Jaguar XE começa em R$ 169.900; conheça versões

Jaguar XE 09

 

A Jaguar lança no Brasil o sedã médio XE, que se posiciona abaixo do XF e na mesma categoria de Audi A4, BMW Série 3, Lexus IS, Mercedes-Benz Classe C e Volvo S60. Foram definidas quatro versões de acabamento (Pure, Pure Tech, R-Sport e S) e duas opções de motores (turbo de quatro cilindros e 2,0 litros e V6 de 3,0 litros com compressor), sempre com câmbio  automático ZF de oito marchas. O XE tem elementos como 75% da estrutura em alumínio, o melhor coeficiente aerodinâmico (Cx) já visto em um Jaguar (0,26), sistema de entretenimento In Control Touch com tela tátil de oito polegadas, seletor de modos de condução (programas Eco, Normal, Inverno e Dinâmico) e o primeiro sistema na categoria a usar laser para projetar informações no para-brisa.

 

 

A versão de entrada, a Pure de 2,0 litros, custa R$ 169.900 e vem de série com bancos em couro Luxtec, monitoramento de pressão nos pneus, faróis de xenônio com leds para luz diurna, seletor de modos de condução e sistema de áudio com navegador. O Pure Tech 2,0, de R$ 177.000, acrescenta teto solar com comando elétrico, câmera traseira de manobras e limpadores de para-brisa automáticos. Na R-Sport de mesmo motor (R$ 199.900) o conteúdo inclui rodas de 18 pol, anexos aerodinâmicos, novos para-choques, bancos esportivos revestidos em couro Taurus com memória nos dianteiros, suspensão mais firme, faróis adaptativos com assistente de farol alto e sistema de áudio Meridian com 11 alto-falantes. Para todas elas o motor tem potência de 240 cv e torque de 34,7 m.kgf.

O topo de linha é o XE S, de R$ 299.000, único a ter o V6 de 340 cv e 45,9 m.kgf, que permite acelerar de 0 a 100 km/h em 5,1 segundos. A versão traz ainda controle eletrônico dos amortecedores, revestimento em couro e camurça sintética (com opção de apenas couro), para-choque dianteiro exclusivo, rodas de 19 pol, projeção de informações no para-brisa, acesso ao interior com chave presencial, sensor de estacionamento com cobertura em 360º e monitor de ponto cego. Com tração traseira, o sedã traz recursos como vetorização de torque e o sistema All Surface Progress Control, um gerenciamento de tração que atua até 30 km/h e mantém a velocidade sem que se usem os pedais.

 

Texto da equipe – Fotos: divulgação