Redesenhado, Fit mantém preço como ponto crítico

Honda Fit EXL

 

Mais espaço, novos equipamentos, motor 1,5 para todos, menor
consumo com câmbio CVT… mas ainda está caro diante do mercado

Texto: Fabrício Samahá – Fotos: divulgação

 

Onze anos depois de sua estreia no Brasil, o Honda Fit nacional chega à terceira geração, lançada no fim do ano passado no Japão. Já são 5,2 milhões de unidades (incluindo a versão Jazz vendida na Europa) desde o lançamento mundial, em 2001, dos quais 500 mil produzidos no Brasil. A nova geração começa a ser feita na mesma fábrica de Sumaré, mas no próximo ano ganha produção em Itirapina, ambas no interior de São Paulo. As vendas começam em maio.

São quatro versões de acabamento, que não oferecem opcionais além do câmbio automático de variação contínua (CVT) para as duas primeiras; nas outras ele vem de série. Os preços sugeridos são: DX com caixa manual, R$ 49.900; DX CVT, R$ 54.500; LX manual, R$ 54.200; LX CVT, R$ 58.800; EX CVT, R$ 62.900; e EXL CVT, R$ 65.900. O CVT substitui o antigo automático de cinco marchas. Por enquanto o pacote visual Twist fica de fora. Nota-se que o DX manual manteve o preço do antigo CX e que houve redução no caso do EX. A Honda começa a produção dividida em 3% para DX, 49% para LX, 38% para EX e 10% para EXL.

 

Honda Fit EXL

 

Honda Fit EXL
Honda Fit EXL
 
Vincos acentuados, lanternas com refletores elevados, a nova identidade da marca
na grade: o Fit mudou por inteiro, mas preserva o parentesco ao modelo anterior

 

O motor passa a ser o mesmo para todos, de 1,5 litro — antes, versões abaixo da EX usavam o de 1,35 litro. O conteúdo de série do Fit DX inclui ar-condicionado, direção assistida com volante regulável em altura, controles elétricos de vidros e travas, bolsas infláveis apenas frontais, freios antitravamento (ABS), cintos de segurança de três pontos para todos os ocupantes, pontos de ancoragem para assentos infantis compatíveis com os padrões Isofix e Latch, comandos internos para tampa traseira e do tanque e travamento de portas a distância. As rodas são de 15 pol em aço com pneus 185/60.

 

O Fit está maior por fora e ganhou 8 cm no
espaço entre os bancos dianteiros e traseiros,
mas a capacidade de bagagem diminuiu

 

O LX acrescenta rodas de alumínio, alarme, retrovisores com controle elétrico, banco traseiro bipartido e reclinável, função um-toque para o controle elétrico do vidro do motorista e rádio com entrada USB e interface Bluetooth para celular. No EX vêm ainda sistema de áudio com toca-CDs, tela de 5 pol e comandos no volante (que também controlam o telefone), câmera traseira para manobras, rodas de alumínio de 16 pol com pneus 185/55, faróis de neblina, ajuste do volante em distância e chave em formato canivete. Por fim, o Fit EXL adiciona ao EX bolsas infláveis laterais dianteiras, bancos e volante revestidos em couro, controlador de velocidade, computador de bordo com indicação de direção econômica, retrovisores com luzes de direção e faixa degradê no para-brisa.

Acessórios oferecidos nas concessionarias incluem faróis de neblina, sensores de estacionamento, friso de portas, defletor traseiro, grades diferenciadas, rodas de alumínio para o DX, protetores de para-choque, sobretapetes, protetor de soleira com iluminação, pedais esportivos, apoio de braço central, rádio e cadeiras infantis.

 

Honda Fit LX

 

Honda Fit LX
Honda Fit LX
 
A versão LX deve ter maior participação nas vendas, prevê a Honda; agora todas
usam motor de 1,5 litro e há opção de câmbio CVT, de série nas duas superiores

 

O novo estilo, apesar de preservar a identidade do modelo, distingue-se facilmente da geração anterior pelos vincos marcantes, com destaque para o que “nasce” nos para-lamas dianteiros e se abre para compor as lanternas traseiras (que contam com um aplique refletivo junto ao vidro) e o para-choque, este com simulações de saídas de ar. A grade dianteira adota o novo padrão visual da marca no elemento cromado superior. As rodas de 16 pol são as mesmas para EX e EXL. Nos faróis foi mantido o refletor único e as luzes de direção vêm em posição infeliz, junto à grade — não são vistas pelas laterais, onde só o EXL tem repetidores. De acordo com a fábrica, que não informa o Cx, houve melhora de 13% na eficiência aerodinâmica.

 

 

O Fit está maior: a distância entre eixos aumentou de 2,50 para 2,53 metros e o comprimento ganhou 10 cm, embora largura e altura se mantenham. A Honda informa ganho de 8 cm no espaço entre os bancos dianteiros e traseiros, mas a capacidade de bagagem diminuiu de 384 para 363 litros, apesar da adoção de estepe temporário, mais estreito que o anterior. O tanque de combustível, que permanece em posição central abaixo dos bancos da frente, está mais largo e baixo e continua pequeno: 46 litros.

O acabamento interno mantém o conhecido padrão: simples, com plásticos rígidos, mas de boa qualidade na montagem. O aspecto é bastante espartano nas duas versões inferiores, com todo o interior em tom escuro e tecido algo áspero no revestimentos dos bancos — o que vale também para o EX. Contudo, neste e no EXL surgem um aplique em preto brilhante no painel e outro em prata no volante, além de forração em couro para a versão superior.

 

Honda Fit EXL

 

Honda Fit EXL
Honda Fit EXL
Honda Fit EXL

 

Honda Fit EXL
Honda Fit EXL
Honda Fit EXL
 
Apliques em prata e preto brilhante e painel diferenciado valorizam o interior do
Fit EXL, que traz bancos de couro; câmera traseira tem três posições de imagem e há
comandos de telefone no volante; banco traseiro mantém diversas configurações

 

O quadro de instrumentos do EXL é também exclusivo, com mostrador digital maior, iluminação em azul em vez de âmbar e barras que indicam a direção econômica (os demais usam a inscrição Eco  para o mesmo fim). Boa solução é o porta-copos no lado esquerdo do painel, agora com regulagem; ambos os para-sóis têm espelhos e os retrovisores são convexos. A câmera traseira permite escolha entre três ângulos, do mais aberto ao que focaliza eventual objeto atrás do carro, mas não há indicação sonora de proximidade, presente no anterior. Outros itens que se perderam foi o controle automático de ar-condicionado (EX e EXL), agora sempre manual, e a faixa degradê no para-brisa em três das versões.

Um dos destaques do Fit é a modularidade do banco traseiro, que pode ter o assento rebatido para junto do encosto a fim de se transportar um objeto mais alto na cabine. Aqui, a novidade é a posição Refresh para reclinação completa dos bancos dianteiros até formar uma cama com o traseiro — de utilidade discutível, dada a forma irregular dos encostos. Com o rebatimento do banco o espaço de carga chega a 906 litros.

 

Em vez de cinco marchas, CVT

O terceiro Fit baseia-se em uma plataforma reformulada, com maior uso de aços de alta resistência para absorver impactos em colisões, subchassi dianteiro mais robusto e peso reduzido, no carro todo, entre 50 e 60 kg. As suspensões mantêm os esquemas conhecidos — McPherson à frente, eixo de torção atrás —, mas foram recalibradas e os amortecedores receberam batente hidráulico para suavizar os impactos de fim de curso.

Próxima parte