Audi A8 inova em tecnologia e condução autônoma

 

Não se engane pelo estilo discreto: o Audi A8 que acaba de ser apresentado é realmente novo e, sob vários aspectos, inovador. O grande sedã chega à quarta geração (conheça as anteriores) com tecnologias como condução semiautônoma, sistema elétrico de 48 volts e suspensão ativa que usa motores elétricos para se ajustar. O desenho do novo A8 mostra inspiração no cupê de conceito Prologue de 2014, com ampla grade hexagonal e ligação entre as lanternas traseiras. Como habitual, há escolha entre a versão normal (de 5,17 metros de comprimento) e a L ou longa, de 5,30 m.

 

 

No interior, além do quadro de instrumentos digital configurável Virtual Cockpit, que tem sido comum na marca, nota-se a tela tátil no console para ajustes de climatização, modos de condução e tela contra sol, entre outras funções: parece que o toque em tela se tornará padrão nas marcas alemãs de luxo em lugar dos comandos físicos de girar e mover. Diversos comandos podem ser feitos por voz. Na versão L o banco traseiro opcional do lado direito permite ajustes, tem massagem e traz um apoio de pés com aquecimento e massageador. Não poderiam faltar amplas telas e comandos de climatização para os passageiros.

A condução autônoma chega a dispensar a atenção do motorista a até 60 km/h em vias com barreira no canteiro central: ele pode tirar as mãos do volante ou mesmo se distrair com outra atividade (conforme a legislação local), mantendo-se disponível para retomar o comando quando o sistema avisar. Para a condução o sistema emprega um scanner a laser (inédito na indústria, garante a Audi), câmera e sensores de ultrassom. Há ainda sistema automático de estacionamento com controle remoto, em que o condutor pode acompanhar a manobra de fora e ver imagens de 360 graus ao redor do carro em seu celular.

 

 

A construção Audi Space Frame continua a usar alumínio na maior parte da estrutura e da carroceria, mas há seções de aço convencional, de aço com resistência ultra-alta, de magnésio (veja imagem) e, atrás do banco traseiro, de plástico e fibra de carbono. De início o A8 terá a opção entre dois motores V6 turbo de 3,0 litros: a gasolina com potência de 340 cv e a diesel com 286 cv (o torque não foi anunciado). Logo haverá os V8 turbos de 4,0 litros a gasolina (460 cv) e a diesel (435 cv) e um W12 de 6,0 litros, ainda sem potência declarada.

Todos usam um sistema de roda-livre que desliga o motor em movimento quando não se pede potência, religando-o suavemente ao ser necessário. Também está prevista a versão híbrida E-Tron com o 3,0-litros a gasolina e um motor elétrico, que somam 449 cv e torque de 71,4 m.kgf. A bateria permite rodar 50 km em modo elétrico e pode ser recarregada sem fio, por indução, com carregador especial.

A inovadora suspensão AI usa para cada roda um motor elétrico e um tubo rotativo, no qual há uma barra de torção de titânio. A suspensão não precisa passar por irregularidades do piso para se ajustar: elas podem ser detectadas pela câmera frontal do carro para uma regulagem preventiva. Caso seja iminente uma colisão pela lateral, aquele lado é elevado em fração de segundo a fim de que o impacto seja absorvido, tanto quanto possível, pela estrutura das soleiras das portas. Além da tração integral Quattro, foi prevista direção nas quatro rodas: as traseiras podem apontar na mesma direção das dianteiras (para maior estabilidade em alta velocidade) ou na direção oposta (para menor diâmetro de giro).

Os preços do novo Audi na Alemanha partem de 90.600 Euros para a versão normal (R$ 336 mil) e 94.100 Euros (R$ 349 mil à cotação atual) para a longa.

 

 

 

A8 L

Texto: Fabrício Samahá – Fotos: divulgação