Ford Ecosport Storm é melhor no asfalto que na lama

Tração integral deixa nova versão muito estável; com bom conteúdo, tem pneus inadequados ao fora de estrada

Texto e fotos: Fabrício Samahá

 

Depois de um breve intervalo, o Ford Ecosport volta a oferecer tração integral — e com boas novidades. A versão Storm, agora a única com esse recurso, vem com transmissão automática de seis marchas, visual diferenciado e o mesmo motor da Titanium, o de 2,0 litros com injeção direta e até 176 cv. O Best Cars deu ao Storm 10 chances de merecer sua garagem. Vamos ver como ele se saiu.

Estilo
Apesar dos cinco anos de mercado, o Ecosport ainda tem um desenho atual. E ficou mais atraente com a frente remodelada, que não destoa do conjunto, e os adereços dessa versão: grade inspirada na da F-150 Raptor, molduras nos para-lamas, rodas de 17 polegadas em tom grafite, entre outros. 1 ponto

 

 

Acabamento e conveniência
O interior do Ecosport melhorou bastante para 2018. Tem aspecto mais refinado, embora a maioria dos plásticos ainda seja rígida, e um ótimo sistema Sync 3 com tela de 8 pol para áudio e navegação, compatível com Android Auto e Apple Car Play. Os bancos recebem couro e o Storm vem com várias conveniências, como ar-condicionado, chave programável com restrições de uso, faróis e limpador de para-brisa automáticos, controle elétrico de vidros um-toque com comando a distância para abrir e fechar, retrovisor interno fotocrômico e teto solar com controle elétrico. Um bom conjunto. 1 ponto

 

A tração integral envia torque à traseira quando se acelera mais, mesmo no asfalto: isso favorece a atitude em curvas, que é um destaque do Storm

 

Posto do motorista
Com os novos bancos, o conforto de quem dirige ficou adequado. No quadro de instrumentos, amplo e bem legível, o mostrador digital inclui computador de bordo completo e pressão dos pneus. Algo que não mudou é a visibilidade, bem limitada em ângulos dianteiros, pelas colunas muito largas, e para trás. Por outro lado, os faróis de xenônio no facho baixo são eficientes e há unidades de neblina, assim como repetidores laterais das luzes de direção. 0,5 ponto

Espaço
A Ford deveria ter feito o Ecosport maior quando desenhou esta geração. Hoje ele é um dos menores da categoria por dentro, um tanto restrito em largura e no espaço para pernas no banco traseiro. 0,5 ponto

 

Agora o único Ecosport com tração integral, Storm recebe grade inspirada na da F-150 Raptor, faixas pretas, rodas escuras de 17 pol e capa de estepe

 

Porta-malas
A capacidade de bagagem de 362 litros é a mesma do Eco de tração dianteira: adequada, mas não das maiores da classe. O estepe externo facilita o uso, embora muitos não gostem. Incômoda é a tampa traseira aberta para o lado: requer muito espaço, é pesada, não protege o usuário da chuva quando aberta e pode bater no carro de trás ao se abrir, por não parar pela metade. 0,5 ponto

 

 

Desempenho
Revisto com injeção direta, o motor de 2,0 litros passou de 147 para 176 cv com álcool e obteve um ótimo torque. Associado a uma boa caixa automática, ele leva o Storm de 0 a 100 km/h em 11,7 segundos com gasolina, pouco mais lento que o Titanium, que tem tração simples. O nível de ruído e vibrações do motor é moderado e há boa resposta em baixa rotação. Mudanças manuais podem ser feitas com comandos no volante, mas a Ford deveria rever a força de tração excessiva da caixa em marcha-lenta, como em paradas do trânsito. 1 ponto

Consumo
Motor potente, tração integral e a aerodinâmica de SUV fazem do Storm um carro pouco econômico. As marcas nos dois trajetos mais favoráveis ficaram pouco acima de 10 km/l de gasolina. Está próximo ao Renault Captur de 2,0 litros, mas bem atrás de Chevrolet Tracker, Honda HR-V e Nissan Kicks, todos com tração simples. 0,5 ponto

 

Interior melhorou em acabamento, bancos e instrumentos e ganhou tela de 8 pol para áudio e navegação; posição de dirigir é boa, mas com pouco espaço no banco traseiro; chave presencial e monitor de pneus vêm de série

 

Comportamento dinâmico
A tração integral opera sob demanda: reparte o torque entre frente e traseira conforme as condições de uso. Não existe seletor para o motorista. Pelo mostrador no painel, nota-se que a traseira recebe torque quando se acelera mais, mesmo no asfalto e sem perda de aderência. Isso favorece a atitude em curvas, que é um destaque do Storm: com pneus que aderem muito e bom acerto da suspensão traseira multibraço, parece mais um esportivo que um SUV. Só a frente poderia ter mais controle pelos amortecedores.

Em pisos irregulares o rodar é macio e sua absorção de lombadas merece elogios, mas discordamos da escolha dos pneus: o perfil baixo transmite mais os impactos, além de deixar as rodas mais vulneráveis a danos, e o rodar é ruidoso. Além disso, o desenho para asfalto não serve para lama: ele não atola, mas sai de lado facilmente. Ficaria melhor com os 16 de uso misto do Freestyle. Também gostaríamos de freios traseiros a disco. Já a direção está muito bem calibrada e há controle eletrônico de estabilidade e tração. 1 ponto

 

Desempenho do Storm satisfaz, caixa automática opera bem e tração integral contribui para a ótima estabilidade; escolha dos pneus inadequada ao fora de estrada

 

Segurança passiva
As versões de 2,0 litros do Ecosport mantêm o ótimo conteúdo de segurança passiva: bolsas infláveis frontais, laterais dianteiras, de joelhos do motorista e de cortina, fixações Isofix para cadeira infantil, cintos de três pontos e encostos de cabeça para cinco ocupantes. 1 ponto

Custo-benefício
O Storm tem preço de lançamento de R$ 100 mil, ou R$ 3 mil acima do Titanium de tração dianteira e conteúdo similar. A diferença é atraente para quem se interessa pela tração integral. No segmento, as alternativas são o Renault Duster e o Jeep Renegade. O primeiro é mais barato (R$ 89.800) e espaçoso, mas perde bastante em conteúdo e só vem com caixa manual. O segundo, com motor a diesel e caixa automática, sai mais caro mesmo na versão Custom (R$ 107.290), que traz bem menos equipamentos que o Ford. Assim, apesar das limitações do conjunto, o custo-benefício do Storm nos parece muito bom entre os 4×4. 1 ponto

 

caixa-8-pontos

 

Equipamentos e preço

• Ecosport Storm (R$ 100 mil) – Alarme volumétrico, ar-condicionado automático, assistente de partida em rampa, bancos revestidos em couro, bolsas infláveis frontais, laterais dianteiras, de cortina e de joelhos do motorista; câmera traseira de manobras, chave presencial para acesso e partida, cintos de três pontos para cinco ocupantes, computador de bordo,  controlador  e  limitador de velocidade, controle elétrico de vidros com função um-toque e abertura/fechamento a distância, controle eletrônico de estabilidade e tração, faróis de neblina, faróis de xenônio com leds para luz diurna, faróis e limpador de para-brisa automáticos, fixação Isofix para cadeira infantil, monitor de pressão dos pneus, navegador, porta-luvas refrigerado, retrovisor interno  fotocrômico, rodas de alumínio de 17 pol, sensor de estacionamento traseiro, sistema de áudio Sync 3 com integração a telefone e tela de 8 pol, teto solar com controle elétrico, volante com ajuste de altura e distância.

• Garantia: três anos sem limite de quilometragem.

 

Desempenho e consumo

Aceleração
0 a 100 km/h 11,7 s
0 a 120 km/h 16,8 s
0 a 400 m 18,1 s
Retomada
60 a 100 km/h* 7,0 s
60 a 120 km/h* 12,1 s
80 a 120 km/h* 8,6 s
Consumo
Trajeto leve em cidade 10,4 km/l
Trajeto exigente em cidade 5,1 km/l
Trajeto em rodovia 10,1 km/l
Testes com gasolina; *com reduções automáticas; conheça nossos métodos de medição

 

Ficha técnica

Motor
Posição transversal
Cilindros 4 em linha
Comando de válvulas duplo no cabeçote
Válvulas por cilindro 4, variação de tempo
Diâmetro e curso 87,5 x 83,1 mm
Cilindrada 1.999 cm³
Taxa de compressão 12:1
Alimentação injeção direta
Potência máxima (gas./álc.) 170/176 cv a 6.500 rpm
Torque máximo (gas./álc.) 20,6/22,5 m.kgf a 4.500 rpm
Transmissão
Tipo de caixa e marchas automática, 6
Tração integral sob demanda
Freios
Dianteiros a disco ventilado
Traseiros a tambor
Antitravamento (ABS) sim
Direção
Sistema pinhão e cremalheira
Assistência elétrica
Suspensão
Dianteira independente, McPherson, mola helicoidal
Traseira independente, multibraço, mola helicoidal
Rodas
Dimensões 7 x 17 pol
Pneus 205/50 R 17
Dimensões
Comprimento 4,269 m
Largura 1,765 m
Altura 1,693 m
Entre-eixos 2,521 m
Capacidades e peso
Tanque de combustível 52 l
Compartimento de bagagem 356 l
Peso em ordem de marcha 1.469 kg
Desempenho e consumo (gas./álc.)
Velocidade máxima 180 km/h
Aceleração de 0 a 100 km/h ND/10,7 s
Consumo em cidade 8,5/6,0 km/l
Consumo em rodovia 11,4/8,0 km/l
Dados do fabricante; consumo conforme padrões do Inmetro; ND = não disponível