Fiat Cronos chega esta semana: quanto?

De Carro por Aí - Nasser

Variação sedã do Argo terá motores de 1,3 e 1,8 litro; preços devem ficar entre R$ 55 mil e R$ 70 mil

 

Fiat_Cronos_Precision_02Nos próximos dias a Fiat iniciará vender seu mais novo produto, o sedã Cronos. Utiliza parte da base mecânica do Argo, itens de decoração já comuns à linha FCA, como Fiat Toro e Jeep Renegade, e será produzido na fábrica de Pacheco, Argentina, e da qual o Brasil representará projetados 50% do volume de vendas. Sedã com cuidado trabalho de desenho liderado por Peter Fassbender, substitui os sedãs Linea e Grand Siena, objetivando ser um dos principais concorrentes do subsegmento dos três-volumes de pequenas dimensões, concorrendo com Chevrolet Prisma e Honda City, entre outros.

Motores 1,3-litro de 101/109 cv e 1,8-litro de 135/139 cv (gasolina/álcool), caixa manual com opção por automática Aisin com seis marchas no 1,8. Em 2019, motor 1,5 turbo, atualização do 1,4 turbo pioneiro no segmento. Versões de equipamentos Drive e Precision. Para mercado brasileiro projetam-se preços entre R$ 55 mil e R$ 70 mil.

Surpresa
Na apresentação na Argentina, onde será produzido: ante a presença de Maurício Macri, presidente do país, Stefan Ketter, brasileiro, CEO da FCA para a América Latina, Vice-Presidente mundial para construções e sistemas de manufatura, surpreendeu. Não leu seu discurso impresso em espanhol, idioma local, do presidente argentino, mandatória pelas regras de cerimonial. Fez curiosa escolha. Desprezou o inglês, de trato universal, e adotou expressar-se em italiano, da origem da FCA e de Cristiano Rattazzi, presidente da FCA no país. O eng. Ketter é um homem de surpresas.

 

 

Citroën renova C4

Citroen C4 ChinaArgentino sedã C4 Lounge será mostrado à imprensa brasileira nas próximas semanas. Mudanças estéticas frontais, tipo intervenções padrão para marcar o segundo ciclo do modelo: grade, faróis, para-choques. Atrás, lanternas. A nova feição não é novidade, pois foi desenvolvida para o modelo chinês (foto), lançado há um ano. Carro injustiçado, bom conteúdo, bom preço, porém vendas inferiores às suas qualidades.

 

Roda a Roda

Marcha a ré – Anos após assumir a Daewoo, aproveitar projetos, instalações e talentos para produzir carros com sua marca na Coréia do Sul, GM resolveu fechar uma das plantas. Razão, queda de 20% de demanda, produção e desequilíbrio nas contas. Tempos atuais não permitem jogar prejuízos para compensações futuras. Por esta razão livrou-se de antigas associadas Vauxhall, inglesa, e Opel, alemã, passando-as à PSA – Peugeot-Citroën-DS.

Ajuda – Ford incluiu versão especial no leque para o Ecosport 2019. Chama-a SE Direct. Equipamentos direcionados a clientes com necessidades ou proteção especial, ou frotistas. Preço pela isenção de impostos é de R$ 68.690. Econômico em equipamentos, transmissão automática com seis velocidades, controle de estabilidade. Há, também, a Assistência de Emergência, fazendo ligação direta para o SAMU em caso de acidente com acionamento das bolsas de ar ou corte da bomba de combustível. Idéia boa em país desenvolvido e responsável, risível no Brasil.

Chevrolet Bolt 01Elétrico – Nunca identificada com tecnologia de ponta, e lembrada pela baixa autonomia de seu modelo híbrido Volt, Chevrolet desenvolveu carro médio elétrico, o Bolt. Enquanto o Volt apresentava comportamento criticável, o Bolt muda a figura. Tem medida para competir no segmento norte-americano de entrada, 4,16 m de comprimento, e 200 cv de potência, e 35,7 m.kgf de torque. Arranca aos 100 km/h em 7 s, atinge 156 km/h como velocidade de pico. Ponto principal, oferece autonomia em torno de 380 km.

Surpresa – Carlos Zarlenga, argentino, CEO da companhia para a América Latina, anunciou à conterrânea Agência Télam não se surpreender se antes do término da década a companhia anuncie produzir carros elétricos no Mercosul.

Onde – Se incentivos federais e estaduais forem idênticos aos obtíveis no Brasil, deve-se entender a Argentina como dotada de amplas chances para a iniciativa, por deter parcela importante na decisão, suas reservas de lítio. É o metal aplicado na nova tecnologia das baterias.

Ampliação – Não só de vender carros novos vive uma fábrica de carros novos. PSA, de Peugeot, Citroën, DS, adentrou no mercado de oficinas de reparos, e adquiriu a chinesa Jian Xin, distribuidora de peças. Vende anualmente mais de 5 milhões de partes das principais marcas mundiais de veículos. Mercado chinês tem mais de 130 milhões de automóveis.

Ferrari Portofino 01Passeio – A fim de giro pela Itália, visitando a essência do espírito e do estilo de carros esportivos de estirpe? Agência organiza viagem de 11 dias, desde o Lago Como – onde se realiza o talvez mais elegante encontro de antigos -, e se encerra em Modena, terra da Ferrari e do mítico restaurante Cavallino Rampante. Ferrari, Lamborghini, Maserati, Pagani, Pininfarina, Zagato, Italdesign, Leonardo Fioravanti, fábrica de rodas Borrani, das malas Schedoni, coleções, oficinas de restauração. Programa intenso aos do ramo. Preços US$ 12.600 dupla. U$ 8.800 single, ônibus interno, chegada e saída do aeroporto de Malpensa, entre Turim e Milão. Mais? http://www.carguytour.com/sept-car-guy-tour-fca-edition/

Atividade – À frente do negócio e como guia turístico, Frank Mandarano, agitador, criador do Maserati Club of America e organizador do Concorso Italiano, mostra de veículos da Itália, na Holly Week – terceira semana de agosto -, onde pontifica o Pebble Beach Concours d’Élegance. Um Car Guy.

Tempo – Salão do automóvel de Genebra, março 7-12, um dos mais interessantes do mundo, terá estande da fabricante de relógios TAG Heuer. Nele, carros de corrida, a lembrança de ter sido a primeira do ramo a patrocinar piloto na Fórmula 1, no caso Jo Siffert, e relançará o modelo Monaco e sua opção de botão de corda à esquerda.

Gente – André Molnár, 35, executivo, motociclista, ideal. Novo gerente de Marketing e Comunicação da Triumph, de motocicletas. Larga experiência, sólida base acadêmica, trabalhava na Audi. Trabalhar com o que gosta é diversão remunerada.

Coluna anterior

A coluna expressa as opiniões do colunista e não as do Best Cars