Renault Sport encerra produção do Mégane III RS

Renault Megane RS final

 

A divisão Renault Sport produziu a última unidade do Mégane RS da terceira geração, ou X95 pelo código de projeto, na fábrica de Palência, Espanha. Foram cerca de 30 mil desses esportivos em sete anos, que ajudaram na imagem esportiva da marca em mais de 30 países. Lamentamos que para o Brasil ele tenha vindo apenas para exposições e eventos de imprensa (leia nossa avaliação), sem ter concretizada sua importação.

O Mégane III RS estreou na linha 2010 com motor turbo de 2,0 litros, potência de 250 cv e torque de 34,7 m.kgf, associado a caixa manual de seis marchas e rodas de 18 pol, para acelerar de 0 a 100 km/h em 6,1 segundos e atingir a máxima de 250 km/h. No ano seguinte a série Trophy vinha com 265 cv e 36,7 m.kgf (para 6 s e 255 km/h), valores que se tornaram padrão no RS em 2012. Novo aumento de potência (275 cv e o mesmo torque) era feito em 2014 no RS 275 Trophy (fotos abaixo), capaz de 0-100 em 5,8 s sem aumento de velocidade.

A tração apenas dianteira, mantida em todas as versões, não impediu que ele sobressaísse nos tempos de volta no circuito alemão de Nürburgring: a versão RS 275 Trophy R o percorreu em 7 min 54 s 36, em 2014, um recorde para modelos com essa disposição mecânica na época, batido mais tarde pelo Honda Civic Type R e o VW Golf GTI Clubsport S.

A nova geração do Mégane RS, esperada para o próximo ano ou começo de 2018, deve adotar motor turbo de 1,8 litro com cerca de 300 cv, compartilhado com o cupê esporte Alpine, e receber a opção de caixa automatizada de dupla embreagem e sete marchas. Há quem afirme que a tração será integral, o que faz certo sentido nesse patamar de potência.

 

 

Texto da equipe – Fotos: divulgação