Os carros que tiveram de mudar de nome, parte 3

Fiat Bravo

Alguns carros enfrentaram problemas duas vezes. O Fiat Bravo dos anos 90 era Bravissimo no Japão, onde seu nome pertencia a um pequeno furgão da Mitsubishi. Na segunda geração (foto), que tivemos aqui, o Bravo foi Ritmo na Austrália: lá, Bravo é uma picape da Mazda.

 

Tesla Model E

Já percebeu que a Tesla tem os modelos S, X e 3? Por que não uma letra para o último deles? Na verdade Elon Musk queria usar modelo E, mas a Ford foi à Justiça. A Tesla então espelhou a letra, que se tornou o número 3.

 

 

Chevrolet Beretta

Alguns nomes não chegam a ser alterados, mas dão trabalho aos fabricantes. Também nos Estados Unidos, a General Motors foi processada em 1989 ao lançar o Chevrolet Beretta, nome de uma fábrica de armas italiana. Um acordo lhe permitiu manter o logotipo.

 

Alfa Romeo Q2 e Q4

Q2 e Q4, para a Alfa Romeo, foram boas siglas para tração em duas e quatro rodas. Só que a Audi já usava Q3, Q5 e Q7 e não gostou da ideia, o que rendeu disputa. O Q2 dos alemães já está nas ruas e logo chega o Q4, sigla que por enquanto continua em uso pelos italianos.

 

Audi

A própria marca Audi foi escolhida por questões legais. O fundador August Horch vendeu sua fábrica de carros e abriu outra com seu nome, mas os novos donos o impediram na Justiça. Então, traduziu o nome Horch para o latim Audi, que significa “ouça”. Nascia a marca em 1910.

 

 

Ferrari F-150

Até carros de Fórmula 1 estão sujeitos a conflitos. O da Ferrari para 2011 seria F-150, mas a Ford protestou. Segundo a marca do oval, os italianos queriam lucrar em cima da boa imagem de sua picape. A Ferrari passou o número para ordinal, adicionou o sufixo Italia e tudo se resolveu.

 

Gurgel Cena

O minicarro 100% brasileiro da Gurgel, em 1987, seria Cena ou Carro Econômico Nacional. Ayrton Senna não gostou da semelhança e, depois de ser processado, João Gurgel mudou para BR-800. Não sem antes argumentar que, muito antes de o piloto nascer, o rio Sena já corria por Paris…

Mais Curiosidades