Em Genebra, automóvel dobra a esquina

De Carro por Aí - Nasser

Salão prevê grande mudança conceitual sobre o automóvel e seu uso: elétricos com aplicações autônomas

 

Agora chamado GIMS – Genebra International Motor Show -, condensada e prática mostra de automóveis europeus realizada na Suíça, e há anos com a postura de sinalizador de preocupações e caminhos para produtos e veículos, atingiu seu ápice prático nesta edição.

VW ID Vizzion 01À noite do dia 5, véspera da abertura à imprensa, em sua festa Volkswagen Night, uma surpresa: em vez da apresentação pontual pelo CEO de cada uma das 12 marcas do grupo sobre novidades, de automóveis, moto Ducati, algum protótipo especulador do futuro, como tal evento sempre se marcou, houve exposição oral de Matthias Müller, CEO do grupo Volkswagen. Falou sobre o desenho da companhia para moldar o futuro da mobilidade urbana, tornando secundários detalhes como decoração, maior potência nos motores, variações em transmissões. À plateia pensante, exibiu protótipos para a nova era, e das empresas e facilidades para se adequar ao novo caminho: veículos elétricos com aplicações autônomas.

Um efeito-demonstração do a ser feito com a tecnologia hoje disponível, para grande mudança conceitual sobre o automóvel, seu uso racional, o foco em transporte público, a ser administrada homeopaticamente. A indústria automobilística não faz revolução, mas evolução. Iniciará com os elétricos, mas autônomos serão para países com recursos e cidades com tesouro sólido e infraestrutura urbana, pois tal implantação consome elevados recursos, e se vale de satélites, meios-fios, placas de sinalização de trânsito, faixas pintadas no solo para receber sinais e processá-los, fazendo o veículo andar sem condutor.

 

 

É mudança de rumo, traçar conceito e fazer a indústria e os produtos segui-lo. A implantação exige enorme envolvimento do segmento acadêmico, start-ups, num objetivo de encontrar-se com as necessidades da população e das cidades. A ONU projeta que, em 2050, mais de 80% da população mundial morará em cidades, e a mobilidade urbana será fator fundamental para garantir o ir e vir em veículos, reduzir a frota circulante, engarrafamentos, emissões. O automóvel, como bem individual de transporte, iniciou mudar seu conceito de propriedade. E os fabricantes, como a Volkswagen, não serão mais fornecedores de veículos, mas parceiros das cidades no desenvolvimento de soluções para o deslocamento urbano.

Caminho
Porsche Mission E Cross Turismo 06Maior fabricante mundial de veículos, Volkswagen dá exemplo em casa. Suas principais marcas, onde se incluem os caminhões MAN, iniciam ações pontuais com veículos autônomos no porto de Hamburgo. O MOIA, sistema de transporte criado por uma start-up de controle acionário adquirido pela VW, prega o uso de minicoletivos autônomos para 6 passageiros nas cidades, com custo de passagem projetado como idêntico ao de táxi.

Para mostrar-se engajada a marca possui 8 produtos dedicados, com relevo em Audi E-Tron, primeiro SUV elétrico, com autonomia de 500 km; o Porsche Mission E (foto), nome da família elétrica, no caso um SUV elétrico capaz de andar fora de estrada; e a família VW ID, cujo interior foi projetado pelo brasileiro Marco Antonio Pavone com partido interessante: tamanho externo idêntico ao dos veículos comuns, como o Passat, mas espaço interno de carro superior, permissão dada pela ausência das massas e volumes ocupados pelos suprimidos motor e transmissão. Início de produção em 2019.

O Salão de Genebra 2018 tem tudo para ser a referência de mudança na questão da mobilidade urbana, com a posição corajosa da Volkswagen em alocar 34 bilhões de Euros – a grosso modo R$ 140 bilhões – para desenvolver novos produtos até 2022. Sob o aspecto institucional pode-se inferir, o escândalo Dieselgate, atrevimento da antiga diretoria consentindo emissões superiores aos limites legais, foi sobrepujado pelo grande projeto de mobilidade urbana.

Mais
No foco novidadeiro e de caminhos, vertente assumida pelo GIMS, foi ocasião para exibir novidades. Para o Brasil, poucas cruzarão nossos portos, e a maior será o VW T-Cross, um utilitário esporte. A grosso modo um Tiguan reduzido, pois construído sobre a plataforma MQB, nas medidas utilizadas por Polo e Virtus, motorização TSI 1,0, 1,6 e possível opção de TSI 1,4. No Salão do Automóvel, novembro.

Curiosidades, Lagonda, nome de automóvel inglês de prestígio, único a quebrar o duopólio de Rolls-Royce e Bentley, depois modelo da Aston Martin, transformou-se em marca identificativa dos elétricos. Mantém o tratamento de elegância e qualidade britânicos, interior criado por um decorador, com poltronas, mescla de seda, lã e cashmere, couro, madeira, pretendendo clientela elevado poder aquisitivo, em especial chineses. Tem 5,3 m de comprimento; versão longa, 5,8 m. Dinamicamente tem autonomia acima de 500 km. Em 2021.

Rimac C-TwoAutomóvel mais potente do mundo também apareceu em Genebra: Rimac C-Two (foto). Parece íntimo do altar do Deus da Velocidade, ao fazer 1.914 cv pela soma de cada motor aplicado diretamente à roda, indo à velocidade de avião pequeno: 415 km/h, com aceleração de 0 a 100 km/h em 1,87 s! Carroceria e plataforma em fibra de carbono, detendo o peso – incluindo as baterias de lítio – arranhando os 2.000 kg. Aplica vetorizador de torque para manter as rodas apontadas para a frente, e para controlá-lo, 72 centrais, equivalendo à potência de 22 computadores McBook Pro. Preço? Não divulgado.

Num tempo de fusões, concentrações, sinergias por sobrevivência, surpresa do surgimento de novo produtor, a chinesa Polestar. Seu modelo 1 é esportivo elétrico, motor de 600 cv. Intentava produzir 500 unidades/ano, porém ter recebido 6.000 consultas motiva empresa a repensar projeto. Aceita encomendas com sinal de 2.500 Euros, pouco acima de R$ 10 mil, mas Brasil não se inclui nos 18 mercados visados pela nova marca.

 

 

Como será o novo Gol? Saiba em julho

VW Gol Track 01Após perder a liderança de mercado e cair à 3ª posição por razões internas e externas, a Volkswagen vem em arrancada sustentável mirando a recuperação do primeiro lugar. Novos produtos, fortalecimento da rede, consistência na direção comercial e apoio da matriz tem ajudado no esforço, e mês passado a empresa ascendeu à vice-liderança. Investimento, nova postura e produtos, como Polo, Virtus e picape Amarok com motor V6 geram resultados e vendas.

Futuro há, e com reformulações a empresa anunciou 25 lançamentos nos próximos anos, incluindo cinco SUVs: dois pequenos no mercado nacional; um sobre a plataforma Golf na Argentina; o novo Tiguan trazido do México em versões de cinco e sete lugares; e o Atlas, maior, dos EUA. O primeiro SUV nacional será o T-Cross, mostrado pela empresa no Salão de Genebra. Lançamento mundial em outubro e presença no Salão Internacional de São Paulo em outubro/novembro.

No mercado das vendas maiores definiu o Gol como o carro de entrada, apesar de o Up ter dimensões menores. E resolveu, também, mantê-lo em produção como carro de acesso à marca no mercado sul-americano. Questão básica é a mudança de linhas, atualizadas com a presente assinatura de estilo da marca, e a dúvida sobre qual plataforma fazê-lo: a atual, antiga, limitada, porém de menor custo, ou moderna, em variação da MQB, base de Polo, Virtus e Golf, flexível a formulações de largura e entre eixos, mas de custo elevado?

Jüergen Stackmann, da mesa diretora de marketing e vendas na matriz alemã, juntamente com Thomas Owsianski, vice-presidente executivo para América Latina – operação da VW do Brasil –, em rápida entrevista durante o Salão de Genebra, esclareceram a continuidade, a manutenção do nome, a dúvida mesclando custos industriais para definir próxima geração, o prazo para decisão, projetando três anos para o novo modelo vir à luz. Os traços básicos de estilo estão dados, partindo de dentro para fora, como atual postura de estilo da marca. Na prática ganhar espaço para passageiros, como se fosse um carro grande por dentro e pequeno externamente.

 

Roda a Roda

Ausência – Aguardado no Salão de Genebra, Li Shufu, bilionário chinês controlador da Geely, da Volvo, Lotus, London Cabs – e 10% da Mercedes –, não apareceu. Frustraram-se os 10 mil jornalistas presentes, interessados na nova referência mundial do universo do automóvel.

Futuro – Imprensa quer saber fatos e interpretar movimentos, um dos quais visto como óbvio: ele comprará a FCA? Quarta produtora mundial, terceira no ranking dos EUA, operação em 187 países, incluindo o Ocidente e o mercado norte-americano, onde o Super China, como chamado, já tentou, sem resultados.

Negócio – Comprar a FCA e a icônica marca Jeep seria casamento perfeito de interesses. No mundo atual fazer automóveis, mesmo sendo Alfas e Maseratis – Ferrari não integra o portfolio -, é apenas meio de ganhar dinheiro. E a FCA se transforma em incógnita com a saída, próximo ano, de seu polêmico resgatador, o canadense/italiano Sergio Marchionne.

Negativo – Renault desmentiu ser seu novo SUV para o Mercosul o Projeto Kadjar, com cópias para Rússia, China e Coreia do Sul. Planeja veículo com tal morfologia para espaço acima do Captur, porém com produto de maior porte.

Dacia DokkerKangoo – Nome conhecido de pequeno comercial produzido na Argentina, batizará seu sucessor, próximo produto da marca, desenvolvido sobre o Dacia Dokker romeno (foto). Faz parte, informa Autoblog.ar, da nova divisão mercadológica da Renault, de produtos específicos para os integrantes dos BRICS, os emergentes demandando veículos aptos a suportar suas agruras.

Recall – VW Argentina convoca proprietários de Amarok V6: aproximados 1.850 tiveram problemas na direção, causados por deficiência em mangueira de pressão hidráulica do sistema auxiliar. As V6 vendidas no Brasil estão fora da chamada. Já portam a correção de fábrica.

Situação – Ano de início de recuperação em produção e vendas de veículos, todas as marcas querem assinalar números recordes. Séries especiais, descontos, promoções, ações com seus bancos – quase todo fabricante em um destes estabelecimentos de crédito sem agência aberta ao público em geral.

Compensação – Presente iniciativa da Toyota foi incluir versão mais vendida do Corolla, a XEI, no rol dos concorrentes pelo público PCD – com exigências especiais e desconto por lei. Oferece a redução legal de 12% no IPI, e para bordejar a exigência legal de diminuição do ICMS aplicável em veículos até R$ 70 mil, oferece bônus em valor equivalente ao desconto do ICMS.

Retífica RN – Coluna atolou a informação do lançamento de óleo 20W-50 API SL com base mineral para motores de motocicletas com motor em ciclo 4T, com habilidades para suprir motores de automóveis antigos. Atribuiu-o à Mobil, mas é produto da Total.

Gente – Mark Hogan, norte-americano, ex-presidente da GM no Brasil e vice mundial da corporação, redução, Deixa de coordenar o mercado americano. Único não japonês membro da mesa diretora mundial da Toyota, para crescer na América do Sul formou grupo de confiança, botou ordem nas operações, preparando a Toyota à expansão. Deixou a responsabilidade, mantém-se membro do board e conselheiro para a operação AL. / Raul Anselmo Randon, 88, perfeccionista, passou. De uma oficina perseguiu a qualidade em fábrica de caminhões fora de estrada, equipamentos rodoviários, produção de maçãs, frutas, vinhos e o queijo Grana Padano RAR. / Mariana Rios, cantora, atriz, apresentadora, evolução. Embaixadora de Jaguar e Land Rover, tentará agregar charme às marcas. / Pablo Luchettta, engenheiro, ascensão. De gerente financeiro e de vendas, novo presidente da YPF, empresa argentina de petróleo e derivados no Brasil.

Coluna anterior

A coluna expressa as opiniões do colunista e não as do Best Cars