Fim de teste do Ka Freestyle com análise técnica

 

Isso não quer dizer que a Ford deveria encurtar todas as marchas nesta versão, o que sacrificaria o consumo. Por outro lado, no uso rodoviário a quinta marcha passa a sensação de que poderia ser mais longa — ou mesmo haver uma sexta, como em outros modelos do fabricante que usam essa transmissão MX65. A caixa fabricada pele Getrag, aliás, tem o refinamento da marcha à ré sincronizada e com dentes helicoidais: nada de arranhar as engrenagens ao engatar antes da parada total do carro, nem do barulho característico ao andar para trás.

 

Bom de curvas e de conforto

Na viagem ao litoral norte o comportamento em curvas agradou muito, tanto quanto na outra versão testada. O Ka Freestyle tem grande aderência lateral e o motorista consegue facilmente determinar quando e como soltar a frente ou a traseira nas curvas, mesmo com o controle de estabilidade ligado (é impossível desligar), que permite abusos e “brincadeiras” antes de atuar.  Como é praxe na marca, ele apenas interfere quando algo realmente está por dar errado.

 

Duas semanas com o Ka automático (o marrom) e duas com o manual comprovaram o acerto do conjunto mecânico, com restrições em acabamento e praticidade

 

Embora bem camuflada pela atuação da assistência elétrica de direção, encontramos outra característica da marca em carros de tração dianteira: esterçamento por torque. Como as semiárvores de transmissão não são de mesmo comprimento, a mais longa (da direita) se torce mais, ficando “atrasada” em relação à esquerda. Assim, o carro quer fazer curva para a direita sozinho quando maior torque do motor é aplicado em marchas baixas, como primeira e segunda.

Só que a Ford trabalhou na calibração da direção para que seu motor faça uma força igual e contrária à quantidade de torque aplicada às rodas. Com isso, o carro acelera normalmente em linha reta sem que o motorista faça correções. Só em raras situações notamos que o sistema não foi eficiente, deixando-nos descobrir sua atuação. Ao acelerar forte em segunda marcha com o volante esterçado (um quarto de volta, por exemplo), como se estivesse numa curva, o sistema mantém o volante na mesma posição se o motorista o solta. Isso não acontece quando há baixo ou nenhum torque, situação em que atua o autoalinhamento criado pela geometria de suspensão e direção.

Mais uma vez o acerto de suspensão agradou pelo conforto, em particular em rodovias pavimentadas de concreto. Os freios são bem acertados e progressivos, tanto no esforço quanto no curso de pedal. Mas notamos que a cabine fica bem quente do calor oriundo do compartimento do motor e do escapamento, obrigando-nos a ligar o ar-condicionado mesmo quando a temperatura fora do carro estava baixa — sinal de economia em materiais isolantes térmicos.

 

Análise em oficina indicou boas soluções técnicas; interior tem aspecto agradável e espaço adequado para seu porte, mas cabem correções a detalhes

 

Há outros pontos que merecem correção no interior. Faltam iluminação para os passageiros traseiros e alças de teto (o passageiro dianteiro não tem onde se segurar quando o motorista se empolga com a suspensão em curvas). Como o carro tem cortinas infláveis, instalar tal alças com a robustez necessária, que permita a um ocupante se “pendurar” nelas ao entrar ou sair do carro, requer uma estrutura específica e mais custosa que em um carro sem tais bolsas de proteção. Ainda, as portas não se destravam automaticamente. Foi comum o motorista descer do carro, ir até a porta traseira direita para deixar a criança pequena na escola e se deparar com a porta trancada, tendo de dar toda a volta de novo para acionar o botão no painel. Seria simples oferecer na central de áudio a habilitação dessa função ao desejo do dono.

 

 

Julia Pacheco, nossa opinião feminina na seção, gostou bastante da posição de dirigir, do refinamento de motor e transmissão de ambas as versões (“fácil de dirigir, sem trancos e bem ágil”) e da suspensão bem acertada e “altinha”. Ela também aprovou o espaço interno e a central de áudio, mas sentiu falta de um porta-malas maior e com botão de abertura na tampa.

O Ka Freeestyle termina a avaliação de 30 dias com elogios ao acerto de suspensão, ao conjunto motor/transmissão de ambas as versões e, para seu segmento, ao espaço interno. Como sempre há o que melhorar, sobretudo em acabamento, mas o “aventureiro” da Ford entra na lista restrita de “compraria” dos colaboradores. O que eles discutem é se pagariam esse preço por um carro “altinho” ou se prefeririam um mais baixo, com apelo mais esportivo e que também cativou quem o dirigiu: o Volkswagen Polo TSI.

Semana anterior

 

Quarta semana

Distância percorrida 941 km
Distância em cidade 601 km
Distância em rodovia 340 km
Consumo médio geral 14,3 km/l (gas.) / 11,1 km/l (álc.)
Consumo médio em cidade 14,3 km/l (gas.) / 11,6 km/l (álc.)
Consumo médio em rodovia 10,6 km/l (álc.)
Melhor média 14,6 km/l (gas.) / 13,1 km/l (álc.)
Pior média 10,8 km/l (gas.) / 8,0 km/l (álc.)
Dados do computador de bordo

 

Desde o início (versão manual)

Distância percorrida 1.235 km
Distância em cidade 895 km
Distância em rodovia 340 km
Consumo médio geral 12,7 km/l (gas.) / 11,1 km/l (álc.)
Consumo médio em cidade 14,3 km/l (gas.) / 11,6 km/l (álc.)
Consumo médio em rodovia 10,6 km/l (álc.)
Melhor média 14,6 km/l (gas.) / 13,1 km/l (álc.)
Pior média 9,5 km/l (gas.) / 8,0 km/l (álc.)
Dados do computador de bordo

 

Preços

Sem opcionais R$ 63.990
Como avaliado R$ 63.990
Completo R$ 65.340
Preços sugeridos em 11/10/18 com caixa manual

 

Ficha técnica

Motor
Posição transversal
Cilindros 3 em linha
Comando de válvulas duplo no cabeçote
Válvulas por cilindro 4, variação de tempo
Diâmetro e curso 84 x 90 mm
Cilindrada 1.497 cm³
Taxa de compressão 12:1
Alimentação injeção multiponto sequencial
Potência máxima (gas./álc.) 128/136 cv a 6.500 rpm
Torque máximo (gas./álc.) 15,3 m.kgf de 3.500 a 5.000 rpm/15,3 m.kgf de 3.000 a 6.000 rpm
Transmissão
Tipo de caixa e marchas manual, 5
Tração dianteira
Freios
Dianteiros a disco ventilado
Traseiros a tambor
Antitravamento (ABS) sim
Direção
Sistema pinhão e cremalheira
Assistência elétrica
Suspensão
Dianteira independente, McPherson, mola helicoidal
Traseira eixo de torção, mola helicoidal
Rodas
Dimensões 6 x 15 pol
Pneus 185/60 R 15
Dimensões
Comprimento 3,954 m
Largura 1,695 m
Altura 1,57 m
Entre-eixos 2,49 m
Capacidades e peso
Tanque de combustível 52 l
Compartimento de bagagem 257 l
Peso em ordem de marcha 1.086 kg
Desempenho e consumo (gas./álc.)
Velocidade máxima ND
Aceleração de 0 a 100 km/h ND
Consumo em cidade 11,9/8,4 km/l
Consumo em rodovia 14,4/9,9 km/l
Dados do fabricante para caixa manual; consumo conforme padrões do Inmetro; ND = não disponível