Q7, Range Rover e XC90: valem quanto pesam?

Q7
Q7
Range Rover
Range Rover
XC90
XC90

 

Três SUVs de desenho sóbrio e sofisticado, que combinam os principais elementos de estilo de cada fabricante e obtêm boa aerodinâmica

 

Concepção e estilo

O Range Rover tradicional — modelo da Land Rover que criou a atual submarca — surgiu em 1970 e está hoje na quarta geração, apresentada em 2013. Bem mais recente, o Volvo XC90 apareceu em 2002 como primeiro SUV da marca e passou em 2014 à segunda geração — a primeira, tão longeva, permanece em produção na China. Na Audi, o Q7 surgiu em 2005, com plataforma compartilhada com Porsche Cayenne e Volkswagen Touareg, e mudou em 2015 para esta geração.

 

 

As três marcas optaram por desenhos sóbrios, retilíneos, para um segmento em geral formado por clientes de faixa etária superior e pouco adeptos de modismos. Há detalhes característicos dos modelos ou fabricantes, como as lanternas traseiras que sobem pelas colunas do XC90 (marca da Volvo em peruas e SUVs desde os anos 90), as “guelras” nas portas dianteiras do Range Rover e a grade dianteira ampla e hexagonal do Q7. O inglês avaliado, da série Black, trazia acabamento externo em preto e rodas de 22 pol, as maiores do trio — são de 21 pol no sueco e de 20, com opção por 21, no alemão. Todos impressionam bem e transmitem solidez e requinte.

Os coeficientes aerodinâmicos (Cx) declarados ficam bem próximos: 0,33 no Volvo, 0,334 no Audi e 0,34 no Range Rover, boas marcas para o tipo de veículo. Como se espera pelos preços, os vãos entre painéis de carroceria são estreitos e exatos nos três.

 

Q7
Q7
Range Rover
Range Rover
XC90
XC90

 

Formato de perua e cerca de 5 metros de comprimento garantem amplo espaço para passageiros e bagagem; no Range Rover as rodas chegam a 22 pol

 

Conforto e conveniência

Interior sofisticado e com materiais de acabamento de primeira linha é um atributo em comum em três, mas o Volvo nos causou a melhor impressão. Não apenas pelo tom caramelo do revestimento em couro (cada um oferece opções de cores, salvo a edição Black do Range Rover, que vem sempre em preto), mas também pelas formas esmeradas, a tela vertical de 9 pol no centro do painel e detalhes como a alavanca de transmissão de cristal sueco Orrefors. Ele usa apliques de madeira, enquanto o Q7 segue o padrão de alumínio e o Vogue recorre mais ao preto brilhante.

 

Os sistemas de áudio de marcas renomadas oferecem pureza de som, mas o do XC90 garante o espetáculo: muito superior em potência, peso de graves e sensação de palco

 

Em qualquer um deles o motorista encontra um banco amplo e bem desenhado, com apoios laterais adequados, ajuste elétrico e memórias. Apenas no Volvo podem-se regular os apoios laterais e o suporte das coxas, também elétricos, e tanto essas regulagens quanto as memorias estendem-se ao passageiro ao lado. Em contrapartida os ajustes de seu volante são manuais, ante os elétricos dos adversários. Volante de boa pega e apoio ideal para o pé esquerdo são comuns a eles.

O quadro de instrumentos tradicional foi abandonado por essas marcas: apesar de simularem mostradores analógicos, são na verdade telas de TFT de alta resolução, recurso que dá liberdade aos fabricantes para configurar funções e sua aparência. O mais versátil é o do Q7: escolhe-se entre mapa de navegação, computador de bordo e assistentes à condução (entre outros) para a seção central e podem-se reduzir o velocímetro e o conta-giros, de modo a abrir mais espaço àquelas indicações.

 

Q7
Q7
Range Rover
Range Rover
XC90
XC90

 

Interiores requintados e com muita conveniência; o do Volvo nos causou melhor impressão; diferentes soluções para a tela central do painel

 

No XC90, a parte direita altera-se conforme o programa de condução (mais sobre isso adiante): o conta-giros do modo Power cede espaço a um indicador de uso de potência em Pure. Nesse modo, sabe-se quanto se pode acelerar com eletricidade sem ativar o motor a combustão: o limite decresce à medida que se consome energia, mas volta a subir no caso de regeneração por longos trajetos. O Vogue desloca o velocímetro para a direita em modos fora de estrada, para exibir informações da tração, e oferece o modo “tocha”, que ilumina apenas os dígitos da região percorrida pelo ponteiro.

 

 

A tela central do Volvo comanda áudio, telefone, navegação, climatização e numerosas configurações. Como são funções demais, demora-se algum tempo para estar familiarizado e saber onde encontrá-las — além de exigirem mais atenção e não serem ideais para pisos irregulares. A tela horizontal de toque de 10 pol do Range Rover inclui funções fora de estrada: indica a distribuição de tração e o bloqueio do diferencial central, monitora a profundidade em trechos alagados (por meio de sensores) e explica os modos de uso do sistema Terrain Response (mais sobre ele adiante).

O Audi segue outro conceito: a tela de 8,3 pol (que pode ser recolhida) fica mais alta e distante, o que favorece sua leitura ao dirigir, e as funções são operadas por botões e por um painel de toque no console, como o dos computadores portáteis. Essa solução nos parece a mais acertada, mesmo que pareça fora de moda nesses dias em que as telas parecem extensões de nossos dedos.

 

Q7
Q7
Range Rover
Range Rover
XC90
XC90

 

Os quadros de instrumentos são telas de TFT; no Audi escolhe-se o que exibir e o tamanho dos mostradores; Range Rover e Volvo alteram a parte direita conforme o modo selecionado

 

Os sistemas de áudio são de marcas renomadas: Bose no Audi (com opção por Bang & Olufsen, não aplicada a nosso carro), Meridian no Range Rover e Bowers & Wilkins no Volvo. Todos oferecem grande pureza de som, mas entre os avaliados o do XC90 garante o espetáculo: com 1.400 watts (ante 558 do Q7 e 380 do Vogue) e 19 alto-falantes, revela-se muito superior em potência, peso de graves e sensação de palco. A marca não está brincando quando diz ter reproduzido a acústica da sala de concerto da Orquestra Filarmônica de Gotemburgo, na Suécia. Só os rivais tocam CDs e DVDs. Conexões USB, auxiliar e Bluetooth estão nos três, assim como integração a telefone por Android Auto e Apple Car Play; entrada de cartão SD, só no Audi.

Apenas o XC90 trazia assistente de manobras de estacionamento, que os demais oferecem como opcional. Mesmo sem esse recurso o Q7 iguala-se ao concorrente nas câmeras de 360 graus, que simulam uma vista por cima, e nos sensores de obstáculos com a mesma abrangência. O Vogue é modesto nesse aspecto, só com câmera traseira e sensores à frente e atrás. Todos vêm com ampla área envidraçada no teto, que no Range Rover é fixo (nos outros a parte dianteira se abre), e comando elétrico do forro.

Atração à parte do Audi é a câmera infravermelha para auxílio à visão noturna: com alcance de até 300 metros, ela exibe imagem no quadro de instrumentos e destaca em tom claro elementos quentes, como um pedestre ou animal à beira da estrada — se detectar risco, realça-os em amarelo e soa um alarme. Também ficam claras as partes aquecidas dos veículos adiante (como pneus e escapamento) e da via, como defensas de concreto, enquanto a luz de faróis no sentido oposto não prejudica a imagem. Sua qualidade é tal que, acreditamos, em condições críticas de visão seria possível dirigir pela tela.

Próxima parte