Renault Sandero 2015 está melhor a vários sentidos

Sandero Dynamique

 

Visão, tato e audição gostarão da extensa reforma aplicada ao hatch,
que segue os passos do novo Logan e começa por menos de R$ 30 mil

Texto: Fabrício Samahá e Edison Ragassi – Fotos: divulgação

 

Assim como ocorreu com o Logan no ano passado, o Renault Sandero passa por uma ampla remodelação para a linha 2015. Aproveitando a mecânica do modelo lançado em 2008, a fábrica francesa aplicou um estilo mais atual e agradável e deixou o interior mais atraente, em um conjunto que pretende repetir a boa aceitação do anterior — responsável por 40% das vendas da marca e por um total acumulado de 500 mil unidades nesses quase seis anos.

O novo Sandero vem em quatro versões. A mais simples, Authentique, usa motor de 1,0 litro e 16 válvulas, custa R$ 29.890 e traz de série bolsas infláveis frontais, freios com sistema antitravamento (ABS) e distribuição eletrônica da força de frenagem (EBD), direção assistida, volante com regulagem em altura, ar quente, desembaçador do vidro traseiro, rodas de 15 pol com pneus 185/65, conta-giros e aberturas internas do porta-malas e tanque de combustível. Pode receber ar-condicionado.

 

Sandero Expression

 

Sandero Expression
Sandero Expression
 
O novo desenho do Sandero revela-se simples, mas agradável, e perde a diferença
para o Logan na dianteira; o Expression (fotos) pode vir com ambos os motores

 

A intermediária Expression oferece o motor 1,0 16V (R$ 35 mil) e o 1,6 de oito válvulas (R$ 38.590). Além dos equipamentos da Authentique, vem com ar-condicionado, rádio/CD com MP3, tomada USB e interface Bluetooth, controles elétricos de vidros dianteiros e travas, alarme, controle remoto de travas, computador de bordo, retrovisores e maçanetas na cor da carroceria. Os opcionais são navegador integrado ao painel e sensores de estacionamento na traseira.

 

O interior foi beneficiado pela remodelação
já vista no Logan, com um painel bem superior
em aspecto e novos itens de conveniência

 

Por fim, a nova opção de topo Dynamique 1,6 (R$ 42.390) adiciona ao conteúdo da Expression rodas de alumínio de 15 pol, faróis de neblina, controles elétricos de vidros traseiros, controlador e limitador de velocidade, retrovisores com ajuste elétrico e luzes de direção, banco traseiro bipartido e volante revestido em couro. Pode receber ainda ar-condicionado automático, navegador e sensores de estacionamento na traseira.

Comparado ao modelo 2014 o Sandero ficou mais barato e ganhou rodas de 15 pol no caso do Authentique, mas perdeu itens como faróis de neblina no Expression 1,6 e navegador no Privilège (substituído pelo Dynamique). A garantia é de três anos ou 100 mil quilômetros. Acessórios disponíveis em concessionária incluem alarme, engate traseiro para reboque, faróis de neblina, ponteira de escapamento cromada, rodas de alumínio, sensores de estacionamento, rádios e o pacote Sport, composto por saias laterais e defletores dianteiro e traseiro.

 

Renault Sandero

 

Renault Sandero Dynamique
Renault Sandero Dynamique
 
Rodas de alumínio e apliques cromados vêm no Dynamique, que substitui o
Privilège e tem motor 1,6; em azul, com acessórios do pacote visual Sport

 

Por enquanto ficam de fora o pacote visual esportivo GT Line, a versão aventureira Stepway e o motor de 1,6 litro com 16 válvulas. Os dois últimos devem voltar ao mercado até o fim do ano, assim como uma opção sem pedal de embreagem — espera-se um câmbio automatizado, ainda sem detalhes, no lugar do antigo automático de quatro marchas. Curioso é que o 1,6 16V está previsto com câmbio manual e 105 cv para o mercado argentino: culpa do preconceito de muitos brasileiros?

 

 

O Sandero original, embora baseado na plataforma do primeiro Logan, havia recebido linhas próprias e mais joviais que as do sedã. Isso muda na nova geração (que justifica tal designação pelo redesenho completo da carroceria): agora os dois modelos são iguais de frente e parecidos nas formas da traseira, caso das lanternas. O hatch também não tem mais os vincos curvos nas portas. O estilo adotado aqui segue o apresentado na Europa no Salão de Paris de 2012, salvo por detalhes; o Stepway foi remodelado por lá na mesma época.

Apesar de simples e sem inovações — ou talvez por isso mesmo —, o novo visual deve agradar à maioria. Transmite robustez e não parece destinado a envelhecer rápido, além de evitar a rejeição a soluções estranhas, como as antigas lanternas traseiras de formas irregulares. Uma comparação visual mostra que o formato básico da carroceria foi mantido, mesmo com todos os painéis refeitos. Os faróis passam a usar duplo refletor, mas se lamenta que os repetidores laterais de luzes de direção, antes usados em toda a linha, agora venham só no Dynamique. Exageradas, a nosso ver, são as molduras cromadas nos faróis de neblina dessa versão.

 

Renault Sandero Dynamique

 

Renault Sandero Dynamique
Renault Sandero Dynamique
Renault Sandero Dynamique

 

Renault Sandero Dynamique
Renault Sandero Dynamique
Renault Sandero Dynamique
 
Por dentro, o Dynamique mostra aparência bem melhor e pode ter ar-condicionado
automático; a tela de 7 pol serve a áudio, navegação e pontuação pela eficiência

 

O interior foi beneficiado pela mesma remodelação vista no Logan, com um painel bem superior em aspecto e novos itens de conveniência como o ar-condicionado automático, limitador e controlador de velocidade. Os bancos dianteiros do Dynamique adotam um revestimento sem costuras na face de contato com os ocupantes e espuma de espessura variável. Amplo espaço para quatro adultos e boa posição de dirigir são atributos do Sandero que permanecem. O acabamento, sem ser luxuoso, está adequado ao que se tem na categoria.

A tela sensível ao toque de sete polegadas do sistema Media Nav acrescenta às funções conhecidas — áudio, telefone e navegação — dicas para direção econômica e o sistema Eco2 de pontuação, que atribui até cinco estrelas ao motorista nos quesitos aceleração, troca de marchas e antecipação. Há também uma luz de sugestão de mudança de marcha no painel. O ajuste elétrico dos retrovisores agora vem no painel (antes, sob a alavanca do freio de estacionamento), mas os controles elétricos de vidros traseiros deveriam continuar na porta do motorista (foram para o painel). O compartimento de bagagem mantém a capacidade de 320 litros, a maior da classe, e ganhou comando interno. O estepe passa a vir sob o assoalho interno, como a maioria parece preferir no Brasil, em vez de sob a carroceria.

Próxima parte