, com Juan Manual Fangio (campeão de Fórmula 1 em 1957 com o modelo) e Stirling Moss ao volante. Motor de 2,5 litros e seis cilindros, 367 cv, máxima de 300 km/h.

 

 

Tipo 61 Birdcage (1959)

O nome vinha do chassi tubular desse modelo para corridas de longa duração, que tinha motor de 2,9 litros e quatro cilindros na frente, 250 cv e velocidade acima de 300 km/h.

 

Quattroporte (1963)

Como o nome indica, foi o primeiro sedã de quatro portas da Maserati, que mantém a linhagem até hoje na sexta geração. A inicial tinha cinco metros de comprimento e motor V8 de 4,1 litros e 260 cv, apto a 230 km/h.

 

Ghibli (1966)

Desenhado pelo jovem Giorgetto Giugiaro, o esportivo de 2+2 lugares foi o carro mais veloz de sua época: 280 km/h na versão SS, que extraía 335 cv do motor V8 de 4,95 litros, ante 310 cv do modelo inicial de 4,7 litros. O carismático nome voltaria nos anos 80 e denomina hoje um sedã da marca.

 

Bora (1971)

O esportivo com motor central-traseiro foi lançado já sob o guarda-chuva da Citroën. O V8 de 4,7 litros vinha com 330 cv e o levava a 280 km/h na versão inicial. A Maserati também fez o Merak, de formas semelhantes, com motor V6 da marca francesa.

 

Khamsin (1973)

Fabricado por 10 anos, apesar de lançado no inicio da crise do petróleo, o grande esportivo usava um V8 de 4,95 litros e 280 cv, oferecia câmbio automático e alcançava 270 km/h. A solução do painel traseiro transparente teve muitas imitações nas décadas seguintes.

 

Biturbo (1981)

Uma ampla linha de cupês, sedãs e conversíveis foi iniciada com o Biturbo, cujo nome indicava o uso de dois turbos no motor V6 de 2,0 litros e 182 cv. O Spyder conseguia ser charmoso apesar das linhas retas típicas do período. A versão mais potente da linha, o Ghibli Cup de 1996, tinha 330 cv com os mesmos 2,0 litros.

 

3200 GT (1998)

Lembrado pelas esguias lanternas traseiras, as primeiras com leds em um carro de produção, o belo cupê trazia um V8 de 3,2 litros com dois turbos e 370 cv, para máxima de 280 km/h. Mais tarde vinha o conversível Spyder.

 

 

MC12 (2004)

Sigla para Maserati Corse 12 Cilindri, o supercarro derivado do Ferrari Enzo levava a marca de volta às competições no Campeonato GT da FIA. O monocoque de fibra de carbono recebia motor V12 de 6,0 litros com 630 cv e a máxima superava 330 km/h. A fábrica precisava oferecer a público 25 unidades para sua homologação, mas fez o dobro.

 

Gran Turismo (2007)

Ainda em produção, o esportivo surgiu com motor V8 de 4,2 litros e 405 cv. Hoje usa um de 4,7 litros e 460 cv na versão MC Stradale e supera 300 km/h. Há também o conversível Gran Cabrio.

 

Texto: Fabrício Samahá – Fotos: RM Auctions (Ghibli) e divulgação