Espaçoso e bom de motor, Virtus desaponta em satisfação

Mesmo com mais qualidades que defeitos, o sedã do VW Polo obtém baixa aprovação pelos proprietários

Texto: Fabrício Samahá – Fotos: autor e divulgação

.

Um sedã compacto com motor turbo, cabine e porta-malas espaçosos e muitas opções de equipamentos: foi com essa proposta atraente que a Volkswagen lançou o Virtus no Brasil em 2018. Parecia uma combinação vencedora, mas como se deu na prática? Quase três anos depois de lançado e com ampla oferta no mercado de usados, como o sedã derivado do Polo se sai na opinião dos proprietários? Questões para o Guia de Compra responder.

O Virtus estreou com três versões: MSI, com motor aspirado de 1,6 litro e transmissão manual apenas; Comfortline 200 TSI e Highline 200 TSI, ambas com motor turbo de 1,0 litro combinado a uma caixa automática de seis marchas. Meses depois o MSI ganhava opção da caixa automática, surgia a oferta de sistema de áudio Beats e a versão Sense aparecia com foco no público PCD (pessoas com deficiência). No começo de 2020 vinha o Virtus GTS com motor turbo de 1,4 litro.

A versão de entrada MSI tem motor aspirado de 1,6 litro e caixa manual ou automática; a Sense é exclusiva para o segmento PCD

Na opinião dos donos que participaram do Teste do Leitor, o Virtus é acima de tudo um carro bonito: seu desenho foi destacado em 53% dos relatos. Dois itens — espaço interno e consumo de combustível, tanto com motor 1,6 quanto com o 1,0 turbo — aparecem empatados em segundo lugar com 43%, seguidos de perto pelo desempenho com 40%. Outros pontos elogiados são porta-malas (28%), maciez/conforto (18%) e equipamentos (15%).

“Carro versátil, econômico, suspensão firme. Tem bastante torque, basta pisar no acelerador que ele responde em qualquer situação. Painel digital fantástico. Já tive carros como Corolla, Civic e Sentra. Virtus tem potência, motor e tecnologia equiparada e em alguns casos melhor que desses veículos”, elogia Cleber Serigatto Carvalho, de São Paulo, SP, sobre o Virtus Highline TSI automático 2018. “Carro perfeito, silencioso, macio, econômico em cidade e estrada. Até agora superando expectativas”, acrescenta Carlos Eduardo Machado Lemos, de Ponta Grossa, PR, que tem um Virtus MSI 2020.

Perguntados sobre os pontos negativos do sedã da Volkswagen, 38% dos donos foram taxativos: acabamento interno, com críticas tanto aos materiais quanto a detalhes estéticos como os trilhos dos bancos bem aparentes. Curiosamente, o mesmo consumo que 38% elogiam é alvo de reclamações por 20% dos donos. De resto, 10% lamentam a imprecisão de mudanças ou trancos da caixa automática.

No Virtus Comfortline, mais equipamentos que no MSI combinados ao motor turbo de 1,0 litro, sempre com caixa automática

Ricardo Alexandre dos Santos, de Itajaí, SC, observa sobre o Virtus Comfortline TSI 2019: “Acabamento consegue ser mais pobre que um Voyage ou Gol. Trilhos dos bancos expostos, plástico cinza que risca fácil por todo lado, falta de alças de teto, volante muito fino e sem forração. Câmbio muito suave para subir de marcha, nem tanto para reduzir. Ventilação tem pouco isolamento térmico do motor, então em 15 minutos de viagem você vai ter ar quente querendo ou não”. O leitor Rodrigo, de Goiânia, GO, tem um Virtus 2020 da mesma versão e lamenta: “O pior câmbio automático, trocas sem precisão, sempre em redução para dar a sensação de potência e barulhento. Consumo péssimo”.           

Apesar do volume de elogios bem superior ao de críticas, o índice de satisfação com o Virtus decepciona: apenas 35% dos donos dizem-se muito satisfeitos com o carro

O acabamento volta a aparecer como aspecto negativo na relação de defeitos apresentados pelo Virtus: 30% dos participantes apontam ruídos internos e outros 8% relatam ruídos de vento. Em 23% dos carros, os freios apresentaram ruídos anormais como chiados e estalos. Registraram-se ainda 8% de citações a ruídos na suspensão dianteira e o mesmo percentual de problemas no sistema de arrefecimento.

Ricardo Tassio, de Brasília, DF, comenta sobre o Virtus Highline TSI automático 2018: “Muita chateação com barulhos no acabamento. Barulho no botão do freio de mão, nas saídas do ar, no porta-malas atrás do banco. As pastilhas de freio fazem barulho tipo ônibus urbano ao parar. O carro trepida quando pisa no freio. Suspensão dianteira fazendo barulho e batendo seco”. Luiz Fernando, de Curitiba, PR, adiciona sobre seu Comfortline TSI 2020: “Ao passar de 100 km/h, barulho insuportável de vento que vem da porta”.

Instrumentos digitais e central de áudio com tela de 8 pol eram itens restritos ao Virtus Highline, depois aplicados também ao GTS

Apesar do volume de elogios bem superior ao de críticas, o índice de satisfação dos proprietários de Virtus decepciona: apenas 35% dos donos dizem-se muito satisfeitos com o carro, enquanto o percentual de insatisfeitos (30%) é dos mais altos já registrados no Guia de Compra. É dele o pior resultado em 11 análises de carros compactos, atrás de VW Up (94% muito satisfeitos), os antigos Chevrolet Onix e Prisma (82%), Ford Ka (81%), Peugeot 208 anterior (81%), Toyota Etios (76%), Hyundai HB20 e HB20S anteriores (75%), Renault Logan e Sandero (69%), Fiat Grand Siena (64%), VW Fox e Spacefox (60%), VW Polo (58%) e Toyota Yaris (44%).

O serviço das concessionárias Volkswagen também tem deixado a desejar: só 38% dos donos apontam muita satisfação com a rede, percentual menor que o de satisfação parcial (48%). Na categoria, o Virtus perde para Etios (69% muito satisfeitos), Yaris e HB20 (63%), Ka (56%), Onix/Prisma (46%), Polo (45%), Logan/Sandero (41%) e Fox/Spacefox (40%), empata com 208 (38%) e vence Grand Siena (30%). Os resultados se referem ao momento de publicação de cada Guia de Compra, podendo ser diferentes da situação atual.

Mais Avaliações

Satisfação com o carro

Muito satisfeitos 35%
Parcialmente satisfeitos 35%
Insatisfeitos 30%
Pesquisa com 40 donos

Satisfação com a rede de concessionárias

Muito satisfeitos 38%
Parcialmente satisfeitos 48%
Insatisfeitos 15%
Não usam 0
Pesquisa com 40 donos

Ficha técnica

  Virtus MSI 1,6 (manual) Virtus Highline TSI 1,0 (automático)
Motor
Posição transversal transversal
Cilindros 4 em linha 3 em linha
Comando de válvulas duplo no cabeçote duplo no cabeçote
Válvulas por cilindro 4, variação de tempo 4, variação de tempo
Diâmetro e curso 76,5 x 86,09 mm 74,5 x 76,4 mm
Cilindrada 1.598 cm³ 999 cm³
Taxa de compressão 11,5:1 10,5:1
Alimentação injeção multiponto sequencial injeção direta, turbocompressor, resfriador de ar
Potência máxima (gas./álc.) 110/117 cv a 5.750 rpm 116/128 cv a 5.500 rpm
Torque máximo (gas./álc.) 15,8/16,5 m.kgf a 4.000 rpm 20,4 m.kgf de 2.000 a 3.500 rpm
Transmissão
Tipo de caixa e marchas manual, 5 automática, 6
Tração dianteira dianteira
Freios
Dianteiros a disco ventilado a disco ventilado
Traseiros a tambor a disco
Antitravamento (ABS) sim sim
Direção
Sistema pinhão e cremalheira pinhão e cremalheira
Assistência elétrica elétrica
Suspensão
Dianteira independente, McPherson, mola helicoidal
Traseira eixo de torção, mola helicoidal
Rodas
Dimensões 6 x 15 pol 6 x 16 pol ou 6,5 x 17 pol
Pneus 195/65 R 15 205/55 R 16 ou 205/50 R 17
Dimensões
Comprimento 4,482 m 4,482 m
Largura 1,751 m 1,751 m
Altura 1,472 m 1,472 m
Entre-eixos 2,651 m 2,651 m
Capacidades e peso
Tanque de combustível 52 l 52 l
Compartimento de bagagem 521 l 521 l
Peso em ordem de marcha 1.134 kg 1.192 kg
Desempenho (gas./álc.)
Velocidade máxima 191/195 km/h 189/194 km/h
Aceleração de 0 a 100 km/h 10,2/9,8 s 10,4/9,9 s
Consumo em cidade 11,9/8,2 km/l 11,2/7,8 km/l
Consumo em rodovia 13,8/9,5 km/l 14,6/10,2 km/l
Dados do fabricante; consumo conforme padrões do Inmetro