Ford Escort, cooperação que deu certo por 30 anos

1993 Escort RS Cosworth

 

Desenvolvido por ingleses e alemães em parceria, o médio fez sucesso por quatro gerações e notabilizou-se pelas versões esportivas

Texto: Fabrício Samahá* – Fotos: divulgação

 

Até a década de 1960, as unidades inglesa e alemã da Ford costumavam trabalhar de maneira independente. Enquanto a primeira havia desenvolvido modelos como os pequenos Anglia e Prefect, os médios Consul e Cortina e os grandes Zephyr e Zodiac, a segunda depositava esforços no Taunus, fabricado em diferentes gerações e tamanhos por 34 anos.

Na segunda metade daquele período os britânicos precisavam de um sucessor para o Anglia de 1959, enquanto os germânicos mostravam interesse em um carro menor que o Taunus para ampliar seu mercado. Dessas necessidades nasceu uma bem sucedida parceria: o Escort, primeiro projeto em comum entre as Fords dos dois países. Em novembro de 1967 começava sua produção em Halewood, no Reino Unido, seguida por Genk, na Bélgica, e em 17 de janeiro do ano seguinte era lançado ao mercado.

Anunciado pela publicidade como “o carro pequeno que não é um”, o Escort (acompanhante em inglês) não tinha um nome inédito na marca: nos anos 50 havia sido designada assim a versão simplificada da Squire, perua da linha Anglia. Suas linhas eram simples e arredondadas, com faróis circulares nas versões de entrada e retangulares nas superiores, inseridos em uma grade mais estreita na região central que seria conhecida como “osso de cachorro”.

 

1968 Escort

 

1970 Escort
1970 Escort

 
O primeiro Escort, resultado de parceria entre ingleses e alemães, tinha tração traseira e motores de 1,1 e 1,3 litro: o começo de uma história concluída apenas em 2000

 

Com 4,05 metros de comprimento, 1,57 m de largura, 1,49 m de altura e 2,40 m de distância entre eixos, o sedã de três volumes e duas portas pesava 770 kg. Uma perua de três portas aparecia em março seguinte e, na sequência, um furgão dela derivado. O sedã de quatro portas vinha em 1969.

 

Para competir com o Mini Cooper, a Ford aplicou o motor de 110 cv do Lotus Cortina ao Escort Twin Cam, que inaugurou sua tradição em competições

 

A concepção mecânica era tradicional, com tração traseira, câmbio manual de quatro marchas e o veterano motor Kent com comando de válvulas no bloco e cabeçote de ferro fundido, do qual derivaria o Endura usado até 1999 nos Ka e Fiesta brasileiros. Havia opções de 1,1 litro (potência de 45 cv) e 1,3 litro (52 cv). A direção de pinhão e cremalheira era novidade em carros pequenos da marca, mas as suspensões seguiam os antigos conceitos de McPherson à frente — a Ford fora pioneira nesse esquema com o Consul de 1951 — e eixo rígido com molas semielípticas atrás.

O motor 1,3 passava a 64 cv no Escort GT, que vinha ainda com conta-giros no painel, suspensão mais firme e freios a disco dianteiros, e no Sport, que acrescentava para-lamas dianteiros alargados. No 1300 E os mesmos para-lamas e rodas esportivas vinham associados a um acabamento superior com apliques de madeira. Um câmbio automático de três marchas passava a ser oferecido logo após, em maio. A produção belga era transferida em 1970 para Saarlouis, na Alemanha.

 

1972 Escort 1300 GT

 

1974 Escort Estate
1968 Escort Panel Van

 
A linha cresceu rápido, com sedã de quatro portas (mostrado na versão GT), perua e furgão; todos usavam a grade “osso de cachorro” com faróis circulares ou retangulares

 

Em teste, a revista inglesa Autocar assim descreveu o Escort 1,3 de caixa automática: “Desempenho razoável para sua classe. Sedento se dirigido rápido. Boa transmissão, excelente direção, bons freios. Preço competitivo”. Entre os concorrentes estavam os alemães Opel Kadett e Volkswagen 411, os ingleses MG 1300 e Vauxhall Viva, o italiano Fiat 128 e o holandês DAF 44.

 

 

Nas pistas e nos ralis, a alternativa da Ford para competir com o diminuto e ágil Mini Cooper havia sido o sedã Cortina com motor Lotus de 1,6 litro e duplo comando no cabeçote, mas um carro menor e mais leve certamente o aproveitaria melhor. O propulsor de 110 cv com torque de 14,8 m.kgf passou então ao esportivo Escort Twin Cam (duplo comando em inglês), que inaugurou sua tradição em competições (leia quadro abaixo). O para-choque dianteiro em duas partes indicava aos conhecedores que ali atrás não estava um carro qualquer.

Próxima parte

 

Nas pistas

Campeonato Britânico de Sedãs (1968)
Campeonato Britânico de Sedãs (1968)
Rali da Inglaterra (1968)
Rali da Inglaterra (1968)
Rali Londres-México
Rali Londres-México (1969)

Em 1968 o Escort substituiu nas competições o bem sucedido Ford Cortina, que teve versões apimentadas pela Lotus, mas era grande e pesado demais para ralis. Antes mesmo que o modelo ganhasse as ruas, o departamento de competições da marca iniciara a adaptação do máximo de componentes — motor, transmissão, suspensões — do Lotus Cortina ao leve e robusto monobloco do pequeno Escort.

O potente Twin Cam estreou no asfalto ainda em 1968, no Campeonato Britânico de Sedãs, usando o motor de 16 válvulas e mais de 200 cv que a Ford empregava na Fórmula 2. Mas em provas de todo tipo de terreno é que o novo carro faria fama mundial. No ano de estreia Roger Clark vencia o Rali das Tulipas, nos Países Baixos, e o da Acrópole, na Grécia, deixando para trás dois Porsches 911, enquanto o jovem finlandês Hannu Mikkola ganhava o Rali dos Mil Lagos em sua pátria no começo de uma carreira brilhante.

Pilotos daquele país — como Hannu Mikkola, Markku Alen, Ari Vatanen, Timo Salonen e Juha Kankkunen — sempre fizeram bonito nos ralis de todo o planeta. Outro bom de braço, o sueco Bengt Soderström, vencia com o Twin Cam no mesmo ano o Rali dos Alpes, na Áustria. Em 1969, mais três vitórias — Alpes, Tulipas e Mil Lagos — e o título de campeão europeu. O Twin Cam de 160 cv tinha como concorrentes o Alpine-Renault A110, o BMW 2002 TI e o Lancia Fulvia 1600 HF.

RS 1600 no Grupo 2 (1972)
RS 2000 (1973)
DRM, Grupo 5 (1975)

No ano seguinte o Escort GT com motor de 1,85 litro vencia a prova Londres-Cidade do México, de mais de 25 mil quilômetros; chegou ainda em 3º., 5º., 6º., 8º. e 23º. lugares. Depois de percorrerem várias capitais e cidades famosas da Europa, 71 carros deixaram o velho continente em Lisboa, no navio Derwent, e chegaram ao Rio de Janeiro. Em seguida, muito chão pela América do Sul e pela América Central até a terra dos astecas. Participaram várias equipes oficiais de fábrica, particulares, amadores e aventureiros. O Escort venceu ainda o rali World Cup, com um motor V6 de 2,3 litros, e o dos Mil Lagos.

As vitórias prosseguiram: em 1972 o RS 1600 fazia sua estreia e vencia o Rali Safári no leste africano, o RAC (Royal Automobile Club) na Inglaterra e o de Hong Kong; no ano seguinte ganhava o Mil Lagos, o RAC e o de Heatway, na Nova Zelândia; em 1974, uma dobradinha no Mil Lagos, outra no Tour of Britain (com o RS 2000) e mais uma vitória no RAC. O Escort foi bem sucedido também no Deutsche Rennsport Meisterschaft (campeonato de corridas alemão), categoria antecessora do DTM disputada entre 1972 e 1985. A equipe Zakspeed Racing conquistou quatro títulos com ele, pilotado por Dieter Glemser em 1973 e 1974 e por Hans Heyer em 1975 e 1976.

Rali de Gales (1975)
Rali Safári (1977)
Rali da Escócia (1978)
Rali da Escócia (1978)

A segunda geração, que estreava nas pistas em 1975, foi o carro de ralis mais bem sucedido de seu tempo: 17 vitórias até 1981. No primeiro ano o RS 2000 ganhava a prova do RAC nas mãos de Timo Mäkinen, apesar da intensa concorrência de Lancia Stratos, Fiat 131, Alpine, Opel Ascona e Peugeot 504. Pilotado pelo finlandês Ari Vatanen, o RS 1800 faturava um ano depois o Campeonato Britânico de Rali. No Mundial vencia novamente o RAC, chegava em 2º. no Mil Lagos e em 4º. no de Monte Carlo.

O Escort era campeão mundial de rali em 1977 com Mäkinen, Mikkola e Clark e vencia provas como o RAC, o Safári, o Rali Weser-Ems (Alemanha), o Acrópole e o Mil Lagos. Mais vitórias no ano seguinte, entre as quais o RAC, o Circuit des Ardennes (França) e os Ralis da Suécia e do Chipre. O sueco Björn Waldegård era campeão entre os pilotos com o RS 1800, vencendo os ralis Acrópole e de Quebec (Canadá), e a Ford levava o título de construtores em 1979.

Depois de duas vitórias em 1980, Vatanen garantia no ano seguint o troféu de pilotos no Mundial de Rali (venceu no Brasil, na Acrópole e no Mil Lagos) com o mesmo modelo de Escort, diante da feroz concorrência do bem mais moderno Audi Quattro de tração integral. O RS 2000 dessa geração chegou a obter 270 cv, mas não foi a única versão bem sucedida: Escorts mais acessíveis podiam ser transformados em grandes competidores com custos moderados, o que foi feito com êxito não só na Europa, mas também na África do Sul, na Austrália e na Nova Zelândia.

RS 1700T (1982)
RS 1700T (1982)
Ralis (1984)
Ralis (1984)
RS Cosworth, Rali de Portugal (1993)
RS Cosworth, Rali de Portugal (1993)

Quando o Escort de rua já usava tração dianteira, nos anos 80, uma versão de tração traseira foi desenvolvida para os ralis da categoria de carros superpotentes Grupo B. O RS 1700T usava motor Cosworth de 1,8 litro com turbo e mais de 300 cv, sendo uma unidade Hart (de Fórmula 2) de 2,4 litros também estudada. A carroceria era a do terceiro Escort, mas com quatro faróis circulares e para-lamas bem largos. Contudo, o carro apresentou problemas e a Ford logo engavetou o projeto, passando a trabalhar em um modelo todo novo e com tração integral: o RS 200, que teria vida curta com o encerramento da categoria após graves acidentes. Apesar disso, pilotos particulares usaram essa geração em ralis.

Ao fim daquela década a fábrica buscava um sucessor nos ralis para o Sierra RS Cosworth, que estava em fim de produção e, como o Lotus Cortina dos anos 60, era grande e pesado demais para tal aplicação. Stuart Turner, diretor de competições da Ford, então propôs:  “Por que não tentamos usar a plataforma e o trem de força do Sierra, encurtá-la e ver se a carroceria do novo Escort se encaixa?”. A ideia podia parecer absurda, pois o Escort tinha motor transversal e tração dianteira, enquanto o Sierra básico usava motor longitudinal e tração traseira. Mas os estudos indicaram viabilidade e o projeto começou em 1988.

RS WRC (1995)
RS WRC (1995)
RS WRC (1995)
RS WRC (1995)
RS WRC (1995)
RS WRC (1995)

O Escort RS Cosworth obtinha sua homologação em janeiro de 1993, usando uma versão do motor de rua com potência declarada de 300 cv, embora a estimativa seja de cerca de 350 cv reais. Com câmbio manual de seis marchas, suspensões McPherson em ambos os eixos e peso de 1.230 kg com piloto, acelerava de 0 a 100 km/h em cerca de três segundos. Ele começava a correr no mesmo ano, vencendo os Ralis de Portugal, da Córsega, da Acrópole e da Catalunha pelo Mundial de Rali. No ano seguinte faturava as provas de Monte Carlo e dos Mil Lagos, em 1995 obtinha dois segundos lugares e um ano mais tarde vencia na Indonésia. Pilotos como o espanhol Carlos Sainz, o francês François Delecour, o italiano Massimo Biasion e o finlandês Tommi Mäkinen esbanjaram competência a seu volante.

Com o encerramento da produção do RS Cosworth de rua, o Escort de rali foi revisto para a temporada de 1997, da qual participaria na classe World Rally Cars. O motor agora produzia 310 cv declarados, o câmbio era do tipo sequencial e a suspensão traseira evoluía a partir de técnicas do Mondeo. Grade, tomadas de ar, para-choques e aerofólio traseiro eram remodelados. Naquele ano, Sainz venceu com ele os Ralis da Acrópole e na Indonésia, mas no seguinte — o último de sua carreira esportiva — ele não passou do segundo lugar. Foi dirigido nessa fase por outros notáveis como o alemão Armin Schwarz e os experientes finlandeses Kankkunen e Vatanen.

Com Francis Castaings

* Bob Sharp colaborou com o texto original que foi base para este artigo

Próxima parte