Econômico, VW Fox Track decepciona em desempenho

Motor de três cilindros do Up renova um dos carros pequenos mais antigos do mercado, mas falta vivacidade

Texto e fotos: Fabrício Samahá

 

Existe data de validade para o projeto de um automóvel? A história diria que não, com exemplos de enorme longevidade de modelos como o Volkswagen, o Citroën 2CV e o Mini inglês, projetados nas décadas de 1930, 1940 e 1950 (na ordem) e cuja produção alcançou os anos 90 (nos casos de VW e Mini, até virou o século). Embora hoje os requisitos sejam mais severos, ainda é possível manter um carro no mercado por mais de 10 anos sem acarretar sua obsolescência.

É o caso do Fox, lançado em 2003 pela Volkswagen como alternativa entre o Gol da época (de segunda geração) e o Polo. Há anos o modelo posiciona-se entre os 10 ou mesmo cinco carros mais vendidos do Brasil, apesar de seu envelhecimento diante de concorrentes lançados na atual década como Chevrolet Onix, Ford Ka e Fiesta, Hyundai HB20 e Nissan March. A nosso ver, essa competitividade apoia-se em dois fatores: um bom projeto original e aprimoramentos que o mantiveram atual.

A mais recente novidade da linha Fox é a versão Track, lançada em outubro na linha 2016, que combina o motor de três cilindros e 1,0 litro (de início restrito à versão Blue Motion, mas hoje padrão no modelo nessa cilindrada) a um visual com alguma pretensão “aventureira”, sem chegar a ser um Crossfox.

 

Grade, molduras e defletor pretos, rodas de alumínio de 15 pol: detalhes do Track

 

O preço básico de R$ 46.950 inclui equipamentos de série como ar-condicionado, banco do motorista com ajuste de altura, controle elétrico de vidros dianteiros e travas, direção com assistência elétrica, faróis e luz traseira de neblina, para-sóis com espelhos iluminados, retrovisores externos com luzes de direção, rodas de alumínio de 15 polegadas, sistema de áudio com MP3 e entradas USB, SD e auxiliar e volante com ajuste de altura e distância. Bolsas infláveis são apenas as frontais.

 

O três-cilindros suave e silencioso permite explorar toda a faixa de rotações sem aparentar esforço, com agradável som de escapamento

 

O carro avaliado trazia os pacotes opcionais Conforto Completo II (ajuste elétrico dos retrovisores, alarme com comando remoto, luzes de leitura, sensores de estacionamento dianteiros e traseiros, entre outros), Funcional II (banco traseiro corrediço com três encostos de cabeça) e Tecnológico com sistema Discover Media (áudio com navegador, computador de bordo, retrovisor interno fotocrômico, faróis e limpador de para-brisa automáticos, volante de couro com comandos), este o superior entre os três aparelhos oferecidos. Com tudo isso, custava R$ 55.190 sem pinturas especiais. Muito para um carro de 1,0 litro? Sem dúvida, mas não seria diferente com os principais competidores quando equipados da mesma forma.

Embora não seja novidade na linha VW, pois já equipava o Up e o Fox Blue Motion (agora está também em Gol e Voyage), o motor EA-211 de quatro válvulas por cilindro trouxe ganhos importantes ao Fox. É um projeto bastante moderno (saiba mais sobre técnica) e com bons índices de potência e torque para sua cilindrada: 75 cv e 9,7 m.kgf com gasolina, 82 cv e 10,4 m.kgf com álcool. O antigo quatro-cilindros de duas válvulas por cilindro fornecia 72 e 76 cv, na ordem, embora com maior torque com álcool (10,6 m.kgf; com gasolina, os mesmos 9,7 m.kgf) em regime mais alto (3.850 em vez de 3.000 rpm).

 

No interior simples, a atração é o sistema mais avançado de áudio Discover Media, com navegador, tela tátil de 6,3 pol e uso de aplicativos do telefone

 

Como motores não se resumem a números, o melhor é ver como o três-cilindros opera no Fox Track. Seu funcionamento suave e silencioso permite explorar toda a faixa de rotações sem aparentar esforço, seja ao acelerar mais fundo com o agradável som de escapamento, seja viajando a 120 km/h em quinta marcha a 3.900 rpm. A inerente oscilação do motor de cilindros ímpares, tão percebida no Ford Ka em qualquer rotação, só se manifesta no Fox em marcha-lenta: parece estar baixa, como nos tempos do carburador desregulado. Nada que incomode.

 

 

Nossa avaliação com o Blue Motion em 2013 havia deixado boa surpresa com o desempenho geral do Fox. Embora o motor seja o mesmo (e estivesse com álcool dessa vez, ante gasolina daquela oportunidade), o Track tem as desvantagens de usar rodas de 15 polegadas com pneus 195/55, contra 14 pol e 175/70 da versão focada em economia, e de pesar 91 kg a mais que ela. Acredite, faz uma boa diferença: relação peso-potência pouco favorável e pneus excessivos para seu porte impõem dificuldade adicional a dar aceleração ao carro, que ficou longe de agradar.

Precisa de números? Vamos a eles: ao levar 16,5 segundos para passar de 0 a 100 km/h, o Track foi mais lento que Ford Ka SEL e Move Up e pouco mais rápido que o Nissan March SV, todos com motor de 1,0 litro e três cilindros. Também mostrou preguiça nas retomadas: com sonolentos 27,5 s para ir de 60 a 120 km/h, perdeu para os três modelos citados. Embora o Fox tenha sido mais convincente pela economia, os índices obtidos ainda ficam atrás dos mostrados por Up, Ka e March (veja os números e a análise abaixo).

Próxima parte

 

Desempenho e consumo

Com relação peso-potência e aerodinâmica (Cx e área frontal) desfavoráveis, o Fox Track foi um dos dois carros de menor desempenho entre os que passaram, nos últimos dois anos, pelas medições do Best Cars. Resultados como aceleração de 0 a 100 km/h em 16,5 segundos e retomada de 60 a 120 km/h em quarta em 27,5 s são bastante piores que os do Ka de 1,0 litro, que fez as provas em 14,4 e 24,2 s, na ordem. O “irmão” Up em versão Move (de pneus mais estreitos) é ainda mais rápido: 13,5 e 22,3 s nas mesmas tarefas. Apenas o March de mesma cilindrada perdeu para o Fox em algumas provas (fez em 17,1 e 25,4 s).

O Track foi prejudicado ainda pela terceira marcha incapaz de atingir 120 km/h reais, mesmo caso do Up e do March. O Ka pode alcançar tal velocidade, de modo a cumprir o 60-120 em 16,4 s. É verdade que isso não faz diferença no uso prático, mas regras de medição são regras de medição.

O Fox obteve melhor resultado em consumo, mas não muito. As marcas obtidas ainda não alcançam as do Ka (12,9, 6,4 e 9,8 km/l na ordem de trajetos abaixo) ou as do March (12,4, 7,0 e 9,8 km/l) e ficam distantes das obtidas pelo Up (14,3, 7,1 e 11,2 km/l).

 

Aceleração
0 a 100 km/h16,5 s
0 a 120 km/h25,9 s
0 a 400 m20,1 s
Retomada
60 a 100 km/h (3ª.)11,2 s
60 a 100 km/h (4ª.)15,8 s
60 a 120 km/h (3ª.)NA
60 a 120 km/h (4ª.)27,5 s
80 a 120 km/h (4ª.)19,7 s
80 a 120 km/h (5ª.)29,6 s
Consumo
Trajeto leve em cidade11,4 km/l
Trajeto exigente em cidade6,3 km/l
Trajeto em rodovia9,0 km/l
Autonomia
Trajeto leve em cidade513 km
Trajeto exigente em cidade284 km
Trajeto em rodovia405 km
Testes efetuados com álcool; NA = não aplicável; conheça nossos métodos de medição

 

Dados do fabricante

Velocidade máxima158/159 km/h
Aceleração de 0 a 100 km/h14,7/14,4 s
Consumo em cidadeND
Consumo em rodoviaND
Gasolina/álcool; ND = não disponível
Próxima parte