Honda Accord faz 40 anos: veja seu histórico nos EUA

 

A Honda comemora este mês 40 anos do lançamento do Accord, anunciado como o automóvel (picapes e utilitários esporte não contam) mais vendido dos Estados Unidos no período, com 12,7 milhões de unidades entregues aos norte-americanos. Dessas, 10 milhões foram feitas lá mesmo em Marysville, Ohio, na fábrica inaugurada em novembro de 1982: era a primeira unidade de um fabricante japonês nos EUA.

Embora na década de 1990 a Honda tenha definido versões diferentes do Accord para o mercado norte-americano (em geral com maiores dimensões) e para outros como Japão e Europa, é nos EUA que sua história tem mais relevância. É também de lá que recebemos o modelo, lançado aqui em 1992 logo no período inicial de importações de automóveis pela marca. A seguir, um breve acompanhamento de sua evolução.

 

Primeira geração (1976)

A história começa com um hatch de três portas, compacto para os padrões norte-americanos, com 4,45 metros de comprimento e motor de 1,6 litro com potência de apenas 68 cv. O sedã de quatro portas é acrescentado em 1978; transmissão automática de três marchas, dois anos depois.

 

Segunda geração (1982)

Na fase que inaugura a produção nos EUA, injeção eletrônica é um dos avanços: o motor de 1,8 litro passa, com ela, de 86 para 101 cv em 1984. A caixa automática passa a quatro marchas em 1983. O hatch continua na linha.

 

Terceira geração (1986)

O Accord ganha faróis escamoteáveis em uma frente ousada, similar à do cupê Prelude lançado em seguida. Maior (4,55 m), adota suspensões dianteira e traseira por braços sobrepostos e motor de 2,0 litros com até 120 cv.

 

 

Quarta geração (1990)

Agora considerado um carro médio, os Accord volta a usar faróis fixos, mas de perfil bastante baixo, assim como o capô. O motor nos EUA passa a 2,2 litros e até 130 cv, freios trazem sistema antitravamento (ABS) e surge um cupê, mas o hatch deixa de existir. De 1989 a 1991, é líder por lá entre os automóveis. As vendas no Brasil começam em 1992.

 

Quinta geração (1994)

Mais arredondado e com certo ar europeu, o Accord recebe o sistema VTEC de variação de levantamento das válvulas. Agora mede 4,67 m e ganha uma versão V6 de 2,7 litros e 170 cv. Cupê e perua acompanham o sedã.

 

Sexta geração (1998)

As formas estão mais tradicionais, em consonância com o amadurecimento de seu público: o Civic, em crescimento, passa a ocupar seu antigo espaço. O modelo norte-americano torna-se bem diferente do europeu. O Accord chega a 4,80 m de comprimento e perde a versão perua nos EUA. Os motores são quatro-cilindros de 2,3 litros e V6 de 3,0 litros, este com 200 cv.

 

Sétima geração (2003)

A diferenciação para o modelo japonês/europeu é acentuada, a ponto em que este chega aos EUA como Acura TSX pela marca de prestígio da Honda. Navegador no painel é uma das novidades do sedã, agora com 4,81 m. O motor básico passa a 2,4 litros e o V6 alcança 240 cv; dois anos mais tarde aparece o modelo híbrido (gasolina e eletricidade) e a traseira é remodelada (foto à direita).

 

Oitava geração (2008)

O Accord passa a ser um carro grande pelos padrões dos EUA, com imponentes 4,93 m. O motor 2,4 está com até 190 cv e o V6, que cresce para 3,5 litros e 278 cv, adota desativação temporária de cilindros. Nessa fase ele deixa de ser oferecido na Europa e, em 2012, no Japão.

 

Nona geração (2013)

A mais recente evolução do Accord traz motores de 2,4 e 3,5 litros (este com 278 cv), versão híbrida (com um 2,0-litros e um motor elétrico) e o sistema Sensing, que monitora a frente e atua em caso de risco de colisão. O comprimento é de 4,89 m e, com menor volume interno, ele volta à classificação como médio. Uma reestilização (à direita) é aplicada em 2015.

 

Texto: Fabrício Samahá – Fotos: divulgação