Forte em conforto, Fiat Toro Ranch falha em segurança

Motor turbodiesel de 170 cv mostra certa lentidão nas saídas, mas oferece bom desempenho (de 0 a 100 km/h em 10,9 segundos) com ruído e vibrações moderados

 

Motor e desempenho
O motor Fiat Multijet de 2,0 litros e 16 válvulas produz potência (170 cv) e torque (35,7 m.kgf) adequados à cilindrada e ao peso da Toro, que com 1,9 tonelada fica pouco abaixo das picapes tradicionais. Um ponto alto está na operação suave e silenciosa: notam-se vibração em marcha-lenta e ruído até cerca de 40 km/h, que mal se percebem em velocidade mais alta. Seu desempenho é muito bom para uma picape a diesel, com aceleração de 0 a 100 km/h em 10,9 segundos, melhor que a da Ranger de 200 cv. Contudo, a demora para o turbo “encher” traz sensação de lentidão nas saídas, acentuada pelo acelerador pesado.

 

 

Muito boa a atuação da transmissão automática de nove marchas, que permite mudanças manuais com comandos no volante. A tração integral sob demanda, mais comum em SUVs que em picapes, aciona as rodas traseiras quando detecta perda de aderência das dianteiras. O modo 4WD, selecionado em botão no console, fixa a divisão de torque em 50% por eixo e melhora o comportamento na lama. Pode também ser usado no asfalto ou em curvas, uma vantagem sobre o sistema 4×4 temporário da maioria das picapes. A função 4WD Low, não uma reduzida de fato, passa a usar a primeira marcha (que no uso normal fica de fora) e altera as mudanças para manter rotação mais alta. 1 ponto

 

Caixa de nove marchas opera bem e deixa primeira de fora, salvo pelo uso do modo 4WD Low; o outro comando (4WD) fixa a divisão de torque em 50% para cada eixo

 

Consumo
Porte e potência menores que os de outras picapes permitem à Toro ser mais econômica: fez 12,9 km/l no trajeto urbano leve e 13,3 km/l no rodoviário, condição esta em que Ranger e Toyota Hilux não chegaram a 10 km/l. São boas marcas para o tipo de veículo e, mesmo com um tanque mediano de 60 litros, permitem grande autonomia. 1 ponto

 

O brilhante acerto de suspensão da Toro sobressai: sem abrir mão da capacidade de 1.000 kg, conseguiu um conforto ao rodar muito superior ao de picapes tradicionais

 

Comportamento dinâmico
O brilhante acerto de suspensão da Toro sobressai entre as picapes de qualquer tamanho. Sem abrir mão da capacidade de 1.000 kg, a Fiat conseguiu um conforto ao rodar muito superior ao dos modelos tradicionais, com destaque para a absorção de impactos — ela lembra de certo modo uma grande Volkswagen Saveiro, pouco mais dura na traseira que um automóvel. Os pneus 225/60 da Ranch em rodas de 18 pol não afetam esse aspecto em relação aos de 17 pol. Sua estabilidade também surpreende, mérito da suspensão traseira multibraço, e há o importante controle eletrônico. A direção está bem acertada; embora eficazes, os freios poderiam ter comando mais leve. 1 ponto

 

Com suspensão traseira multibraço, a Toro associa boa estabilidade, aptidão para uma tonelada e um conforto ao rodar sem paralelo em picapes maiores

 

Segurança passiva
A mais cara das Toros deixa de fora as bolsas infláveis laterais dianteiras, de cortina e de joelhos do motorista que equipam a versão Volcano, restando as frontais — a Fiat atribui a definição ao perfil mais “bruto” da Ranch. Não fosse por essa falha inaceitável por seu preço, o conteúdo de proteção seria bom, com cintos de três pontos e encostos de cabeça para cinco pessoas e fixação Isofix para cadeira infantil. 0 ponto

 

 

Custo-benefício
A Toro Ranch é oferecida em pacote fechado pelo preço sugerido de R$ 163 mil — apenas pintura especial e acessórios podem ser adicionados. Como fica sua relação custo-benefício comparada a picapes maiores? A Chevrolet S10 turbodiesel (2,8 litros, 200 cv) automática mais próxima em preço é a LT de R$ 174.950, que deixa de fora muitos itens de conveniência. O conteúdo da Fiat se equipara mais ao da LTZ de R$ 191.890. Na linha Volkswagen Amarok, a Comfortline automática de R$ 174.790 vem com motor 2,0 turbodiesel de 180 cv e tração integral permanente, mas também lhe faltam algumas comodidades da Toro. Assim, embora menor que esses modelos, a Ranch oferece um bom conjunto por seu preço — só que deveria receber o jogo de bolsas infláveis da Volcano. 1 ponto

 

8,5 pontos

 

Mais Avaliações

 

Desempenho e consumo

Aceleração
0 a 100 km/h 10,9 s
0 a 120 km/h 15,6 s
0 a 400 m 17,5 s
Retomada
60 a 100 km/h* 6,9 s
60 a 120 km/h* 11,6 s
80 a 120 km/h* 8,1 s
Consumo
Trajeto leve em cidade 12,9 km/l
Trajeto exigente em cidade 6,6 km/l
Trajeto em rodovia 13,3 km/l
Com diesel; *reduções automáticas; conheça nossos métodos de medição

 

Ficha técnica

Motor
Posição transversal
Cilindros 4 em linha
Comando de válvulas duplo no cabeçote
Válvulas por cilindro 4
Diâmetro e curso 83 x 90,4 mm
Cilindrada 1.956 cm³
Taxa de compressão 16,5:1
Alimentação injeção direta, turbocompressor, resfriador de ar
Potência máxima 170 cv a 3.750 rpm
Torque máximo 35,7 m.kgf a 1.750 rpm
Transmissão
Tipo de caixa e marchas automática, 9
Tração integral
Freios
Dianteiros a disco ventilado
Traseiros a tambor
Antitravamento (ABS) sim
Direção
Sistema pinhão e cremalheira
Assistência elétrica
Suspensão
Dianteira independente, McPherson, mola helicoidal
Traseira independente, multibraço, mola helicoidal
Rodas
Dimensões 18 pol
Pneus 225/60 R 18
Dimensões
Comprimento 4,944 m
Largura 1,844 m
Altura 1,743 m
Entre-eixos 2,99 m
Capacidades e peso
Tanque de combustível 60 l
Caçamba 820 l
Capacidade de carga 1.000 kg
Peso em ordem de marcha 1.871 kg
Desempenho
Velocidade máxima 188 km/h
Aceleração de 0 a 100 km/h 10,0 s
Consumo em cidade 10,0 km/l
Consumo em rodovia 12,6 km/l
Dados do fabricante; consumo de diesel conforme padrões do Inmetro