Rápido, VW Polo GTS combina esportividade e conforto

Com motor e transmissão cedidos por modelos maiores da marca, como o Jetta, o Polo GTS vai de 0 a 100 km/h em 8,2 segundos, ótima marca para a categoria

 

Motor e desempenho
O GTS é o primeiro Polo a usar o motor turbo de 1,4 litro com injeção direta, que traz ganho expressivo de potência e torque sobre o de 1,0 litro: passa de 116/128 cv (gasolina/álcool) e 20,4 m.kgf para 150 cv e 25,5 m.kgf. Com um peso moderado de 1.214 kg, o resultado é uma agilidade empolgante, com respostas prontas e consistentes em qualquer condição. O retardo de ação do turbo raramente se nota e sua operação é suave.

Com aceleração de 0 a 100 km/h em 8,2 segundos, medida em nossa pista, o Polo fica bem à frente dos 9,7 s do Sandero RS e dos 10,4 s do Polo Highline, embora este pudesse ganhar algum tempo se abastecido com álcool (testamos o Argo HGT apenas com caixa manual, não mais disponível, mas o Precision de mesmo motor com caixa automática precisou de longos 11,7 s). Se não cabe comparar retomadas com o Sandero, que usa caixa manual, o tempo de 7,6 s de 60 a 120 km/h também supera por boa margem o do Highline (10,3 s).

O que o motor pouco produz é ruído — nesse ponto, em nada lembra o chamativo antepassado Gol GTS. Quem quiser uma leve “trilha sonora” pode selecionar o modo de condução Sport (ou configurar o Individual para isso), o que ativa um atuador sonoro dentro do painel. Assim o Polo emite no interior um “ronco” sutil, que lembra a aspiração de um filtro de ar mais livre, sem incomodar. A nosso ver, diante do custo inviável de um escapamento com válvula de controle (como o do Ford Mustang, por exemplo), é uma boa solução para quebrar o tédio auditivo sem aumentar o ruído externo ou trazer desconforto quando se prefere o silêncio.

 

Faróis de leds são exclusivos; motor de 150 cv faz pouco ruído pelo escapamento, mas há atuador sonoro na cabine; caixa opera bem e permite trocas junto ao volante

 

A conhecida transmissão automática de seis marchas, se pode desagradar aos que gostariam da manual, cumpre bem seu papel com mudanças suaves ou rápidas (conforme o modo de condução), opção de programa esportivo e seleção manual pela alavanca ou via comandos junto ao volante. O modo manual, como padrão na Volkswagen, mantém as trocas automáticas para cima no limite de giros e só efetua redução se o acelerador for levado ao fim de curso, com batente bem definido — um bom arranjo a nosso ver.

 

 

Consumo
Se alguma perda em economia de combustível seria inerente à maior cilindrada do GTS, as marcas obtidas pelo Best Cars ainda são muito boas, com mais de 13 km/l de gasolina nos trajetos mais favoráveis. Em rodovia ele fez 13,5 km/l ante 14,7 km/l do Polo Highline, uma piora bem aceitável. Ainda foi mais econômico que, por exemplo, o Fiat Argo Precision 1,75 e o Peugeot 208 1,6, todos com caixa automática.

Comportamento dinâmico
Embora mantenha a medida de pneus (Pirelli Cinturato P7 no carro testado) e a altura de rodagem, o Polo GTS foi extensamente revisto em suspensão, com estabilizador dianteiro e eixo traseiro mais resistentes à torção e recalibração de molas e amortecedores, assim como a curva de assistência elétrica da direção e a atuação do controle eletrônico de estabilidade e tração. Permanece o controle de diferencial XDS+, que ajuda a manter a tração da roda interna à curva.

 

Se menor altura de rodagem deixaria o aspecto mais esportivo, em acerto de suspensão a Volkswagen foi primorosa: grande estabilidade com rodar confortável

 

Como ficou seu comportamento? Dentro da proposta de “esportivo confortável”, não poderia ser melhor. Há muita aderência para curvas rápidas e apenas no limite se nota leve subesterço — por outro lado, poderia ser mais fácil provocar a traseira ao cortar o acelerador, manobra que seria conveniente em inserções em curva. Firme na medida certa, a suspensão absorve bem os pequenos impactos (melhor que vários carros não esportivos da categoria) e não faz o carro copiar as oscilações do asfalto em rodovia. Um grande trabalho de Engenharia.

 

O resultado é agilidade empolgante, com respostas prontas e consistentes em qualquer condição; de 0 a 100 km/h em 8,2 segundos, o Polo fica bem à frente do Sandero RS

 

É certo que menor altura de rodagem o deixaria mais bonito e talvez melhorasse ainda mais a estabilidade, mas ao manter o padrão da linha a Volkswagen evitou inconvenientes em valetas e lombadas: o GTS passa quase tão bem por elas quanto qualquer Polo. Peso e sensibilidade da direção estão corretos, embora ela se torne um tanto pesada em modo Sport — donos de Gol GTS sem assistência gostarão… Os freios a disco nas quatro rodas foram bem dimensionados.

Segurança passiva
A Volkswagen poderia melhorar em proteção dos ocupantes: o Polo GTS tem bolsas infláveis laterais dianteiras, mas não as de cortina, hoje de série em carros mais baratos como o Chevrolet Onix em toda a linha. Como hoje é lei, o banco traseiro tem encostos de cabeça e cintos de três pontos para três pessoas, além de fixação Isofix para cadeira infantil.

 

Foram 26 anos sem a sigla GTS em um modelo nacional da marca, mas a combinação de desempenho, praticidade e conforto do novo Polo tem tudo para fazer adeptos

 

Custo-benefício
Chegamos ao ponto mais controverso. O preço de R$ 101.870 como avaliado, com o sistema de áudio opcional, é bastante alto para um Polo, por mais rápido e bem-equipado que seja o GTS. Como fica a competição?

 

 

O Argo HGT automático parte de apenas R$ 70 mil, mas passa a R$ 78.540 com os pacotes de opcionais que o deixam mais próximo do GTS em conteúdo. Se os 23% a menos no preço soam convidativos, o tempo 43% maior para o 0-100 km/h parece uma eternidade… De fato, em desempenho o Fiat está longe de ser um esportivo. Resta o Sandero RS por R$ 69.690: muito mais barato, mas sem vários dos equipamentos do Polo, um carro de construção bem mais simples e antiga (da plataforma ao motor com duas décadas de mercado) e cuja caixa manual, ainda que preferida pelos adeptos da direção esportiva, não pode valer o mesmo que uma automática.

Apesar de caro, em um mercado que ficou tão escasso em hatches “quentes”, o Polo GTS mostra-se uma válida opção para quem busca esportividade e conforto em uma pequena embalagem.

Mais Avaliações

 

Nossas notas

Estilo4
Acabamento e conveniência4
Posto do motorista5
Espaço interno4
Porta-malas3
Motor e desempenho5
Consumo4
Comportamento dinâmico5
Segurança passiva4
Custo-benefício3
Média4,1
As notas vão de 1 a 5, sendo 5 a melhor; conheça nossa metodologia

 

Desempenho e consumo

Aceleração
0 a 100 km/h8,2 s
0 a 120 km/h11,0 s
0 a 400 m15,8 s
Retomada
60 a 100 km/h*4,7 s
60 a 120 km/h*7,6 s
80 a 120 km/h*6,3 s
Consumo
Trajeto leve em cidade13,2 km/l
Trajeto exigente em cidade7,3 km/l
Trajeto em rodovia13,5 km/l
Testes com gasolina; *com reduções automáticas; conheça nossos métodos de medição

 

Ficha técnica

Motor
Posiçãotransversal
Cilindros4 em linha
Comando de válvulasduplo no cabeçote
Válvulas por cilindro4, variação de tempo
Diâmetro e curso74,5 x 80 mm
Cilindrada1.395 cm³
Taxa de compressão10:1
Alimentaçãoinjeção direta, turbocompressor, resfriador de ar
Potência máxima (gas./álc.)150 cv de 4.500 a 6.000 rpm
Torque máximo (gas./álc.)25,5 m.kgf de 1.500 a 4.000 rpm
Transmissão
Tipo de caixa e marchasautomática, 6
Traçãodianteira
Freios
Dianteirosa disco ventilado
Traseirosa disco
Antitravamento (ABS)sim
Direção
Sistemapinhão e cremalheira
Assistênciaelétrica
Suspensão
Dianteiraindependente, McPherson, mola helicoidal
Traseiraeixo de torção, mola helicoidal
Rodas
Dimensões6,5 x 17 pol
Pneus205/50 R 17
Dimensões
Comprimento4,057 m
Largura1,751 m
Altura1,468 m
Entre-eixos2,565 m
Capacidades e peso
Tanque de combustível52 l
Compartimento de bagagem300 l
Peso em ordem de marcha1.214 kg
Desempenho (gas./álc.)
Velocidade máxima207 km/h
Aceleração de 0 a 100 km/h8,4 s
Consumo em cidade11,0/7,5 km/l
Consumo em rodovia13,7/9,6 km/l
Dados do fabricante; consumo conforme padrões do Inmetro