Ford Ecosport 2016 deixa automatizado mais em conta

Ford Ecosport Freestyle 2016

 

Câmbio de dupla embreagem agora estende-se ao utilitário de 1,6 litro, que ganhou evolução para chegar a 131 cv

Avaliação: Edison Ragassi – Texto: E. Ragassi e Fabrício Samahá – Fotos: divulgação

 

Quando a Ford lançou a segunda geração do Ecosport, em 2012, optou por oferecer o inédito câmbio automatizado de dupla embreagem Powershift apenas com o motor de 2,0 litros (com potência de 141 cv com gasolina e 147 com álcool), mantendo a versão de 1,6 litro (110/115 cv, na mesma ordem) só com caixa manual. A decisão fazia sentido, pois em geral quem buscava o conforto das mudanças de marcha automáticas estava disposto a pagar mais também por um carro de desempenho superior.

Neste ano, porém, a marca viu a concorrência oferecer utilitários esporte compactos com câmbio automático e motores menos potentes, como o Jeep Renegade de 1,75 litro (130/132 cv) e o Peugeot 2008 1,6 (115/122 cv). É fato que cada vez mais compradores estão aderindo a essa comodidade, sobretudo nos grandes centros, mesmo os que não fazem questão de motores mais vigorosos. Assim, a Ford correu à prateleira de peças e montou o Ecosport 1,6 com “transmissão sequencial”.

Sequencial? Isso mesmo: é como a fábrica do oval passa a chamar, ao menos nesse modelo, o conhecido câmbio Powershift. Ela não admite, mas a mudança certamente tenta deixar para trás a má fama conquistada pela caixa com problemas de trepidação, alvos de numerosas reclamações no Canal Direto do Best Cars. Na linha 2016 os módulos de controle eletrônico foram aprimorados para sanar a falha, afirma a Ford, que estendeu para cinco anos a garantia do câmbio dos carros já vendidos.

 

Ford Ecosport Freestyle 2016
Ford Ecosport Freestyle 2016

 
Powershift, não mais: no EcoSport 2016 a Ford chama de sequencial o conhecido câmbio de seis marchas

 

O Ecosport Pow… ops, sequencial oferece quatro opções: SE Direct (R$ 68.890), vendida apenas sob encomenda, que vem de série com ar-condicionado, assistente de partida em rampa, computador de bordo, controlador de velocidade, controle elétrico de vidros dianteiros, controle eletrônico de estabilidade e tração, faróis de neblina, fixação Isofix para cadeiras infantis e sistema multimídia Sync com comando de voz (as rodas são de aço de 15 pol); SE (R$ 71.900), que adiciona rodas de alumínio de 15 pol; Freestyle (R$ 76.900), que vem com alarme volumétrico, controle elétrico de vidros traseiros com abertura/fechamento a distância, rodas de alumínio de 16 pol e sensores de estacionamento atrás; e Freestyle Plus (R$ 80.300), que acrescenta bancos revestidos de couro e bolsas infláveis laterais. Em todos eles o sistema Sync ganha as funções de assistência de emergência e Applink, que aciona determinados aplicativos do celular.

 

O Ecosport revelou respostas mais convincentes do que se espera de um utilitário esporte de 1,6 litro — o peso moderado, 1.274 kg, contribui

 

Com esse acréscimo a linha Ecosport passa a contar com oito versões. As outras são SE (R$ 65.900) e Freestyle (R$ 71.900) com motor 1,6 e câmbio manual, Titanium (R$ 85.900) com motor de 2,0 litros e câmbio automatizado e Freestyle 4WD (R$ 82.500) com motor 2,0, câmbio manual e tração nas quatro rodas. Deixa de existir o Freestyle 2,0 automatizado, antes o mais acessível com esse câmbio. As novidades dão à Ford oponentes diretos aos 2008 Allure (R$ 70.890) e Griffe (R$ 75 mil) 1,6 automáticos e ao Renegade Sport 1,75 automático (R$ 76.900).

O câmbio não é a única novidade no Ecosport 1,6 automatizado: ele adota a versão evoluída do motor Sigma que surgiu em 2013 no Fiesta e no Focus, com variação do tempo de abertura das válvulas de admissão e escapamento, taxa de compressão mais alta (12:1 em vez de 11:1) e preaquecimento de álcool para partida a frio, ao lado de medidas para redução de atritos. As alterações elevaram a potência de 110 cv a 6.500 rpm (gasolina) e 115 cv a 5.500 rpm (álcool) para 126/131 cv a 6.500 rpm, mas tiveram efeitos diversos sobre o torque máximo: com álcool subiu de 15,9 m.kgf a 4.750 rpm para 16,1 m.kgf a 5.000 rpm; com gasolina desceu de 15,7 m.kgf para 15,4 m.kgf (ambos a 4.250 rpm). Curiosamente, com câmbio manual permanecem o motor original e o tanque auxiliar de gasolina para partida.

 

Ford Ecosport Freestyle 2016
Ford EcoSport Powershift

 
Quatro versões (nas fotos a Freestyle) oferecem o câmbio, que admite operação manual por botão

 

Embora a comparação ideal fosse de carros com o mesmo tipo de câmbio, o automatizado de 131 cv mostra melhor desempenho, com aceleração de 0 a 100 km/h em 11,8 segundos (álcool) ante 12,4 s do manual de 115 cv, e consumo muito semelhante: pelos padrões do Inmetro, faz 10,2/7,2 km/l em ciclo urbano e 12,1/8,3 km/l no rodoviário, contra 10,2/7,0 km/l e 12,2/8,4 km/l do manual menos potente, sempre na ordem gasolina/álcool.

 

 

Ao volante

A avaliação da imprensa foi feita na região de Bento Gonçalves, RS, em trecho aproximado de 35 quilômetros. O Ecosport revelou respostas mais convincentes do que se espera de um utilitário esporte de 1,6 litro — o peso moderado, 1.274 kg no caso do Freestyle, contribui. Ele desenvolve velocidade sem esforço e as trocas de marcha são suaves, lembrando um câmbio automático tradicional. Um trecho de subida requer mais empenho do pequeno motor: o câmbio estende cada marcha, chegando a 3.500 rpm ou até um pouco mais, mas o desempenho não decepciona, nem o nível de ruído e vibração chega a incomodar.

A operação do câmbio em nada difere do Powershift conhecido há três anos no Ecosport de 2,0 litros, com posições D (drive, uso normal) e S (sport, modo esportivo) e um botão na alavanca para mudanças manuais, sem comandos no volante para esse fim. Em operação manual as trocas para cima continuam a acontecer, mas só no limite de rotações. As reduções são automáticas conforme o acionamento do acelerador: uma pisada rápida “chama” marchas mais baixas mesmo sem se atingir o fim de curso do pedal. Em sexta, 120 km/h produzem cerca de 3.300 rpm.

 

Ford Ecosport Freestyle 2016
Ford Ecosport Freestyle 2016

 
Embora as mudanças no motor não tenham beneficiado o torque, o Ecosport 1,6 mostra bom desempenho

 

As condições de dirigibilidade são boas, como nas versões já conhecidas. Sem qualquer alteração nas suspensões, o Ecosport mantém uma estabilidade que transmite segurança ao motorista, com movimentos bem controlados e assistência elétrica de direção bem ajustada. É um carro com posição de dirigir confortável, espaço adequado aos passageiros e compartimento de bagagem de 362 litros — menor que o de alguns concorrentes, maior que o de outros. A montagem externa do estepe pode estar fora de moda (na Europa há opção por eliminá-lo), mas tem sua vantagem no fácil acesso quando fura um pneu.

A Ford sabe que a vida do Ecosport não é mais tão fácil, hoje, quanto nos tempos em que o Renault Duster era o único adversário direto. Mesmo distante da liderança de vendas que ocupou por tanto tempo, ele preserva seu espaço e pode ganhar novos adeptos, ou mesmo recuperar alguns que o tenham deixado, com a nova oferta de câmbio com atuação automática em uma faixa mais acessível.

Mais Avaliações

 

Ficha técnica

 

Motor
Posiçãotransversal
Cilindros4 em linha
Comando de válvulasduplo no cabeçote
Válvulas por cilindro4, variação de tempo
Diâmetro e curso79 x 81,4 mm
Cilindrada1.596 cm³
Taxa de compressão12:1
Alimentaçãoinjeção multiponto sequencial
Potência máxima (gas./álc.)126/131 cv a 6.500 rpm
Torque máximo (gas./álc.)15,4 m.kgf a 4.250 rpm/16,1 m.kgf a 5.000 rpm
Transmissão
Tipo de câmbio e marchasautomatizado de dupla embreagem / 6
Traçãodianteira
Freios
Dianteirosa disco ventilado
Traseirosa tambor
Antitravamento (ABS)sim
Direção
Sistemapinhão e cremalheira
Assistênciaelétrica
Suspensão
Dianteiraindependente, McPherson, mola helicoidal
Traseiraeixo de torção, mola helicoidal
Rodas
Dimensões6 x 16 pol
Pneus205/60 R 16
Dimensões
Comprimento4,241 m
Largura1,765 m
Altura1,696 m
Entre-eixos2,521 m
Capacidades e peso
Tanque de combustível52 l
Compartimento de bagagem362 l
Peso em ordem de marcha1.274 kg
Desempenho e consumo
Velocidade máximaND
Aceleração de 0 a 100 km/h (álc.)11,8 s
Consumo em ciclo urbano (gas./álc.)10,2 / 7,2 km/l
Consumo em ciclo rodoviário (gas./álc.)12,1 / 8,3 km/l
Dados do fabricante para versão Freestyle; ND = não disponível