Sedãs: quatro oponentes lançam desafio a novo Civic

Focus
Focus
Civic
Civic
Sentra
Sentra
Corolla
Corolla
Jetta
Jetta

 

Para acelerar de 0 a 100 km/h o Ford (9,4 s) e o VW (9,6 s) ficam à frente, seguidos por Toyota (10,2 s), Honda (10,9 s) e Nissan (11,2 s), mas há outras questões a considerar em desempenho

 

Desempenho e consumo

Mais potente do grupo, o Focus é também o mais pesado, o que deixa sua relação peso-potência pouco melhor que as de Civic e Corolla (veja-as abaixo na ficha técnica), seguidos por Sentra e Jetta. Este, por outro lado, dispõe de mais potência nas faixas médias de rotação por causa do motor turbo — e temos aqui três sistemas diversos de transmissão. Como tudo isso afeta o desempenho e o consumo dos sedãs médios?

O Ford obteve as melhores acelerações, como 0-100 km/h em 9,4 segundos, seguido de perto por VW (9,6 s). Na sequência vêm Toyota (10,2 s), Honda (10,9 s) e Nissan (11,2 s). Chamou atenção no Civic a saída lenta ao usar o estol da transmissão (2.000 rpm): é provável haver limitação de torque nessa condição. Os melhores tempos vieram ao acelerar de repente, sem usar o pedal de freio. Em qualquer caso, como no Sentra, a rotação sobe até o limite (6.500 rpm no Honda, 6.200 no Nissan), atingido ao redor de 80 km/h, e ali estaciona até a velocidade máxima.

Se colocado em modo manual o Civic passa a oscilar entre relações definidas pela CVT, o que pode agradar mais aos ouvidos que a monotonia do ruído constante, mas o prejudica em aceleração. O Corolla atua em qualquer modo como o Civic em manual: o fabricante abriu mão de desempenho para atender a quem não gosta do comportamento desse tipo de caixa.

Nem todos fazem o melhor aproveitamento da potência ao acelerar. Bom arranjo é o do Civic: 6.500 rpm ficam 200 acima do pico. O Focus muda de marcha em modo esportivo a até 6.300 rpm (fica 200 abaixo do ideal), ao passo que o Sentra (mantido a 6.200 rpm) está 1.100 acima da potência máxima, e o Jetta (trocas a 6.500 rpm em S), nada menos que 1.500 rpm acima. O Corolla oscila em torno de 5.000-6.000 rpm, coerente com a potência a 5.600, mas de toda forma menos eficaz que se mantivesse a rotação de pico.

Nas retomadas, o torque adicional do motor turbo falou alto e garantiu a vitória ao Jetta, que fez o 80-120 km/h em 7,3 s diante de Corolla (7,8 s), Focus (7,9 s), Sentra (8,6 s) e Civic (8,8 s). Por que o Ford ficou para trás do Toyota? Carros dotados de CVT beneficiam-se em certas condições, pois a transmissão responde rápido ao pedido de maior rotação e não precisa escolher uma marcha. Agrava o caso do Focus a mudança mais lenta que no Jetta, pois a caixa de dupla embreagem atua como se tivesse só uma nessa situação: precisa sair de uma marcha e aplicar outra que não estava pré-selecionada.

Apenas três dos fabricantes informam velocidade máxima, que deixaria o Ford pouco à frente do VW com o Nissan bem atrás (veja dados oficiais abaixo). Estimamos que os outros dois ficariam pouco adiante deste último por sua potência adicional.

É preciso observar que Civic, Sentra e Corolla foram medidos com álcool e os demais com gasolina, esta obrigatória no Jetta. Temos tentado uma padronização, mas os carros vêm dos fabricantes com tanque cheio e não havia como mudarmos de combustível de forma confiável, via drenagem do tanque (apenas abastecê-lo na reserva causa mistura e prejudica a confiabilidade dos dados). Por isso a comparação de consumo fica prejudicada.

Entre os dois a gasolina o VW foi mais econômico, tendo alcançado marcas excelentes no trajeto leve em cidade e no de rodovia, mas o Ford não se saiu mal. Entre os três a álcool foi clara a vitória do Honda, em especial no trajeto rodoviário, com o Toyota em último em duas das condições e o Nissan na outra.

Percebe-se que os modelos com CVT, sobretudo Sentra e Corolla, não conseguem em rodovia os bons resultados do trajeto urbano leve, ao contrário de Focus e Jetta. A razão mais provável é que tais transmissões elevem a rotação além do necessário nas várias subidas do percurso, cumprindo-as com acelerador pouco aberto, condição de baixa eficiência. De fato, a caixa do Ford raramente reduz e a do VW cumpre quase todo o trajeto em sexta, o que favorece a economia.

Um exercício permite comparar os resultados dos cinco: aplicar aos resultados com álcool o fator 1,45, que representa em média o rendimento adicional com gasolina (ou seja, roda-se com um litro dela 45% a mais que com o litro de álcool). Se isso for feito, chegamos a 16,1, 8,4 e 17,1 km/l para o Civic; 14,2, 7,4 e 13,3 km/l para o Sentra; e 13,2, 7,5 e 12,5 km/l para o Corolla, seguindo a ordem de trajetos da tabela abaixo. O resultado seria a vitória geral do Honda, seguido por VW, Ford/Nissan (bem próximos) e Toyota.

 

Focus (gas.)Civic (álc.)Sentra (álc.) Corolla (álc.) Jetta (gas.)
Aceleração (s)
0 a 100 km/h9,410,911,210,29,6
0 a 120 km/h12,914,515,913,513,0
0 a 400 m16,318,118,117,816,9
Retomada (s)
60 a 100 km/h7,17,87,27,36,8
60 a 120 km/h10,511,610,79,69,5
80 a 120 km/h7,98,88,67,87,3
Consumo (km/l)
Trajeto leve em cidade13,311,19,89,114,8
Trajeto exigente em cidade7,55,85,15,27,7
Trajeto em rodovia15,211,89,28,616,1
Autonomia (km)
Trajeto leve em cidade658559459491733
Trajeto exigente em cidade371292239281381
Trajeto em rodovia752595431464797
Testes efetuados com gasolina (Focus e Jetta) e álcool (outros); retomadas com reduções automáticas; melhores resultados em negrito (separados conforme combustível no caso de consumo e autonomia); conheça nossos métodos de medição

 

Dados dos fabricantes

FocusCivicSentraCorollaJetta
Vel. máxima (km/h)206ND186ND203
0 a 100 km/h (s)ND/9,2ND10,1ND/9,68,6
Consumo em cidade (km/l)9,7/6,710,6/7,29,8/6,610,6/7,210,4
Consumo em rodovia (km/l)13,0/9,212,9/8,913,1/9,012,6/8,813,8
Dados do fabricante para gasolina/álcool (no Jetta, apenas gasolina); consumo conforme padrões do Inmetro

 

 

Focus
Focus
Civic
Civic
Sentra
Sentra
Corolla
Corolla
Jetta
Jetta

 

O Jetta obteve menor consumo, mas ao calcular a equivalência à gasolina o Civic (testado com álcool) fica com as melhores marcas e vai a 17,1 km/l em rodovia

 

Próxima parte