BMW X7 de produção: muito luxo e estilo controverso

 

O BMW X7, que apareceu há um ano no Salão de Frankfurt como o conceito X7 IPerformance, surge em versão de produção. Trata-se de um grande utilitário esporte de luxo para concorrer com Mercedes-Benz GLS, Range Rover e Bentley Bentayga. O desenho mudou pouco desde o conceito, ganhando faróis de perfil mais alto (leram nossa sugestão?) e perdendo os adereços verticais nos cantos dos para-choques, mas a sensação de que a grade tem o dobro da altura ideal nos permanece.

 

 

O X7 é grande de verdade, com 5,16 metros de comprimento (23 cm mais longo que o X5), 2 m de largura, 1,80 m de altura e 3,10 m entre eixos. O interior oferece seis lugares em três filas, com bancos individuais e ajustes elétricos também na fila central, embora um banco inteiriço possa ser pedido ali. O requinte impressiona, como nos revestimentos em geral (incluindo camurça sintética no teto e nas colunas), nos tetos solares (um panorâmico na frente e um menor sobre a terceira fila) e em detalhes como a alavanca de transmissão, que parece de cristal, e os porta-copos com aquecimento e refrigeração para a bebida.

 

 

O painel usa duas telas de 12,3 pol, uma para os instrumentos, outra na parte central. Outros itens são ar-condicionado de quatro zonas, sistema de áudio Bowers & Wilkins Diamond com 20 alto-falantes, telas de 10,2 pol para entreter os passageiros da segunda fila e cortinas elétricas nos vidros. A tampa traseira dividida, com uma seção menor aberta para baixo, repete a solução do Range Rover e o porta-malas leva de 326 litros (com todos os bancos em uso) a 2.120 litros (usando apenas os dianteiros).

Estão previstas três versões. O X7 X-Drive 40i tem motor turbo a gasolina de 3,0 litros e seis cilindros em linha, com 340 cv e torque de 45,6 m.kgf. O X-Drive 50i, não disponível na Europa, recebe o V8 biturbo de 4,4 litros com 462 cv e 66 m.kgf. As opções turbodiesel são X-Drive 30D (265 cv, 63,4 m.kgf) e M50D (400 cv, 77,5 m.kgf), este apto a 0-100 km/h em cerca de 5,5 segundos, assim como o 50i. A mecânica híbrida, com motores elétrico e turbo a gasolina, do conceito ainda não chegou ao modelo de série.

 

 

Caixa automática de oito marchas e tração integral permanente estão em toda a linha. O X7 tem suspensão a ar com controle eletrônico de amortecimento, que pode receber o sistema Active Comfort Drive: câmeras analisam o terreno à frente para antecipar os ajustes necessários. Opções para melhor comportamento são diferencial traseiro M Sport, suspensão  Dynamic Handling e direção ativa. Como esperado, há uma profusão de assistências ao motorista que inclui auxílio para seguir o trânsito adiante. A produção do X7 será em Spartanburg, na Carolina do Sul, EUA.

 

Texto da equipe – Fotos: divulgação