Audi A4: revigorado para a competição

A BMW tem um novo Série 3 pronto para estrear no mercado nacional. O Volvo S60 ainda tem sabor de novidade e o Mercedes-Benz Classe C foi reestilizado no ano passado. Em meio a esse cenário de competição, o Audi A4 — lançado na atual geração em 2008 no Brasil — já merecia um refresco, que a fábrica de Ingolstadt agora apresenta na linha 2013.

A gama A4 agora é reduzida a duas versões de sedã e duas de perua Avant, sempre com motor turbo de quatro cilindros e 2,0 litros; o V6 de 3,2 litros deixou de ser produzido e, ao menos por enquanto, não teremos aqui seu sucessor de 3,0 litros com compressor. O primeiro a chegar é o sedã em acabamento Ambiente e com potência de 180 cv, ao preço sugerido de R$ 149.700, com vendas a partir de junho. O câmbio é o automático de variação contínua (CVT) Multitronic, e a tração, apenas dianteira.

Mais tarde chega o Ambition (ainda sem preço) com o mesmo motor em versão de 211 cv, a caixa manual automatizada S-Tronic com dupla embreagem e sete marchas e tração integral Quattro. A expectativa de venda anual é de 1.500 unidades.

Se não acompanha o preço de alguns concorrentes mais acessíveis (o C 180 parte de R$ 116.900, e o S60 T4, de R$ 102.900), a Audi espera compensar pelo conteúdo. Mesmo o Ambiente vem de série com seis bolsas infláveis (frontais, laterais dianteiras e cortinas), controle eletrônico de estabilidade e tração, rodas de 17 pol com pneus 225/50, diferencial autobloqueante, bancos dianteiros com ajustes elétricos, controlador de velocidade, teto solar, faróis (de xenônio em ambos os fachos) e limpador de para-brisa automáticos e sistema de áudio com rádio Symphony e interface Bluetooth. Possui apenas um opcional, o pacote de navegação, por salgados R$ 10.350.

O que mudou no A4? A frente segue o tema de estilo do anterior, mas é toda nova. Nota-se uma inversão de traços: a inclinação da parte interna dos faróis e das tomadas de ar laterais inferiores, que antes acompanhava a da grade, agora está no sentido oposto. A ampla grade também foi alterada, ganhando chanfros nas extremidades superiores. Nos faróis, embora o refletor elipsoidal mantenha sua posição, a fila de leds segue novo formato, e o capô agora tem vincos mais pronunciados. A alteração de forma dos faróis repete-se nas lanternas traseiras, mas é muito sutil. Mais fácil de notar é a adoção de leds em lugar de lâmpadas (veja o modelo anterior).

Também por dentro as modificações são pequenas: novo volante, tela maior para a central de informações e entretenimento, comandos aprimorados para uso mais fácil. A Audi oferece quatro combinações de cores para bancos, portas e forro de teto, em tons preto, cinza, bege e marrom. O sistema de navegação e áudio opcional inclui comando por voz e armazenagem de músicas.

Variação contínua O motor de 2,0 litros do Ambiente desenvolve potência de 180 cv e torque de 32,6 m.kgf, disponível em um platô entre 1.500 e 3.900 rpm, enquanto a versão usada pelo Ambition passa a 211 cv e 35,7 m.kgf (de 1.500 a 4.200 rpm). No caso do primeiro, a caixa Multitronic pode ser usada em modo automático, que faz uma variação contínua da relação, ou no manual, que simula oito marchas por meio de pontos de parada do variador. Com isso, quem desejar um comportamento mais esportivo pode evitar a progressão contínua típica desses câmbios, em que a rotação (e o ruído) do motor quase não varia enquanto cresce a velocidade.

No restante do conjunto mecânico, poucas mudanças: a direção adota assistência elétrica, que consome menos energia do motor (e nenhuma energia em linha reta), e a suspensão traseira recebe amortecedores recalibrados.

A avaliação da imprensa com o A4 Ambiente, em um trajeto de 120 quilômetros entre São Paulo e Santos, no litoral sul paulista, confirmou as boas sensações já experimentadas com o modelo anterior. Mesmo nessa versão menos potente as respostas do motor são muito boas, com grande disposição já em baixas rotações, e seu funcionamento suave convida a explorar os altos regimes, nos quais produz um som moderado e agradável.

O câmbio Multitronic, embora favoreça a eficiência com sua variação contínua, transmite a impressão de contribuir pouco com o desempenho: mesmo em modo manual, as mudanças entre as marchas simuladas parecem algo lentas. Seria interessante que a versão recebesse a caixa automatizada, de eficiência inquestionável. Freios excelentes e grande sensação de estabilidade, com uma suspensão silenciosa e confortável, são outros atributos desse Audi.

Foram poucas evoluções, mas o A4 recebeu o refresco necessário para se manter atual até que venha uma nova geração completa, em cerca de três anos.

 

SEM COMENTÁRIOS