Galerias de imagens do Salão de Frankfurt: Audi

 

O Audi A3 ganha sua versão Cabriolet em nova geração. A capota de tecido pode ser aberta ou fechada automaticamente em apenas 18 segundos, com o carro a uma velocidade de até 50 km/h.

 

 

Todos os motores têm turbo e injeção direta, sendo disponíveis versões a gasolina de 1,4 litro (140 cv)  e 1,8 litro (180 cv) e a diesel de 2,0 litros e 150 cv. O interior pode vir com aparelho de áudio da marca dinamarquesa Bang & Olufsen e sistema de navegação MMI com tela sensível ao toque.

 

 

O E-Tron é a versão híbrida do A3, que começa a ser vendida no ano que vem. Recarregável em fonte externa (plug-in), tem motor turbo de 1,4 litro a gasolina de 150 cv e um elétrico de 75 kW (102 cv). Quando combinados, a potência chega a 204 cv e o torque a 35,7 m.kgf, com consumo de 66,6 km/l e autonomia de 50 km em modo elétrico.

 

 

Lançado em março, o A3 sedã tem o estilo típico da marca e ocupa segmento abaixo do A4. A versão da foto é a esportiva S3, com motor turbo a gasolina de 2,0 litros, 300 cv e 38,8 m.kgf associado a tração integral, para 0-100 em 4,9 segundos.

 

 

Outros motores oferecidos no sedã são todos de quatro cilindros com turbo e injeção direta: de 1,4 litro com 140 cv, de 1,8 litro com 180 cv e turbodiesel de 2,0 litros com 150 cv.

 

 

O Q3 já tem sua versão apimentada: o RS Q3 usa motor de cinco cilindros em linha e 2,5 litros com turbo, que chega a 310 cv e 42,8 m.kgf. Com tração integral e câmbio S-Tronic de dupla embreagem e seis marchas, acelera de 0 a 100 km/h em 5,5 segundos.

 

 

O RS7 é uma versão do grande hatchback A7 ainda mais potente, com motor V8 de 4,0 litros dotado de dois turbos que produz 560 cv e 71,4 m.kgf. Dotado de caixa automática de oito marchas, o RS7 acelera de 0 a 100 km/h em 3,9 segundos e alcança máxima de 305 km/h.

 

 

 

O conceito Sport Quattro do Salão de Paris de 2010 reaparece com nova cor, visual modificado e potência ainda mais alta. O esportivo relembra o Ur-Quattro, o inovador modelo de tração integral que a marca lançou em 1980 para dominar o Mundial de Ralis.

 

 

O carro usa teto, capô e tampa traseira de plástico e fibra de carbono e freios a disco de carbono-cerâmica. A nova versão combina um V8 de 4,0 litros a gasolina com dois turbos, que produz  560 cv e 71,2 m.kgf, a um motor elétrico de 150 cv e 40,8 m.kgf com bateria de íon de lítio.

 

 

O conjunto híbrido resulta em 700 cv e 81,6 m.kgf para acelerar de 0 a 100 em 3,7 segundos e alcançar 305 km/h. Com desativação seletiva de cilindros e parada/partida automática do V8, o Sport Quattro ainda consegue ser econômico (40 km/l em média) e pode rodar 50 km com eletricidade.

 

 

A estrela da Audi é o Nanuk, um esportivo de conceito desenvolvido com o estúdio de projeto Italdesign. As formas e proporções são assemelhadas às do Italdesign Parcour. Como ele, o Nanuk tem motor V10, só que neste caso um turbodiesel de 544 cv com câmbio automático.

 

 

É o suficiente para velocidade máxima de 305 km/h e 0-100 km/h em 3,8 segundos.  As quatro rodas de 22 pol são esterçáveis, as de trás no sentido das da frente em altas velocidades e no sentido contrário em baixas.

 

 

Carros de corrida são comuns nos estandes, como demonstração de tecnologia. O R18 E-Tron Quattro tem propulsão híbrida com motor V6 turbodiesel de 3,7 litros e 510 cv associado a um elétrico. Com muita fibra de carbono, pesa apenas 900 kg.

 

Texto: Fabrício Samahá e José Geraldo Fonseca – Fotos: Fabrício Samahá e divulgação