Ducati: Panigale R, mais “brava”, e Diavel para viajar

 

Quando se trata de uma Ducati, a simples adição da letra “R” à designação da moto já faz esperar algo muito especial. É o caso da 1199 Panigale R que surge no EICMA, o Salão de Milão:  uma das esportivas mais velozes do mundo ganha ingredientes selecionados para ficar ainda mais rápida nas retas e nas curvas.

 

 

As alterações começam no motor de dois cilindros em “L” e 1.198 cm³, que recebe volante mais leve, bielas de titânio e novas válvulas para poder girar até 12.000 rpm. Com escapamento Termignoni e novo mapeamento eletrônico, a Ducati anuncia aumento de potência de 3% (de 195 para 201 cv) e ganho de 15% nas faixas médias de rotação. As suspensões usam componentes Öhlins e controle eletrônico, a exemplo da Panigale S, e o quadro é de alumínio. Outras mudanças são elementos estéticos de fibra de carbono, freios antitravamento (ABS) ajustáveis e com botão de desativação e até um revestimento para o assento que, segundo a marca italiana, melhora a sensibilidade para explorar o comportamento da moto em curvas…

 

 

A Ducati lança também a Diavel Strada, uma versão mais confortável para viagens de uma moto nascida para impressionar pela aparência “bruta” e pelo desempenho (veja a versão original). As alterações abrangem guidão mais alto e recuado, novo banco e um para-brisa que busca desviar o vento sem comprometer o visual da Diavel, embora algum prejuízo seja inevitável em nossa opinião. Porta-bagagens laterais podem levar até 41 litros e as manoplas são aquecidas. A Strada mantém o motor de dois cilindros e 1.198 cm³ com potência (162 cv) e torque (13 m.kgf) soberbos.

 

Texto: Fabrício Samahá – Fotos: divulgação