VW Golf brasileiro sai de linha nas versões 1,0 e 1,4

 

A Volkswagen confirmou o fim de produção das versões Comfortline e Highline do Golf, com motores turbo de 1,0 e 1,4 litro, no Brasil. Agora apenas o esportivo GTI sai da fábrica de São José dos Pinhais, PR, a mesma onde começa a ser feito o T-Cross — não uma coincidência, pois os SUVs compactos hoje cobrem parte importante do mercado que um dia foi dos hatches médios. No ano passado foram vendidos apenas 3.070 unidades do modelo (leia avaliação do Comfortline).

 

 

 

Curiosamente, volta-se à situação de 25 anos atrás, quando o GTI (acima) era o único Golf disponível no Brasil. Era então importado do México, com três portas e motor aspirado de 2,0 litros — meses mais tarde começavam a chegar as versões de cinco portas GL 1,8, alemã, e GLX 2,0, mexicana. O Golf foi nacionalizado em 1999, já na geração seguinte (a quarta dos alemães), e nela permaneceu até 2013, quando recebemos da Alemanha a sétima geração. Esta ganhava produção local em 2016.

 

 

Além do GTI, a linha Golf deve receber nos próximos meses a versão GTE alemã (acima), um esportivo híbrido com recarga externa (plug-in). Ele usa motor turbo a gasolina de 1,4 litro e 150 cv somado a um elétrico de 102 cv, conjunto que obtém 204 cv e 35,7 m.kgf. Acelera de 0 a 100 km/h em 7,6 segundos, pode rodar 50 km em modo elétrico e até 880 km com ambas as fontes de energia somadas. Entretanto, ainda este ano deve ser lançado na Europa o Golf de oitava geração, que tem chances de vir ao Brasil por importação.

Texto da equipe – Fotos: divulgação