Fiat Coupé aplicou criatividade à plataforma do Tipo

Com inspiração nas linhas e no interior, os italianos tiveram êxito em uma fórmula bem conhecida na indústria

Texto: Fabrício Samahá – Fotos: divulgação

 

Os italianos sempre sonharam com Ferrari, Lamborghini, Maserati — mas quem não podia comprar um deles contava com opções mais acessíveis. A Fiat, embora mais conhecida por automóveis populares, tem em sua história carros esporte como o 8V, o Dino e o pequeno X 1/9 de motor central-traseiro, além de pequenos cupês como os das linhas 850, 124 e 128. E, claro, o assunto de nossa história: o Coupé dos anos 90.

A origem do Coupé não foi diferente da de muitos outros esportivos, como Ford Capri (lançado em 1968), Opel Manta (1970) e Calibra (1989), Renault Fuego (1980) e Volkswagen Scirocco (1974) e Corrado (1988). A plataforma de um modelo de grande produção — no caso o Tipo de 1988 — serviu de ponto de partida para criar um cupê empolgante, tanto no desenho quanto no desempenho das versões mais “quentes”.

Quase um desconhecido à época, o autor de seu estilo faria fama — para o bem e para o mal — na década seguinte ao criar desenhos controversos na BMW: o norte-americano Chris Bangle, que trabalhou sob supervisão do centro de estilo da Fiat. Apresentado no Salão de Bruxelas de 1993 e colocado à venda em fevereiro de 1994, o Coupé chamava atenção pela frente “limpa” com faróis duplos (os baixos elipsoidais) sob coberturas de policarbonato, os nove elementos de admissão de ar sob a grade principal e o enorme capô que encontrava os arcos de rodas dianteiros.

 

Detalhes nos para-lamas já constavam do desenho inicial do Coupé (embaixo), mas não as lanternas circulares; à direita, quatro dos cupês da Fiat que o precederam

 

Também vinham sem adornos as laterais, com as maçanetas embutidas nas colunas, e a tampa traseira, ladeada por quatro lanternas circulares inspiradas em Ferraris. Os para-lamas de trás eram cortados por vincos que combinavam com o recorte do capô, detalhe criado ainda nos primeiros modelos de estilo — que ainda não tinham a traseira saliente e as lanternas circulares. Charmosa era a tampa de alumínio do tanque de combustível, inspirada em antigos carros de corrida. Apesar de manter a distância entre eixos do Tipo (2,54 metros), o Coupé era 29 cm mais longo (4,25 m), 7 cm mais largo (1,77 m) e 9 cm mais baixo (1,34 m), o que lhe conferia boas proporções. O coeficiente aerodinâmico (Cx) era bom, mas não expoente: 0,31.

 

 

Um dos destaques era o criativo interior assinado pelo estúdio italiano Pininfarina, que muitos pensam ser também o autor da carroceria — a Fiat chegou a receber uma proposta de estilo da empresa, mas não a adotou. Com uma faixa na cor do carro que ligava porta a porta, passando pelo painel e englobando os instrumentos, o ambiente interno conseguia um ar diferenciado apesar do compartilhamento de peças com o Tipo e outros modelos da marca. A capacidade de bagagem era adequada, 295 litros.

De início o Coupé usava dois motores de 2,0 litros, quatro cilindros e quatro válvulas por cilindro: o aspirado, com potência de 139 cv e torque de 19 m.kgf, e o turboalimentado com 190 cv e 29,6 m.kgf, similar ao do Lancia Delta Integrale. Com este, acelerava de 0 a 100 km/h em 7,5 segundos e alcançava velocidade máxima de 230 km/h, de acordo com a fábrica. Ambos tinham árvores de balanceamento para anular vibrações e ligavam-se a uma transmissão manual de cinco marchas com tração dianteira.

 

O desenho de Chris Bangle e o interior da Pininfarina ocultavam bem suas origens: plataforma de Tipo, seu motor de 2,0 litros e o turbo de 190 cv do Lancia Delta

 

Para lidar com a elevada potência, o Turbo trazia diferencial autobloqueante por acoplamento viscoso Ferguson Viscodrive, recurso então raro. As suspensões independentes, cedidas pelo Tipo, eram McPherson à frente e por braços arrastados na traseira. Com freios a disco nas quatro rodas e sistema antitravamento (ABS) de série, o Coupé usava pneus 195/55 R 15 na versão aspirada e 205/50 R 16 na Turbo e pesava a partir de 1.250 kg. Era produzido em Turim na Pininfarina.

 

Com o motor de cinco cilindros e 2,0 litros do Marea, ajustado para 220 cv, o Coupé alcançava a máxima de 250 km/h: era o carro mais veloz que a Fiat havia feito

 

A revista inglesa Top Gear comparou o Turbo ao Honda Prelude, ao Nissan 200 SX e ao VW Corrado VR6: “De 0 a 96 km/h o Fiat e o Nissan foram pescoço a pescoço, com tempos idênticos de 6,8 segundos, mas o motor do Coupé é muito mais fácil de lidar. Ele começa a trabalhar com menor rotação e empurra solidamente até 7.000 rpm. Os freios do Fiat são os melhores do grupo e seu comportamento é ótimo. O Coupé tem desempenho soberbo, um chassi que não fica para trás, um motor refinado e interior com espaço para quatro adultos. E ainda torce pescoços”.

Menos vigoroso, o Coupé aspirado ainda agradou à alemã Auto Motor und Sport: “O motor soa forte, mas não esportivo. A velocidade máxima de 208 km/h e 0-100 km/h em 9,7 s estão em uma classe convencional. Direção e transmissão enfatizam a sensação de agilidade e estabilidade. Mesmo em curvas velozes, ele é bem controlável e quase neutro. Em vista do acerto esportivo, o rodar é curto e seco e os impactos chegam quase sem absorção aos passageiros. Mesmo com motor aspirado, o Coupé provoca emoções e é, sem dúvida, o carro de melhor qualidade da marca. É apenas um pequeno passo para a humanidade, mas um grande salto para a Fiat”.

 

Motores de cinco cilindros e até 220 cv deixavam o Coupé mais rápido e atraente; a Limited Edition (em cinza) tinha bancos Recaro, freios Brembo e seis marchas

 

Os motores davam lugar na linha 1997 aos de cinco cilindros em linha e 2,0 litros, que teríamos no Marea: o aspirado de 147 cv e o turbo de 220 cv (no sedã foi limitado a 182 cv), ambos com quatro válvulas por cilindro e árvore de balanceamento. Capaz de 0-100 em 6,5 segundos e máxima de 250 km/h, o Turbo era o carro mais veloz que a Fiat havia feito. Aparecia também uma versão com o motor do conversível Barchetta de 1,75 litro, 131 cv e 16,7 m.kgf, que equiparia Brava HGT e Marea no Brasil. O interior recebia novos console e sistema de áudio.

 

 

Outra inglesa, a Car, pôs o novo Coupé Turbo lado a lado ao Prelude e ao 200 SX: “O Fiat é aquela coisa incomum, um carro que não parece nenhum outro. É o mais curto, mas o mais espaçoso. Bom gosto visual e qualidade sólida fazem-no se sentir bem no Fiat. Que ele anda mais rápido não é surpresa diante de seus músculos monstruosos: 0 a 96 km/h em 6,6 segundos contra 7,2 s do Nissan e 8,8 do Honda. Nós ‘babamos’ no Coupé desde o começo de sua brilhante carreira e, com o novo motor para justificar seu estilo, ele é uma fantasia que se realiza. A escolha entre as qualidades dos outros dois é acadêmica: compre o Fiat e leve todas elas”.

O motor 2,0 aspirado passava a 154 cv, em 1998, pela adoção de coletor de admissão variável. A série Limited Edition aparecia para o ano seguinte com bancos Recaro de couro, caixa de seis marchas e freios Brembo mais potentes, além de botão de partida e um pacote aerodinâmico de efeito questionável sobre seu estilo. Ainda mais rápida, cumpria o 0-100 em 6,3 s. Elementos semelhantes chegavam mais tarde à versão regular. Uma série final, a Last Edition, foi oferecida em 2000.

 

O Coupé despedia-se em 2000 com a Last Edition, também com itens especiais: depois dele a Fiat não mais participou da classe dos cupês esportivos

 

O Coupé foi trazido ao Brasil em 1995 na versão 2,0 aspirada, que compartilhava o motor do Tipo 16V vendido aqui com 137 cv. Como lá, despertava grande atenção nas ruas e não dava pistas de que a plataforma se originasse do hatch. Sua carreira foi curta por aqui: encerrou-se em 1997 após 980 unidades vendidas e não recebemos as versões mais potentes, embora se saiba que vieram alguns Turbos de quatro cilindros.

Foram fabricados 72 mil Coupés até 2000. Ele nunca teve sucessor, assim como o Calibra, o Prelude, o 200 SX (Silvia) ou o Ford Cougar de 1998, derivado do Mondeo. Para boa parte dos grandes fabricantes, infelizmente, esse segmento de carros empolgantes sobre plataformas comuns perdeu sentido nas últimas décadas.

Mais Carros do Passado