Conceitos: o tortuoso caminho até chegar ao mercado

Toyota RAV4 1989
Toyota RAV4 1994

 

Toyota RAV4

Apesar das grandes diferenças de estilo, há elementos em comum entre o conceito RAV Four do Salão de Tóquio de 1989 e o RAV4 de produção, de 1994, como os elementos em preto-fosco nas laterais, as grandes janelas, a larga coluna central na cor da carroceria e o estepe externo junto à tampa traseira. Contudo, as linhas ficaram bem mais agradáveis, faróis e grade cresceram e foi descartado o guincho frontal, que ficava atrás de uma tampa na parte direita da grade. Teria o RAV4 alcançado seu grande sucesso caso as linhas do conceito fossem mantidas?

 

Toyota Prius 1995
Toyota Prius 1998

 

Toyota Prius

Dois anos se passaram entre a apresentação do Prius conceitual, no Salão de Tóquio de 1995, e o lançamento japonês do modelo híbrido de maior sucesso no mundo. Nesse período a Toyota reviu suas linhas: adotou faróis mais simples, aplicou vincos ao capô para valorizar seu emblema, eliminou os ressaltos dos para-choques e das molduras laterais.

 

 

Toyota Funtime 1997
Toyota Yaris 1999

 

Toyota Funtime e Yaris

Se a primeira geração do Yaris, ao ser lançada como modelo 1999, tiver deixado uma sensação de produto conhecido, a culpa é do estudo Funtime do Salão de Tóquio de 1997. As formas definitivas estavam no conceito em sua maior parte, mas detalhes ousados como faróis e as diminutas maçanetas mudaram até a produção.

 

Audi-Karmann Asso Di Picche

VW Scirocco 1974

 

Audi-Karmann Asso Di Picchie e Volkswagen Scirocco

Antes que o Asso Di Fiori desse origem ao Isuzu Piazza/Impulse (leia acima),  outro conceito da série inspirou um modelo da VW. Foi o Asso Di Picchie ou ás de espadas, revelado pelo estúdio Italdesign no Salão de Frankfurt de 1973 a partir do sedã Audi 80 (similar ao primeiro Passat). Consta que a diretoria do grupo gostou da ideia, mas pediu ao projetista que desenhasse algo mais moderado nas formas e nas proporções para ser fabricado. O resultado foi o Scirocco, lançado no ano seguinte.

 

Volkswagen Concept One 1994
Volkswagen New Beetle 1998

 

Volkswagen Concept 1 e New Beetle

Um dos modelos retrô mais conhecidos mundo afora começou a nascer em 1994, quando a VW mostrou no Salão de Detroit o Concept 1. Era uma releitura do Fusca (Beetle nos EUA), com direito a gradinhas para as buzinas, como no modelo brasileiro dos anos 60. Motor transversal e tração dianteira ainda eram os do Polo, depois trocados pelos do Golf 4. Uma versão conversível vinha em seguida em Genebra; no ano seguinte, em Tóquio, as linhas assumiam formato muito parecido ao do New Beetle de série, apresentado em 1998.

 

Volkswagen CJ 1997
Volkswagen Jetta 1998

 

Volkswagen CJ e Jetta

O belo cupê do Salão de Detroit de 1997 pode ter sido interpretado por muitos como um sucessor para o Corrado, mas a resposta vinha no ano seguinte: era a nova geração do sedã de quatro portas Jetta (chamado de Bora nessa fase, aqui como na Europa), feita com base no Golf que ainda estava por ser lançado quando o CJ apareceu.

 

Volkswagen Concept D 1999
Volkswagen Phaeton 2002

 

Volkswagen Concept D e Phaeton

A missão do Phaeton era anunciada no Salão de Frankfurt de 1999, quando a VW apresentava o Concept D: colocar a marca no segmento de luxo para competir com Audi A8, BMW Série 7, Lexus LS e Mercedes-Benz Classe S. Motor V10 turbodiesel de 5,0 litros e 313 cv, tração integral e uma imponente carroceria hatchback estavam no cardápio, mas ao fim o modelo foi lançado em 2002 como sedã de três volumes, configuração mais aceita nessa categoria.

 

Volkswagen Up
Volkswagen Up

 

Volkswagen Up

A inspiração no Fusca parece ter levado a VW a voltar a pensar na colocação traseira do motor com o conceito Up, do evento de Frankfurt de 2007. Embora a ideia tenha sido abandonada, as formas preservaram-se para o modelo de série, lançado em 2011. Além de faróis mais simples, maçanetas e retrovisores mais funcionais, vidros traseiros maiores e uma versão de cinco portas, o Up de produção recebeu alguns vãos na frente para admitir mais ar ao motor em local não previsto.

 

Volvo ECC 1992
Volvo S80 1998

 

Volvo ECC e S80

Environmental Concept Car ou ECC era um conceito de 1992 no qual a marca sueca aplicava soluções mais favoráveis ao meio ambiente, como sistema híbrido com motor elétrico e turbina a gás, amplo uso de materiais recicláveis e a capacidade de consumir variados combustíveis de origem mineral ou vegetal. Se esses recursos não chegaram à produção, ao menos o estilo do ECC inspirou o do S80, o Volvo de luxo apresentado seis anos mais tarde.

 

Volvo SCC 2001
Volvo C30 2006

 

Volvo SCC e C30

Para o Salão de Detroit de 2001 os suecos desenvolveram o Safety Concept Car ou SCC, um hatch com propostas para uma direção mais segura, sobretudo em relação à visibilidade: colunas dianteiras vazadas com seções em plástico transparente, sensores que apontavam veículos em pontos cegos das laterais (hoje comuns), colunas centrais bem estreitas, tampa traseira toda envidraçada. Com duas portas a menos, seu desenho reapareceu em grande parte no C30 em 2006.

 

Volvo ACC 2001
Volvo XC90 2002

 

Volvo ACC e XC90

Também do evento de Detroit de 2001 é o Adventure Concept Car ou ACC, que mostrava propostas para o primeiro utilitário esporte da marca. Com alguma suavização das linhas, que ganharam refinamento, a versão de produção chegava às ruas no ano seguinte como XC90.

 

Volvo S60 2008
Volvo S60 2010

 

Volvo S60

Mais um dos casos em que o modelo de conceito era mais atraente, embora o S60 de série (lançado em 2010) também mereça o adjetivo. Além da habitual mudança de rodas, faróis e maçanetas, perderam-se as portas traseiras com abertura inversa à das dianteiras, mostradas no conceito de 2008.

Mais Curiosidades