Corvette C8: motor central de 495 cv e mais sofisticação

 

A Chevrolet apresenta a oitava geração (C8) do Corvette, a primeira em sua história desde 1953 com motor central-traseiro em vez de dianteiro. A alteração técnica visou a melhor distribuição de massas entre os eixos, maior aderência nas rodas traseiras para lidar com alta potência e posição mais avançada do motorista para melhor sensação de controle, sobretudo em pista.

 

 

 

Na versão inicial nem há tanta potência assim, diante do que Corvettes “bravos” ofereceram nos últimos anos: 495 cv e torque de 65 m.kgf, com escapamento mais esportivo, em um V8 aspirado de 6,2 litros que mantém as clássicas duas válvulas por cilindro com comando no bloco. Mesmo assim, beneficiado pelo ganho de tração, o C8 acelera de 0 a 96 km/h em menos de 3 segundos com o pacote Z51 Performance. O carro pesa 1.530 kg a seco. Lubrificação com cárter seco é usada pela primeira vez em um “Vette” básico.

 

 

Em vez da transmissão automática, a Chevrolet optou por uma de dupla embreagem, também com oito marchas. As suspensões adotam molas helicoidais e braços sobrepostos de alumínio. Um sistema ergue a frente em 4 cm, para passar por obstáculos ou ruas desniveladas, e pode ter 1.000 locais armazenados no GPS para atuação automática quando voltar a eles. O pacote Z51 traz controle magneto-reológico de amortecedores, freios Brembo também na traseira (os dianteiros são de série) e pneus Michelin diferenciados, mantendo as rodas de 19 pol na frente e 20 pol atrás.

 

 

 

O desenho do novo Corvette destaca a cabine avançada por meio de elementos como as tomadas de ar laterais, que sugerem uma seta. As maçanetas de portas ficam escondidas e, como é tradição no modelo, painéis do teto targa podem ser retirados e guardados no carro. No interior, que está cerca de 40 cm mais à frente que no C7, chamam atenção o alto console, o quadro de instrumentos em tela digital de 12 pol e a central de áudio ampla e voltada ao motorista. As opções incluem alumínio ou fibra de carbono de verdade em acabamentos, três modelos de bancos (GT1, GT2 e Competition), dois padrões de sistema de áudio Bose, seis tons no interior e seis cores de cintos.

 

 

Novos recursos abrangem memória de posição dos dois bancos, volante aquecido, alerta quando a pressão dos pneus chega ao limite seguro e um gravador de dados com câmera, que pode ser usado tanto para registrar a diversão ao volante quanto para saber como ele foi dirigido por um manobrista. O seletor de programas de condução passa de quatro para seis modos, dois deles configuráveis, um dos quais chamado de “modo Z”. Pela primeira vez a GM o fará também com volante à direita. Os dois porta-malas somam 357 litros de capacidade.

 

 

O Corvette C8 entra em produção na tradicional fábrica de Bowling Green, no estado de Kentucky, EUA, no fim do ano. A GM promete preço básico abaixo de US$ 60 mil, a fim de o manter acessível em comparação a esportivos europeus do mesmo nível de desempenho.

Texto: Fabrício Samahá – Fotos: divulgação