Toyota Mirai, primeiro à venda com pilha a combustível

Toyota Mirai 04

 

O Toyota Mirai, versão de produção do FCV que esteve no Brasil para o Salão de São Paulo, começa a ser vendido no Japão em abril e na Europa e nos Estados Unidos no terceiro trimestre de 2015. É o primeiro carro com pilha a combustível à venda ao público no mundo, pois o Honda FCX Clarity (de mesma tecnologia) esteve disponível nos EUA apenas em um programa de arrendamento (leasing) sem possibilidade de compra. O desafio à Toyota foi viabilizar a caríssima tecnologia: o preço do carro no Japão está previsto em 7 milhões de ienes (cerca de R$ 157 mil), mas há rumores de que o fabricante assumiria um prejuízo de até 100 mil euros (R$ 326 mil) por unidade.

 

 

A energia elétrica usada pelo motor do Mirai provém da reação eletroquímica entre hidrogênio (combustível pelo qual é alimentado) e oxigênio. O carro conduz o oxigênio da atmosfera a uma estação, para a qual o hidrogênio de dois tanques também é direcionado. Dentro dela, a pilha a combustível divide o hidrogênio em duas moléculas e gera uma carga elétrica; ao mesmo tempo o oxigênio se une às células de hidrogênio, formando água. A energia elétrica é então direcionada ao conversor, que alimenta o motor do carro, e apenas água é expelida por uma válvula na parte inferior (não há escapamento). A imagem da mecânica é do conceito FCV.

 

Toyota FCV

 

De estilo um tanto controverso, o Mirai anuncia autonomia (480 km) e tempo de abastecimento total de hidrogênio (menos de cinco minutos) bastante viáveis como alternativa a um carro a gasolina, mas não foram divulgados dados de desempenho. O que deve consistir dificuldade é obter o hidrogênio, mesmo com a instalação prevista de 12 novas estações nos estados de Nova York, Massachusetts, Nova Jérsei, Rhode Island e Connecticut, nos EUA.

 

Texto: Fabrício Samahá – Fotos: divulgação