Holden Commodore sai; entra novo Insignia de 308 cv

 

A clássica combinação de um potente motor V8 e tração traseira dos grandes sedãs australianos, já abolida pela Ford com o encerramento da produção do Falcon após 56 anos, promete deixar saudades também entre os fãs da Holden, o braço da General Motors no país. No lugar das versões de alto desempenho do atual Commodore (que no Brasil, em versões anteriores, foi o Chevrolet Omega entre 1998 e 2012) devem entrar as derivadas do próximo Opel Insignia, modelo que sucedeu ao Vectra na Europa.

 

 

De acordo com a revista Motor, um V6 de 3,6 litros com 308 cv estará na versão mais potente da futura geração NG do Commodore (o tradicional nome, em uso desde 1978, permanece), prevista para 2018, associado a tração integral e caixa automática de nove marchas. Nem mesmo a carismática sigla SS, usada desde 1982 no modelo, continua: é provável que a Holden adote VXR como nos similares ingleses da Vauxhall. O atual Insignia VXR, com um V6 biturbo de 2,8 litros e 320 cv, já é vendido com a denominação britânica pela marca australiana.

A reformulação do Commodore trará expressiva redução de peso (entre 200 e 300 kg, prevê-se) e novas tecnologias como suspensão com controle eletrônico, faróis adaptativos de leds, projeção de informações no para-brisa e sistema de áudio com tela de 8 pol. Resta saber se esses atributos compensarão a perda do V8 e da tração traseira perante os aficionados.

 

Holden Commodore SS atual

 

Holden Insignia VXR atual

Texto da equipe – Fotos: divulgação