Moto em picape ou em carreta, eis a questão

Motite

 

Precisa transportar a moto? Conheça os prós e contras do reboque em comparação a uma picape

 

Com o crescimento da violência no trânsito e de assaltos a mão armada, muitos motociclistas decidiram curtir o veículo essencialmente como lazer, nos fins de semana, nas pistas de asfalto ou terra ou em viagens bem longe dos centros urbanos. Uso diário da moto, só mesmo para quem vive nas grandes cidades e não gosta de — ou não pode — ficar parado no trânsito. Aliás, o uso da moto como objeto de lazer é comum em países desenvolvidos, que contam com transporte público de qualidade.

Por conta desse novo perfil de motociclista surge a necessidade de transportar o brinquedo, que não é pequeno nem leve. E volta a eterna dúvida: picape ou carreta?

 

Hoje existem prolongadores de caçamba, mas é a situação meio-termo: tem gente que não abre mão do conforto de um sedã

 

Como as pilhas, tudo tem seu lado positivo e negativo. A picape tem a vantagem de ser mais fácil de dirigir, não pagar tarifa por um terceiro eixo no pedágio, poder rodar na mesma velocidade dos carros leves e até o estilo que agrada muito ao brasileiro. Mas há limitações: em geral só transporta duas pessoas (existem opções de cabine dupla mesmo para as pequenas, mas nesse caso a caçamba é comprometida), a suspensão é mais dura pelo projeto de transporte de carga, a altura dificulta a operação de carga e descarga da moto, transportam-se no máximo duas motos e, no caso das picapes grandes, a própria dimensão se torna um exagero para levar, na maioria das vezes, apenas uma pessoa.

 

Extensor de caçamba e rampa para acesso: soluções para a picape

 

Hoje existem prolongadores de caçamba que funcionam como rampa e permitem levar motos em picapes de cabine dupla: assim é possível ter a comodidade de levar até cinco pessoas, além da moto e da carga. Mas é sempre aquela situação meio-termo: picape não é carro e tem gente que simplesmente não abre mão do conforto de um sedã.

Já tive as duas opções: fui dono de carreta e de picape. Nenhuma das opções pode ser considerada a “melhor” escolha, porque a opção depende muito de cada um. Por exemplo, se você não tiver vaga para guardar uma carreta, já elimine essa opção. Poderia alugar, mais comum hoje em dia, mas com o inconveniente de retirar e devolver com prazos rígidos.

 

 

Como é ter carreta

Para muitos, melhor que uma picape é manter um carro normal e adotar a carreta. Há a vantagem de usar um carro confortável durante a semana, com espaço para quatro ou cinco pessoas mais bagagem, mas as desvantagens são muitas:

1) É preciso espaço para guardar a carreta na garagem ou estacionamento. Alguns condomínios nem sequer admitem o estacionamento de carreta.

2) Exige licenciamento, com a mesma burocracia de um carro: tem de renovar (e pagar) a cada ano e, ao vender, é preciso fazer a transferência. Bastaria um documento de posse e pronto, mas a administração pública tem de nos encher o máximo possível.

3) Paga-se mais pedágio. Como a tarifa é cobrada por eixo, a carreta significa 50% a mais na conta. Como as operadoras das rodovias ganharam alforria para cobrar quando, quanto e onde quiserem, está feita a festa da arrecadação.

4) Exige manutenção. Mesmo se rodar pouco precisa trocar os pneus, que ficam velhos e ressecados após cinco anos. Se a roda não for compatível com a do carro, ainda é preciso providenciar um estepe. Sim, já tive um pneu de carreta furado e posso dizer que é um inferno.

 

Manobrar com uma carreta é uma arte: cada vez que enfrento essa situação admiro ainda mais os caminhoneiros

 

5) Dificulta as manobras de estacionamento. Quando me hospedo em hotel, tenho de perguntar antes se há garagem onde possa manobrar uma carreta. Mesmo assim passei por várias situações embaraçosas, sobretudo quando tive de me hospedar em um motel e a carreta ficou atrapalhando meio mundo.

E manobrar com uma carreta é uma arte. Cada vez que enfrento essa situação admiro ainda mais os caminhoneiros. Para dar ré com a moto na carreta é mais fácil, mas quando está vazia é preciso se balizar pelos espelhos laterais e pensar tudo ao contrário: para ir à esquerda precisa virar o volante para direita e vice-versa. Na maioria das vezes desengato a carreta e manobro no braço mesmo.

6) A velocidade do carro fica limitada. Pela legislação, carro puxando carreta precisa obedecer aos limites de velocidade dos veículos pesados. Mesmo onde não há limite diferenciado, nem pense em correr com uma carreta engatada. Uma carreta nova e bem construída até passa alguma segurança, mas se for velhinha ou mal balanceada, chacoalha mais do que minhoca em asfalto quente!

 

Na caçamba ou na carreta? Cada solução tem suas vantagens

 

7) Duas alegrias. Só tem uma coisa que deixa um dono de carreta mais feliz do que no dia em que comprou: vendê-la! Em termos de liquidez, uma carreta faz um Alfa Romeo 164 parecer facílimo de encontrar novo dono.

8) Preço do aluguel. Basta alugar 15 vezes uma carreta (a R$ 120 em média) para chegar à mesma verba da compra de uma nova.

9) Dificuldade no uso fora de estrada. Que faz trilha às vezes precisa pegar um trecho de terra ou lama, que com uma carreta se mostra pior do que com uma picape pequena ou média, sobretudo nas subidas com piso escorregadio.

10) Especificidade. A carreta exclusiva para motos não serve para transportar outras coisas. Minha última carreta foi devidamente transformada em carreta de carga (chamada de fazendeira) para transportar também material de construção, a geladeira da sogra, colchões e tudo que você nem imagina. Uma carreta fazendeira é mais versátil do que uma específica para motos. Algumas empresas fazem modelos híbridos para levar moto e barco pequeno ou moto e moto aquática.

Diante de tudo isso, concluí que as únicas vantagens da carreta sobre a picape são poder usar um carro de qualquer modelo, com mais conforto, e poder levar até três motos por vez. Fora isso, é só dor de cabeça: vou de picape, sem dúvida.

Coluna anterior

A coluna expressa as opiniões do colunista e não as do Best Cars