Tempero alemão é destaque do novo Volkswagen Jetta

Teto e retrovisores em preto, outras rodas (de mesmas medidas) e logotipos distinguem o Jetta R-Line, que custa R$ 10 mil a mais e tem conteúdos adicionais

 

Na comparação aos dois principais concorrentes, o Jetta (4,77 metros) está mais longo que o Honda Civic (4,64 m) e o Toyota Corolla (4,67 m), tão largo quanto o Civic (1,80 m ante 1,78 m de Corolla) e com altura intermediária (1,46 m contra 1,43 m do Honda e 1,48 m do Toyota). Perde por 1 cm para ambos no entre-eixos de 2,69 m. A traseira mais longa permitiu manter o espaço do porta-malas em 510 litros, também entre o Civic (525 l) e o Corolla (470 l).

 

 

Sem 2,0-litros, sem multibraço

Por enquanto não existe versão de 2,0 litros do novo Jetta, nem mesmo nos Estados Unidos, de modo que por algum tempo ficará sem sucessor a antiga versão Highline de 211 cv (a nova deve chegar a 220 cv com o motor que temos no Golf GTI e no Tiguan R-Line). Para o Brasil optou-se pela versão flexível da unidade EA-211 de 1,4 litro com turbo e injeção direta, manufaturada em São Carlos, interior de São Paulo.

A calibração do gerenciamento eletrônico permite obter potência igual (150 cv a 5.000 rpm) com gasolina ou álcool. O mesmo vale para o torque de 25,5 m.kgf entre 1.400 e 3.500 rpm. Interessante lembrar que a versão enviada do México para o Brasil também é exportada para o Paraguai, onde o álcool está disponível em diversos postos. A fábrica anuncia aceleração de 0 a 100 km/h em 8,9 segundos e velocidade máxima de 210 km/h com qualquer combustível.

 

Iluminação interna do R-Line admite várias cores; quadro configurável pode destacar navegador e exibir diversos mostradores em modos diferentes

 

Se os norte-americanos receberam nova transmissão automática de oito marchas, para nosso mercado permanece a tradicional caixa Aisin AQ-250 com conversor de torque e seis marchas — além do fator custo, pode ter contado a questão de assistência técnica. A alavanca pode ser usada para trocas manuais, subindo marchas para frente, mas já não existe a opção de comandos junto ao volante.

 

Nesse concorrente de Civic e Corolla, a sensação de carro europeu é reforçada pelo painel sofisticado e o desempenho suave e consistente do motor turbo

 

O Jetta é um dos últimos Volkswagens de médio porte a adotar a plataforma MQB, usada desde 2012 no Golf e no Audi A3. No sedã, porém, não se constata a redução de peso ocorrida em outros modelos do grupo: com 1.331 kg, o Comfortline ganhou 33 kg sobre a mesma versão anterior, o que resulta na ainda boa relação peso-potência de 8,9 kg/cv. Isso explica a perda de 0,3 segundo no tempo de 0 a 100 km/h.

Na suspensão, um retrocesso: se a dianteira mantém a tradicional solução McPherson, a traseira volta a usar eixo de torção, como entre 2011 e 2014. Nos últimos anos todo Jetta vinha com sistema independente multibraço, que de início equipava apenas a versão Highline TSI de 2,0 litros. As rodas de 17 pol calçam pneus Bridgestone Ecopia na medida 205/55, com estepe de emergência. Os freios usam discos nas quatro rodas com sistema de secagem: em piso molhado, as pastilhas fazem leve pressão periódica para drenar a água da superfície.

 

Rodar tipicamente alemão, motor de 150 cv com alto torque e bom acabamento são destaques; há quatro modos de condução a escolher

 

Ao comando da versão R-Line desse concorrente de Civic e Corolla, a sensação de carro europeu é reforçada tanto pelo painel moderno e sofisticado quanto pelo desempenho suave e consistente. Andar com o novo Jetta é prazeroso e, para os adeptos dos rivais, chama atenção pelo progresso obtido com o encolhimento dos motores modernos — o Civic oferece um turbo de 1,5 litro, mas apenas na mais cara versão Touring.

 

 

Com apenas 1,4 litro, a potência específica do Volkswagen supera os 100 cv/litro. No entanto, mais que pelos 150 cv, que estão na mesma faixa dos adversários citados, o Jetta cativa pelo farto torque em baixas e médias rotações. Isso se traduz em desenvoltura na cidade, em subidas de rodovia e em ultrapassagens, como constatamos em cerca de 120 km de avaliação entre São Paulo e Jundiaí, no interior do estado. O rodar firme, mas com adequado conforto, é tipicamente alemão como os bancos que suportam bem o corpo. O consumo pelas normas do Inmetro garante classificação B na tabela do instituto.

Se o pacote ainda não convenceu, a Volkswagen tem outro argumento: revisões gratuitas nos primeiros três anos ou 30 mil km e valor fixo de R$ 2.204 para o conjunto de revisões de 40, 50 e 60 mil km. Na comparação direta com Civic EXL (R$ 107.900 e Corolla XEi (R$ 106 mil), ambos com motor aspirado de 2,0 litros, ele perde no preço de aquisição, oferece bons índices de consumo e ganha em equipamentos de série, desempenho e esportividade — aspecto que deverá ser seu grande chamariz contra os dois maiores adversários.

Mais Avaliações

 

Ficha técnica

Motor
Posiçãotransversal
Cilindros4 em linha
Comando de válvulasduplo no cabeçote
Válvulas por cilindro4, variação de tempo
Diâmetro e curso74,5 x 80 mm
Cilindrada1.395 cm³
Taxa de compressão10:1
Alimentaçãoinjeção direta, turbocompressor, resfriador de ar
Potência máxima (gas./álc.)150 cv a 5.000 rpm
Torque máximo (gas./álc.)25,5 m.kgf de 1.400 a 3.500 rpm
Transmissão
Tipo de caixa e marchasautomática, 6
Traçãodianteira
Freios
Dianteirosa disco ventilado
Traseirosa disco
Antitravamento (ABS)sim
Direção
Sistemapinhão e cremalheira
Assistênciaelétrica
Suspensão
Dianteiraindependente, McPherson, mola helicoidal
Traseiraeixo de torção, mola helicoidal
Rodas
Dimensões7 x 17 pol
Pneus205/55 R 17
Dimensões
Comprimento4,702 m
Largura1,799 m
Altura1,474 m
Entre-eixos2,688 m
Capacidades e peso
Tanque de combustível50 l
Compartimento de bagagem510 l
Peso em ordem de marcha1.331 kg
Desempenho e consumo (gas./álc.)
Velocidade máxima210 km/h
Aceleração de 0 a 100 km/h8,9 s
Consumo em cidade10,9/7,4 km/l
Consumo em rodovia14,0/9,6 km/l
Dados do fabricante; consumo conforme padrões do Inmetro