Suzuki GSX 1250 FA

Suzuki GSX 1250 FA

 

Participe: envie opinião sobre sua moto

 

[Nome] Alexis Carvalho
[Cidade] Rio De Janeiro
[Estado] RJ

[Versão] GSX 1250 FA
[Motor] 1250
[Ano-modelo] 2014
[Quilometragem atual] 20.000 km
[Combustível] Gasolina
[Tempo há que possui] De 1 a 3 anos

[Grau de satisfação com a moto] Muito satisfeito(a)
[Grau de satisfação com a rede de concessionárias] Insatisfeito(a)

[Estilo] 4
[Acabamento] 3
[Posição de pilotar] 4
[Instrumentos] 4
[Conforto] 4
[Motor] 5
[Desempenho] 5
[Consumo] 4
[Câmbio] 4
[Freios] 4
[Suspensão] 3
[Estabilidade] 4
[Custo-benefício] 5

[Principais aspectos positivos] Motor. Que motor! Torque de enrugar asfalto em qualquer RPM, chega a 200 num piscar de olhos. Esse motor em uma “adventure” tipo Versys ou Multistrada ia ser tudo de bom, pena que não atende aos mais novos PROMOT da vida. A versatilidade dela só seria incrementada pois rodar no off-road é complicado. Moto para rodar 1000km, fazer track day no fds e voltar segunda feira, diversão garantida sem sofrimento e sem carretinha.

[Principais aspectos negativos] Peso. Acho a moto muito pesada, a força necessária para virar o guidão é muito grande, é um tormento em manobras e andando na cidade, como ainda uso pneus Bridgestone vou testar os Pilot Road 4 e ver se melhora. Para uso em track day mais animado as limitações da sua ciclística ficam evidentes, principalmente em curvas de baixa e média, repica a traseira, torce o quadro nas entradas de curva em frenagem, briga com o contra-esterço… é certo que tudo com bastante previsibilidade, avisando do limite com bastante antecedência, já as saídas de curva são uma delícia, hehehe. Acho o consumo bastante razoável, entre 15 e 18km/l mas o marcador da reserva poderia ser mais preciso, indicando reserva com muita gasolina no tanque ainda (+ – 7 litros), o que na estrada faz a viagem ficar muito picada. O tal segundo estágio da reserva que teoricamente teria 1,5 litro não rodou 5km e fiquei na pista 🙁

[Defeitos apresentados] Estou entrando no terceiro ano com a moto e, pasmem, minha moto deu defeito! O chicote dianteiro, responsável por faróis e painel, começou a dar mal contato no negativo. Soldei a emenda dos negativos próximo a bateria, que só e prensada, e fiz um terra redundante no quadro junto a carenagem que até melhorou a iluminação, resolvido. Tive problemas no pneu traseiro e depois de muita briga consegui trocar com a importadora – Winner – (A Suzuki lava as mãos para garantia de pneus e a Bridgestone não importa pneus de moto oficialmente…).
Ela também apresenta pontos dispersos de corrosão por baixa qualidade da pintura e materiais empregados, coisa comum em todas as marcas de moto (Tenho BMW e HONDA, já tive YAMAHA, KAWASAKI e Buell, esta última a que melhor suportou a corrosão). O incrível é que em carros a corrosão já é história a mais de 20 anos mas as indústrias de moto preferem colocar a culpa no consumidor “que não coloca capa na moto”, ou “utiliza a moto em ambiente com salinidade”.

[Concessionárias] Usei exclusivamente quando a moto estava em garantia e fui infeliz em todas as revisões (1000/3000/6000). Revisões caras, sempre com problemas de execução e com frequência absurda (2x mais q no resto do mundo), a ponto de não poder sair do sudeste, visitar o Sul e voltar dentro do período indicado (3000km).

[Comentários adicionais] A GSX 1250 FA é uma moto bastante desconhecida do público em geral. Talvez pelo preço alto de tabela quando sem descontos, bastante acima da irmã Bandit. Talvez por não ser uma Esportiva nata, apesar de ter carenagem. Talvez pela falta de apelo estético… A verdade é que ela vendeu muito pouco pela ótima moto que é. Minha moto, adquirida em 2015, tem chassis nº105, mais de um ano de vendas para vender 105 motos… isso absolutamente não se sustenta industrial e comercialmente.

[Best Cars] Acompanho o BCWS desde sempre, kkk. Melhor meio de obtenção de informações automobilísticas que conheço. Nunca observei nenhuma avaliação em que a técnica e a isenção tenham sido esquecidos. Parabéns!

[Data de publicação] 24/3/17

 

 

[Nome] Ricardo Zucarelli Pulvirenti
[Cidade] Porto Alegre
[Estado] RS

[Versão] GSX 1250 FA
[Motor] 1250
[Ano-modelo] 2016
[Quilometragem atual] 5.000 km
[Combustível] Gasolina
[Tempo há que possui] De 1 a 3 anos

[Grau de satisfação com a moto] Muito satisfeito(a)
[Grau de satisfação com a rede de concessionárias] Parcialmente satisfeito(a)

[Estilo] 4
[Acabamento] 4
[Posição de pilotar] 5
[Instrumentos] 4
[Conforto] 3
[Motor] 5
[Desempenho] 5
[Consumo] 4
[Câmbio] 3
[Freios] 5
[Suspensão] 4
[Estabilidade] 5
[Custo-benefício] 5

[Principais aspectos positivos] Motor, maleabilidade, freios e posição de pilotagem.

[Principais aspectos negativos] Troca de marchas de forma seca, não tem suavidade. Banco e manoplas poderiam ter melhor acabamento, preferência de couro. Os pneus poderiam ser melhores , BT 031 em vez do BT021. A falta de opção de cores e grafismos. Ronco do motor em baixas e médias rotações parece de uma 125 cc. Necessita escapamento esportivo de fábrica.

[Defeitos apresentados] Nenhum.

[Concessionárias] A Starmax de Porto Alegre sempre me atendeu bem.

[Comentários adicionais] Não entendo a política da Suzuki de lançar motos e após um ou 2 anos baixar violentamente de preço, principalmente as motos premium da marca. Também esta marca tem criado “canibalismo” entre os modelos acima de 1.000 cc, exatamente ao contrário do que fazem os grandes fabricantes de moto Premium. A Suzuki. assim atesta, aos prováveis compradores , que as motos da marca não possuirão bom valor de revenda após um ou 2 anos. Isto além de afastar possíveis compradores, desvaloriza-as no mercado de usadas, traindo a confiança na marca e perdendo os já clientes que poderiam ser fieis à marca. A GSX 1250 FA, excelente motocicleta de uso GT e até street, vem sendo canibalizada por outras da marca e desvalorizada pela própria Suzuki quando deveria ser atualizada em tecnologia, aparência e valor. Simples adesivos, novas cores multicoloridas, lâmpada de xenon ou Led, escapamento esportivo, esquema de ,revisões mais espaçadas e com valor fixo módico. Assim, com pouco investimento agregaria valor à uma moto tão boa. Com esta política errada de ir baixando preço, em vez de atrair novos clientes esta deixando uma mácula nos atuais clientes, que se debandarão para outras marcas mais confiáveis do mercado. Como já tive motos da Honda, Harley Davidson, BMW e Suzuki , posso respaldar minha opinião com a dos amigos que possuíam motos premum Suzuki e estão indo para outras marcas que valorizam a fidelização dos clientes.

[Best Cars] Desde seu surgimento acompanho as notícias e testes feitos pela Best Cars. Para mim, a melhor nesta mídia no Brasil.

[Data de publicação] 24/2/17

 

[Nome] GDS
[Cidade] Aracaju
[Estado] SE

[Versão] GSX 1250 FA
[Motor] 1250
[Ano-modelo] 2016
[Quilometragem atual] 10.000 km
[Combustível] Gasolina
[Tempo há que possui] De 1 a 3 anos

[Grau de satisfação com a moto] Muito satisfeito(a)
[Grau de satisfação com a rede de concessionárias] Parcialmente satisfeito(a)

[Estilo] 4
[Acabamento] 4
[Posição de pilotar] 5
[Instrumentos] 4
[Conforto] 5
[Motor] 5
[Desempenho] 5
[Consumo] 4
[Câmbio] 3
[Freios] 4
[Suspensão] 5
[Estabilidade] 5
[Custo-benefício] 5

[Principais aspectos positivos] Estabilidade alta, aerodinâmica excelente mesmo com vento lateral/contra , ergonomia e conforto ótimos, (tenho 1,8m) suspensão boa no asfalto ruim, banco pode alterar a altura em 2cm. Faz 13km/L andando em ritmo (muito) forte na estrada, 17-18/L a 120km/h e 10/L no trânsito da cidade. O motor é espetacular, sem dúvida o ponto forte da moto, muito forte, previsível e linear, acelera muito rápido até os 200km/h. Tem muita força em qualquer faixa de rotação. Os freios ABS são excelentes, pouco se sente sua atuação, funcionam 100% como deveriam. (já testei os da kawasaki e HD e os da GSX são melhores). Pode ser usada na cidade sem nenhum problema devido ao seu grande torque, eu passo em 90% dos locais onde os motoboys passam, me surpreendeu. O motor não esquenta, mesmo na cidade (a não ser que se ande colado no tanque).

[Principais aspectos negativos] O câmbio é barulhento nas primeiras marchas e não tão macio como eu imaginada e deveria ser. Os freios são bons mas pra andar esportivamente ou com garupa/bagagem poderiam ser 10-15% mais potentes. A embreagem, apesar de ser hidráulica, é bem dura, no trânsito faz doer os dedos, já vi piores como na Triumph SpeedTriple mas poderia ser mais macia. 1 e 2 marcha um tanto curtas (a primeira chega a 100 e a segunda a 120, terceira é muito mais longa, bate 180) e a 6 poderia ser mais longa pra baixar a rotação do motor nas viagens. Muito pesada parada ou manobrando (em movimento não se percebe). Coloquei 4 em instrumentos pois não marca a temperatura em graus, tem apenas uma luz espia de superaquecimento.

[Defeitos apresentados] Os suportes da pedaleira do garupa apresentaram bolhas fora da garantia, me espantou pois por ser alumínio pintado e não aço deveriam ser mais resistentes ao clima. No manual explica errado como operar uma das funções do painel, fui encontrar no youtube como operar corretamente, uma gafe da Suzuki.

[Concessionárias] Nos primeiros milhares de KM regulei a corrente na concessionária normalmente nas revisões e andava com ela sempre limpa e com óleo, após algum tempo ouvi um barulho estranho, levei no meu mecânico de confiança e ele percebeu que a corrente estava muito apertada, eu não havia notado, passou despercebido, resultado: Ocasionou uma leve alteração no padrão de consumo do pinhão, agora vou ter que troca-lo mais cedo e também o resto do kit de transmissão não irá durar o quanto deveria. Agora que já acabou a garantia não levo mais na autorizada, de outra vez queriam me cobrar 100 reais pra instalar algo que meu mecanico instalou de graça.

[Comentários adicionais] Apesar de ter um comportamento linear, a moto é muito forte, aconselho pra quem já fez a “escadinha´´e ja teve ao menos uma 600*. Grafismo discreto (somente o logo da Suzuki e um pequeno na lateral traseira) agrada aos que procuram um modelo discreto mas que impõe respeito pela sua força. Uma moto confortável pra viagens longas e curtas e pra andar na cidade eventualmente sem problemas, com a segurança do ABS e motor de sobra pra levar garupa e bagagens sem sofrimento. Mas o principal atributo é o fato de ser uma Bandit 1250, modelo confiável, largamente testado, com dezenas de anos de mercado e relativa facilidade em encontrar peças (exceto slider, esse por enquanto ta sendo difícil achar). Uma moto que cumpre o que se propõe com maestria (sport-touring). Uma moto que vai agradar a quem sabe o que procura e o que está comprando.

[Best Cars] Ímpar no mundo dos veículos no Brasil, esta seção é sem dúvida essencial para consumidores e entusiastas.

[Data de publicação] 13/1/17

 

[Nome] Afonso Amorim
[Cidade] RECIFE
[Estado] PE

[Motor] 1250
[Ano-modelo] 2014
[Quilometragem atual] 20.000 km
[Combustível] Gasolina
[Tempo há que possui] De 1 a 3 anos

[Grau de satisfação com a moto] Muito satisfeito(a)
[Grau de satisfação com a rede de concessionárias] Parcialmente satisfeito(a)

[Estilo] 4
[Acabamento] 4
[Posição de dirigir] 4
[Instrumentos] 3
[Conforto] 5
[Motor] 5
[Desempenho] 5
[Consumo] 4
[Câmbio] 5
[Freios] 4
[Suspensão] 5
[Estabilidade] 5
[Custo-benefício] 5

[Principais aspectos positivos] É uma excelente moto, especialmente para viagem em pista. É macia, confortável, muito prazerosa de pilotar. Câmbio preciso e leve, freios muito bons. Motor potente e ágil. Tamanho compacto apesar do tamanho do motor, e portanto, fácil de manobrar. Confortável até demais, tanto para garupa quanto para o piloto. Mecânica confiável como em toda Suzuki. O consumo é melhor do que a maioria das concorrentes. Média de 17km/L na pista, com garupa e bagagem.

[Principais aspectos negativos] Para rodar na cidade não presta porque esquenta demais. É pesada e pouco ágil no trânsito pesado. É moto feita para o asfalto. Longe de engarrafamentos das cidades. O painel não é muito prático, porque consta num só local o relógio, odômetro parcial, odômetro total. Como fica difícil e arriscado mudar desse modo durante uma viagem, quem pilota tem que decidir antes se vai viajar usando um só desses modos. Tem que decidir antes se vai ficar olhando a hora ou a quilometragem total ou parcial. Detestei isso.

[Defeitos apresentados] Nenhum. Motos da Suzuki são perfeitas. Já tive outras da marca e nunca me arrependi.

[Concessionárias] Não uso. Os preços de peças e mão de obra são exorbitantes.

[Comentários adicionais] Para meu propósito, viagens de média ou grande distância com a esposas em asfalto, em fins de semana, é uma moto perfeita. Só tenho elogios e não canso de curtir seu estilo e o prazer de pilotar.

[Best Cars] Sou usuário do BC há mais de uma década e sempre serei grato pelas oportunidades que têm me dado para decidir com segurança antes de comprar um carro ou moto nova.

[Data de publicação] 9/9/16