Mercedes F015 vai além da condução autônoma

Mercedes-Benz F015 03

 

A Mercedes-Benz escolheu a Consumer Electronics Show (CES) de Las Vegas, nos EUA, para apresentar o carro-conceito F015 Luxury in Motion. Trata-se de um modelo de condução autônoma bastante ousado já na aparência, com um perfil suave e contínuo e portas que se abrem em sentidos opostos e de forma independente para amplo acesso, sem coluna central. Enorme, o carro mede 5,22 metros de comprimento, 2,02 m de largura, 1,52 m de altura e nada menos que 3,61 m (o comprimento de um VW Up) de entre-eixos. Iluminação e sinalização baseiam-se em leds.

 

 

Sofisticado com sua combinação de madeira, alumínio e couro Nappa, o interior do F015 permite grande flexibilidade: os quatro bancos podem girar, para compor uma sala de estar ou de reuniões, e movem-se na direção das portas quando estas são abertas para facilitar entrada e saída. O volante surge do painel apenas se o motorista optar pela condução manual. O painel de comandos reconhece para onde o condutor olha e pode ser acionado por toques e gestos próximos às telas. Um aplicativo para celular habilita-o a configurar funções ou comandar que o carro estacione por si mesmo.

 

Mercedes-Benz F015 13

 

A condução autônoma foi levada adiante pela Mercedes. O conceito não apenas dirige por si próprio, por meio de tecnologias que a marca já vem demonstrando há algum tempo, como é capaz de identificar que um pedestre está prestes a atravessar a via, sinalizar com leds que vai aguardar sua travessia e emitir-lhe um sinal sonoro Please go ahead (por favor, vá em frente). Durante o processo, os leds traseiros alertam outros motoristas para a travessia. Eles também exibem, de forma automática, mensagens como slow (diminua) e stop (pare) a quem vem atrás.

A estrutura do F015 associa aço, alumínio e plástico reforçado com fibra de carbono para reduzir seu peso em 40%, segundo a Mercedes. Como proteção adicional, elementos inflam-se abaixo da linha das janelas quando atingidos em colisões laterais. A mecânica prevê o uso de pilha a combustível, com tanques de hidrogênio feitos de fibra de carbono, e dois motores elétricos com potência de 136 cv e torque de 20,4 m.kgf em cada um. Uma bateria recarregável por indução, que dispensa fios, permite rodar em locais restritos. A fábrica anuncia autonomia de 1.100 km, sendo 900 com a eletricidade obtida do hidrogênio e 200 apenas com a da bateria, e boa aceleração (de 0 a 100 km/h em 6,7 segundos) com consumo muito baixo: 600 gramas de hidrogênio por 100 km.

 

Texto: Fabrício Samahá – Fotos: divulgação