Ferraris V8: uma longeva série no centro das atenções

Ferrari F430 Spider 2005

 

Ferrari F430 Spider 2005
Ferrari F430 Spider 2005
 
O motor continuava à mostra no F430 Spider, que mantinha a mecânica
do modelo fechado e acelerava de 0 a 100 em apenas 0,1 s a mais

 

De acordo com a Motor Trend, o Spider ainda entusiasmava: “Brilhante também é o câmbio F1, com trocas rápidas e suaves — não surpreende que 80% dos compradores estejam abrindo mão do manual em seu favor. A suspensão é mágica, com um rodar firme, mas confortável. Mova rápido o volante em uma curva e a frente obedece de modo quase telepático, sem exigir musculatura. Em modo Sport o diferencial bloqueia mais agressivamente, produzindo subesterço. Altere para Race e o comportamento muda, dando mais meios para você se perder. Ainda assim, em vias públicas o Ferrari tem aderência demais para fazer a traseira sair”.

 

Pelo manettino no volante o motorista
ajustava os sistemas do F430 entre modos
Ice, Low Grip, Sport, Race e CST Off

 

A inglesa Evo comparou o Spider ao Lamborghini Gallardo Spyder: “É uma lâmina precisa, o F430. Seu equilíbrio de chassi permanece empolgante, explorável e ajustável em minutos. Em momentos que tiravam o fôlego o Ferrari estava sempre comigo, fechando a curva sem reclamar, com um mínimo subesterço como único sinal de meu mau julgamento. Para um carro de motor central tão ágil, é impressionante o quanto ele perdoa”. Embora decidir entre eles fosse “quase impossível”, a revista concluiu a favor do Gallardo por pequena margem.

 

Ferrari F430 Scuderia 2007

 

Ferrari F430 Scuderia 2007
Ferrari F430 Scuderia 2007
 
Mais leve em 200 kg, mais potente e mais rápido nas trocas de marcha,
o F430 Scuderia vinha ainda com bancos especiais e outras rodas

 

Uma evolução do F430 aparecia em 2007: o Scuderia, nome pelo qual é conhecida a equipe de Fórmula 1 da Ferrari. Era uma variação com prioridade ao desempenho, mesmo que em detrimento do conforto — e capaz de encarar uma pista sem grandes alterações. Componentes mais leves e redução de acabamentos permitiram baixar o peso em 200 kg, para 1.250 kg, enquanto o motor V8 passava para 510 cv. O câmbio F1 Superfast mudava de marcha em 60 milésimos de segundo e, pela primeira vez, o diferencial E-Diff era associado ao controle de tração e estabilidade F1-Trac. De resto, novas rodas, defletores e faixas longitudinais, além dos bancos mais esportivos.

 

 

O Scuderia foi comparado pela Road & Track à versão básica: “Enquanto o F430 é um supercarro altamente civilizado que pode ser levado a extremos, o Scuderia já está no limite, apto a dar voltas na pista de Fiorano tão rápido quanto um Enzo. Mesmo assim, ele tem uma segunda natureza que não o impede de ser dirigido como seu gêmeo não tão diabólico”.

O conversível recebia o pacote Scuderia na edição especial Scuderia Spider 16M, que comemorava o 16°. título de Construtores da Ferrari na Fórmula 1. Lançada em 2008, tinha apenas 499 unidades com o número de série numa plaqueta no painel, o motor de 510 cv, controle de tração com E-Diff e peso reduzido a 1.440 kg (menos 80 kg). Os arcos de proteção atrás dos bancos tinham acabamento em fibra de carbono e o sistema de áudio era associado a um Ipod Touch Ferrari de 16 GB. A empresa anunciava máxima de 315 km/h e 0-100 em 3,7 segundos.

 Próxima parte

 

Os especiais

 

308 GTS Emblem Sports Cars V12
308 GTS Emblem Sports Cars V12
308 GTB Zender
308 GTB Zender

 

Quem não considera suficiente o desempenho de um Ferrari também tem a quem recorrer, como se viu muitas vezes com os modelos V8.

A Emblem Sport Cars, concessionária do piloto Nigel Mansell em Dorset, Inglaterra, preparou um 308 GTS com motor V12. O proprietário do modelo azul de 1985 pediu a unidade de 4,0 litros do modelo 400, o que levou o GTS a mais de 320 km/h. Em regra a Ferrari não vende motores para esse fim, mas se acredita que Mansell, piloto da escuderia em 1989 e 1990, tenha obtido certos privilégios. A empresa fez também versões preparadas do GTB e do GTS Quattrovalvole e pacotes aerodinâmicos. A Zender alemã oferecia conjuntos com defletores dianteiro e traseiro para o 308 GTB.

 

Koenig F48
Koenig F48
348 TB Imola Racing
348 TB Imola Racing

 

Na década de 1980 a Koenig Specials — preparadora alemã de Munique — oferecia retrabalhos para modelos de diferentes calibres. Em 1991, com base no 348 TB, ela apresentou o F48 em alusão ao F40, lançado quatro anos antes pela Ferrari. Não só o nome era semelhante: das tomadas de ar ao vistoso aerofólio traseiro, o carro lembrava muito o F40.

O motor V8 de 3,4 litros recebia dois turbos, passando a 520 cv e 51 m.kgf. Com pneus dianteiros 245/40 e traseiros 335/35 em rodas de 17 pol, o Koenig prometia acelerar de 0 a 100 km/h em 3,9 segundos e atingir 320 km/h, marcas próximas às do F40. Outra preparação sobre os 348, tanto cupê quanto Spider, foi a da Imola Racing.

 

348 Elaborazione Zagato
348 Elaborazione Zagato
F355 Imola Racing
F355 Imola Racing

 

O estúdio Zagato fez um 348 especial entre 1991 e 1992, o Elaborazione, com novos para-choques, laterais, tampa do motor, lanternas traseiras triplas e aerofólio móvel com acionamento elétrico. Não poderia faltar o teto em forma de dupla bolha, característico da empresa. O interior recebia acabamento com camurça sintética e tela de 3 pol para as imagens da câmera traseira, um requinte na época. A mecânica, salvo pelas rodas OZ, não tinha alterações.

Lançado o F355, a Koenig pôs as mãos no novo V8. Os dois turbos renderam desta vez 560 cv e 57 m.kgf, o bastante para alcançar 330 km/h, e o carro recebeu rodas de 18 e 19 pol, molas mais baixas, novos anexos aerodinâmicos, freios especiais e bancos do tipo concha. A Imola também teve sua interpretação para o modelo.

 

Koenig KS 360
Koenig KS 360
360 Novitec Rosso Super Sport
360 Novitec Rosso Super Sport

 

Da mesma Koenig vinha o KS 360, um Modena com 600 cv e 58,1 m.kgf obtidos com dois turbos e extensas alterações internas. De acordo com a empresa, ele chegava a 100 km/h em 3,6 segundos e atingia 330 km/h. O escapamento podia ter até seis saídas. Outras opções eram rodas de até 19 pol com pneus 295/30 na traseira, aerofólio, bancos mais esportivos e sistema de áudio, TV e telefone.

A Novitec fez em 2003 seu 360 Modena Super Sport, com dois turbos no V8 para alcançar 606 cv e 62,7 m.kgf, o bastante para máxima de 305 km/h e 0-100 em 3,7 segundos. Rodas de 18 pol, suspensão e freios revistos também eram oferecidos. Imola Racing e Hamann ofereceram seus trabalhos ao mesmo modelo.

 

F430 Hamann
F430 Hamann
F430 Novitec Rosso
F430 Novitec Rosso

 

A Hamann revelava em 2005 seu F430 com defletor dianteiro, saias laterais, aerofólio e extrator de ar traseiros, que podiam usar fibra de carbono. As rodas de 19 pol recebiam pneus 285/35 atrás e o interior ganhava bancos esportivos. Um escapamento refeito resultava em mais 48 cv (total de 538) e a suspensão recebia ajuste dos amortecedores com comando elétrico. Freios com discos de carbono-cerâmica fechavam o pacote.

Também sobre o F430, a Novitec Rosso fez o Bi-Compressor Evoluzione. Dois compressores levavam o V8 até 656 cv e 67,5 m.kgf, para máxima de 348 km/h e 0-100 em 3,7 s, desempenho próximo ao do supercarro Enzo. A preparação incluía freios Novitec Brembo, molas ajustáveis, rodas de 20 pol com pneus traseiros 345/20, conjunto aerodinâmico e cobertura do motor em fibra de carbono. Por dentro os bancos mais envolventes tinham revestimento em dois tons de camurça sintética.

 

F430 Spider 16M Anderson
F430 Spider 16M Anderson
458 Italia Novitec Rosso
458 Italia Novitec Rosso

 

Já a alemã Anderson Germany modificou a edição limitada Spider 16M do F430 com novos para-choques, aerofólio e elementos em fibra de carbono. As rodas passavam a 20 pol, a suspensão recebia controle eletrônico de amortecimento e, com novos catalisadores e cabeçotes, o motor chegava a 570 cv. A versão Hamann para o F430 Spider incluía portas que lembravam asas.

A mesma Novitec revelava em 2011 seu 458 Italia com mais 39 cv e silenciador cujo ronco podia ser alterado por um botão no volante. Com 609 cv e 58 m.kgf, superava 330 km/h. Além de anexos de fibra de carbono, ganhava teto, capô dianteiro e para-lamas do mesmo material. A suspensão era rebaixada e rodas de até 22 pol, com pneus 335/25 atrás, podiam ser aplicadas. DMC Milano, Edo Competition, Hamann, Hennessey Performance, Mansory e Vorsteiner, entre outras, também puseram as mãos no 458.

 Próxima parte