Citroën Cactus, leve, chega sem sistema híbrido a ar

Citroen C4 Cactus 01

 

Salão de GenebraO conceito Cactus da Citroën, revelado no ano passado no Salão de Frankfurt, chega ao mercado europeu como C4 Cactus. Se o inovador sistema híbrido a ar foi deixado de lado, o carro de produção mantém as formas externas e internas daquele estudo, com novidades como os Airbumps, elementos plásticos com ar que protegem as laterais e seções do para-choque de danos em pequenos impactos. A frente tem linhas diferentes do habitual na marca, com luzes de perfil baixo que parecem os faróis principais (estes ficam mais abaixo) e ausência de grade. A traseira é que merecia lanternas mais criativas.

 

 

Os bancos dianteiros simulam os inteiriços dos carros antigos e há uma bolsa inflável para o passageiro instalada no teto (Airbag In Roof), a fim de liberar espaço em seu lugar habitual no painel. O interior destaca ainda as telas do quadro de instrumentos e a central (sensível ao toque) que substitui botões de comando, o teto solar panorâmico com alta proteção térmica e detalhes nostálgicos como as alças para puxar as portas.

O C4 Cactus teve foco na redução de peso, o que o deixou com 965 kg ou 200 kg a menos que o atual C4 hatch europeu (uma geração à frente do vendido no Brasil), embora as dimensões sejam típicas de hatch médio, com 4,16 m de comprimento e 2,60 m entre eixos. Botões controlam as posições da caixa automática, com trocas manuais por alavancas junto ao volante, e o porta-malas leva 358 litros. O novo Citroën tem ainda assistente para estacionamento, auxílio para saída em aclive e sistema de chamada de emergência e de assistência localizada. Não foram informados quais os motores disponíveis, informação que deve ficar para o lançamento no Salão de Genebra, em março.