Vale a pena girar a chave e voltar antes da partida?

Aprendi que, nos carros de bomba de combustível elétrica que permaneçam dois ou mais dias parados, deve-se virar a chave do contato e voltar, antes da ignição, até que não se ouça mais a linha pressurizando. Isso funciona mesmo? Meus carros sempre pegaram “de primeira” e com menos tempo de motor de partida acionado com essa técnica, especialmente nas manhãs frias. O Best Cars leva alcunha de Best porque o é!

Lamark dos Reis – Pradópolis, SP

 

PartidaO dizer popular que prega que se obtém uma partida melhor ao ligar e desligar a ignição (apenas acender as luzes do painel, sem acionar o motor de partida), depois de alguns dias de inatividade, tem certo embasamento. Todo veículo com injeção eletrônica trabalha com a linha de combustível pressurizada, sendo a pressão de 3 a 4 bars nos sistemas de injeção indireta (como o multiponto sequencial, hoje o mais comum) e até 200 bars nos sistemas de injeção direta.

O motivo é simples: combustível pressurizado aliado a orifícios pequenos e grande vazão resulta em um borrifo vaporizado de combustível, o que favorece sua queima. Contudo, se não houver a pressão necessária na linha de combustível, haverá pouca vazão, o que dificultará tanto a vaporização quanto a quantidade ideal de combustível para a queima com a quantidade de ar admitida (mistura muito pobre, ou seja, com combustível a menos, não queima corretamente).

Esse problema dificilmente acontece com o veículo em funcionamento, mas pode ocorrer em caso de filtro de combustível muito saturado, que restringe a vazão e a pressão. A causa varia do uso do filtro por muito mais tempo que o recomendado ao abastecimento com combustível cheio de impurezas — sobretudo o álcool, que possui minúsculas partículas de bagaço da cana de açúcar, responsáveis por obstruir o filtro mais rápido. Uma bomba de combustível defeituosa também pode não fornecer a devida pressão.

Por outro lado, mesmo com filtro e bomba de combustível em perfeito estado, há risco de outro problema durante a partida. Ao desligar o veículo a bomba elétrica deixa de funcionar, ou seja, não gera mais vazão e pressão na linha de combustível. Contudo, há uma válvula que impede que o combustível presente na linha pressurizada faça o caminho oposto, retornando ao tanque pela entrada da bomba. Dessa forma mantém-se a pressão na linha, essencial para uma partida rápida ou “de primeira”, uma vez que os injetores já possuem combustível pressurizado.

 

Sistema-de-combustivel

 

Há casos em que depois de certos dias, ou mesmo horas, quando a válvula anti-retorno não está em perfeito funcionamento, perde-se pressão na linha de combustível, o que ocasiona dificuldade na partida a frio. Afinal, a bomba elétrica precisará de certo tempo para pressurizar a linha de novo para que haja a correta injeção de combustível.

Contudo, antes de sair ligando e desligando a ignição diversas vezes antes de dar partida, vamos lembrar que essa manobra pode ser muito prejudicial. Componentes e motores elétricos tendem a queimar com mais frequência no momento em que são ligados, devido ao súbito pico de corrente elétrica (exemplo clássico da lâmpada de casa, que se queima em geral ao ligar o interruptor, não quando já está acesa). Tanto que, após três ou quatro vezes dessa manobra, a própria central eletrônica não ativa mais a bomba de combustível. Outros componentes elétricos e eletrônicos, como as bobinas e — em veículos mais antigos — módulos de ignição, também podem ter sua vida útil reduzida e trazer prejuízos.

Ou seja, para garantir a melhor partida “de primeira”, basta ligar a ignição e esperar alguns segundos até ouvir a bomba desligar: nessa condição garante-se que a linha já esteja pressurizada. De qualquer forma, para um veículo com manutenção em dia, não há por que haver qualquer dificuldade na partida, a menos que existam problemas como velas de ignição em mau estado ou combustível de baixa qualidade (vide consulta sobre veículo parado por longo tempo).

Texto: Felipe Hoffmann – Foto e ilustração: divulgação