Peugeot 408: conforto a avaliar de olhos bem abertos

 
Apesar do motor de 143/151 cv, as versões mais comuns do 408 têm desempenho
apenas regular: culpa do alto peso e das quatro marchas do câmbio automático

 

“Conforto e acabamento impecáveis”

O Peugeot 408 tem como principais qualidades o generoso espaço, tanto para os ocupantes quanto para a bagagem, assim como o nível de equipamentos e o belo desenho, de acordo com os leitores que participaram do Teste do Leitor (envie você também a opinião sobre seu carro).

“O espaço é nota 10, o conforto e o acabamento são impecáveis, tem excelente motor e baixo preço de aquisição. O sistema de frenagem também é excepcional! Sempre foi exemplar, até mesmo em piso molhado. Também tem bom consumo: uma média de 8,4 km/l na cidade e 12,2 km/l na estrada. O custo-benefício também é muito bom. Sobre o preço de revenda tão criticado por alguns, para mim não pesa tanto, pois fico com o carro por quatro ou cinco anos e sempre ultrapasso os 120 mil km rodados”, elogia Rodrigo Bento, do Rio de Janeiro, RJ, dono de um 408 Allure automático 2012.

Ricardo Timm de Souza, de Porto Alegre, RS, dirige um 408 Griffe THP 2013 e também tem muito a elogiar: “O desempenho realmente superior é sua maior virtude. Ele tem excelente segurança ativa e passiva, ótimo acabamento, belo desenho, bom espaço interno e itens de conveniência úteis e variados. Tive um 408 Flex que nunca deu problemas, porém sofria com o câmbio inadequado ao motor. O THP resolve isso de modo mais que satisfatório, surpreendendo com seu desempenho, muito acima da média. A suspensão é rígida, porém solicitei que o meu viesse com pneus Michelin em lugar de Pirelli, e isso realmente faz alguma diferença. Poderia vir com bancos elétricos, como no Flex”.

 

 
Depois de simplificar a linha 2013 de quatro para duas versões, a Peugeot adotou
para 2014 o câmbio de seis marchas do 408 THP na versão Allure de 2,0 litros

 

Ricardo Lauar roda com seu 408 Allure automático 2012 por Belo Horizonte, MG, e também reúne vários atributos: “O carro está me surpreendendo. A suspensão é fantástica. O carro é confortável, sem ser mole, e faz curvas muito bem. O motor é potente e tem ótimo torque. O espaço interno está muito acima da média e, além disso, acho o carro lindo demais!”.

O Peugeot 408 tem também pontos negativos apontados pelos proprietários. Para Rodrigo Bento, do Rio de Janeiro, RJ, que tem um 408 Allure automático 2012, eles são “abertura da tampa de combustível pela chave, câmbio com quatro marchas, alguns ruídos internos”. A crítica é compartilhada por Jorge Lima, da mesma cidade, sobre o 408 Griffe THP 2013: “Parece uma escola de samba. Tem barulho em todos os lugares… Consumo urbano absurdamente alto (6,5 km/l de gasolina)”. O já citado Ricardo Lauar endossa sobre o consumo da versão THP: “5 km/l na cidade e 8,5 a 9 km/l na estrada, com gasolina”. Maria Josefina Sorato Berti, de Araçatuba, SP, dona de um 408 Griffe 2011, adiciona: “GPS não funciona, a suspensão tem estabilidade ruim, barulhos internos. Nesta cidade de 200 mil habitantes o GPS está sempre dizendo ‘área não cartografada'”.

 

“O carro está me surpreendendo. A suspensão é fantástica, o motor é potente, o espaço interno está muito acima da média”, destaca um dos leitores

 

Dos defeitos apresentados, alguns chegam a causar insatisfação nos donos. Oito meses depois de seu primeiro relato, Ricardo Lauar, antes muito satisfeito, demonstrou arrependimento de tê-lo adquirido: “O carro deu problema em tudo que se pode pensar e só não deu mais porque o vendi. Suspensão, sonda lambda, ar-condicionado… A concessionária atende bem, mas o problema é o produto. Triste desilusão. Na revenda ninguém quer pegar o carro, nem a própria concessionária”.

Evandro Ferronato, de Caxias do Sul, RS, dono de um 408 Allure automático 2012, acrescenta: “Em 630 km rodados já foi removido à concessionária por três vezes, sempre com mesmo problema: não liga. Foram substituídas as velas, a bomba de combustível, a caixa de fusíveis. Espero que não tenha mais problemas”. Outros problemas relatados são ruídos internos, soltura frequente da mangueira do turbo na versão THP e problemas na injeção eletrônica, bomba d’água, válvula termostática, sensores de estacionamento, caixa de câmbio automática, ar-condicionado e sistemas de entretenimento.

 

 
Espaço e conforto para os passageiros e capacidade de bagagem são atributos de
destaque do 408, mas a incidência de problemas afeta a satisfação dos donos

 

Essas falhas certamente afetam o grau de satisfação dos proprietários do Peugeot. Dos que participaram do Teste do Leitor, 69% disseram-se muito satisfeitos com o carro, índice mais baixo que os de 90,5% do Renault Fluence, 89,2% do Volkswagen Jetta (geração anterior), 85% do Fiat Linea, 84,6% do Kia Cerato, 82,6% do Nissan Sentra, 76,6% do Ford Focus (hatch e sedã), 73,3% do Toyota Corolla e 70,8% do Chevrolet Vectra sedã, outros modelos do segmento que passaram pelo Guia de Compra desde 2011. Apenas o Citroën C4 Pallas (62,2%) ficou abaixo do 408.

 

 

Já a rede de concessionárias da Peugeot recebe a mesma avaliação de 50% dos leitores, índice inferior aos registrados com o Linea (72,5%), o Corolla (56,7%) e o Fluence (52,4%), o mesmo do Focus e superior aos de Jetta (48,6%), Cerato (48,1%), Sentra (42,7%), Vectra (39,7%) e Pallas (37,8%). Os percentuais foram obtidos para cada Guia de Compra, nos últimos dois anos, e podem não refletir a situação atual.

Como se pode ver, o Peugeot 408 é uma opção de compra para quem quer um carro bem-equipado, com muito espaço e estilo, pagando um pouco menos na unidade usada que pelos principais concorrentes. Mas há de se ter consciência da frequência e da gravidade de alguns defeitos relatados pelos proprietários.

Veja opiniões dos donos Opine sobre seu carro

 

Custos de manutenção

Concessionária Mercado paralelo
Disco de freio (par) R$ 345 R$ 180
Pastilhas de freio dianteiras (par) R$ 315 R$ 145
Amortecedores (jogo de 4) R$ 1.475 R$ 13.80
Pneus (Pirelli P7, 225/45 R 17, cada) R$ 580
Para-lama dianteiro (cada) R$ 245 R$ 200
Para-choque dianteiro R$ 650 R$ 500
Farol (cada) R$ 615 R$ 380
Mão de obra (hora) ND
Preços médios para 408 Feline 2,0 16V automático 2012 obtidos pelo Sistema Audatex (concessionária) e lojas de autopeças, em pesquisa em setembro de 2013; não envolvem instalação e pintura quando cabível; ND= não disponível

 

Cotações de seguro

Custo médio Franquia média
  • 408 Feline 2,0 16V Flex 2012  
Alto risco R$ 15.240 R$ 4.000
Médio risco R$ 3.695 R$ 3.680
Baixo risco R$ 1.715 R$ 3.395
  • 408 Griffe THP 1,6 16V 2012  
Alto risco R$ 16.770 R$ 4.260
Médio risco R$ 4.035 R$ 3.925
Baixo risco R$ 1.855 R$ 3.635
Custos médios obtidos em pesquisa da Depto Corretora de Seguros em out/13; conheça os perfis

 

Satisfação dos proprietários

Com o carro Com as concessionárias
Muito satisfeitos 69% 50%
Parcialmente satisfeitos 15,5% 25%
Insatisfeitos 15,5% 12,5%
Não utilizam 12,5%
Estatística obtida no Teste do Leitor com 32 proprietários até out/13

 

Compare as versões

Versão Faixa de preço Anos-modelo disponíveis
408 Allure 2,0 16V Flex R$ 39.535 a R$ 48.525 2011 a 2013
408 Allure 2,0 16V Flex aut. R$ 43.890 a R$ 52.530 2011 a 2013
408 Feline 2,0 16V Flex aut. R$ 51.855 a R$ 57.145 2011 a 2013
408 Griffe 2,0 16V Flex aut. R$ 54.455 a R$ 56.615 2011 a 2012
408 Griffe THP 1,6 16V gas. aut. R$ 59.830 a R$ 64.785 2012 e 2013
Preços fornecidos pela FIPE e válidos para set/13
Versão Comb. Potência Torque Vel. máxima 0 a 100 km/h
Motor 2,0 16V Flex, câmbio automático gas. 143 cv 20,0 m.kgf ND ND
álc. 151 cv 22,0 m.kgf 208 km/h 11,9 s
Motor 1,6 16V turbo, câmbio automático gas. 165 cv 24,5 m.kgf 213 km/h 8,3 s
Dados do fabricante. ND = não disponível