T5 CVT: como anda primeiro JAC com caixa automática

Transmissão variável opera bem e preço da versão manual foi mantido, mas ruído do motor é inconveniente

Texto: Fabrício Samahá e Sérgio Galvão – Avaliação: S. Galvão – Fotos: divulgação

 

Demorou, mas a JAC Motors passa a oferecer no Brasil uma transmissão automática, de início restrita a seu modelo mais recente no mercado nacional, o utilitário esporte compacto T5. A caixa de variação contínua (CVT) chega ao mesmo preço da manual em condição promocional, que a empresa não informa por quanto tempo será mantida: R$ 70 mil com um pacote de equipamentos bem recheado, descrito no quadro abaixo.

Enquanto a condição perdurar, o T5 está entre os SUVs mais acessíveis do mercado com caixa automática: custa mais que os antigos Chery Tiggo 2,0 (R$ 60 mil) e Hyundai Tucson GLS 2,0 (R$ 66.900), mas fica abaixo de Peugeot 2008 Allure 1,6 (R$ 76.090), Ford Ecosport SE 1,6 (R$ 77.650) e Renault Duster Dynamique 2,0 (R$ 83.540). Os badalados Honda HR-V e Jeep Renegade são ainda mais caros. De certo modo, consiste em alternativa a hatches como Renault Sandero Stepway 1,6 (R$ 61.470 com caixa automatizada) e a minivan Citroën Aircross Live 1,6 (R$ 64.690).

O motor de 1,5 litro e quatro válvulas por cilindro mantém os valores de potência e torque do manual: 125 cv e 15,5 m.kgf com gasolina, 127 cv e 15,7 m.kgf com álcool. Além do logotipo CVT na tampa traseira sob o nome do modelo, apenas o acréscimo de controlador de velocidade e a alavanca seletora com trajeto sinuoso identifica a nova versão do T5, que usa transmissão da belga Punch Powertrain.

 

Aparência é a mesma do T5 manual, lançado em fevereiro, assim como o preço promocional; CVT pode simular seis marchas em modo manual

 

À esquerda da posição D está a S, que aciona o programa esportivo da CVT e mantém o motor em rotações mais altas, tanto para aumentar a agilidade de respostas quanto para obter freio-motor, como em declives acentuados. Em S pode-se mover a alavanca para frente para subir “marchas” e para trás para reduzir. “Marchas” assim, entre aspas, porque uma CVT não as tem no sentido tradicional: são na verdade seis relações obtidas por pontos de parada das polias variadoras.

 

A transmissão opera com a suavidade típica da CVT, mas sofre com as respostas do motor: para obter agilidade é necessário pisar fundo e elevar bastante as rotações

 

Em operação manual a caixa passa à próxima “marcha” a 6.200 rpm, pouco acima da rotação de potência máxima. Em teoria, confirmada pela experiência com outros modelos, esse arranjo manual acaba por piorar a aceleração porque afasta o motor de seu regime de melhor desempenho, mas muitos motoristas preferem tal sensação ao ruído constante do modo automático. A JAC informa aceleração de 0 a 100 km/h em 12,3 segundos, ante 10,8 s do manual, e pequena perda em velocidade máxima, de 194 para 192 km/h. Não foi divulgado o consumo pelos padrões Inmetro.

 

Ao volante do T5 CVT

A avaliação do T5 manual, em fevereiro, havia demonstrado bom equilíbrio entre comportamento dinâmico e conforto de marcha, desempenho adequado em alta rotação e qualidade de construção superior à média da marca — e bem situada na categoria e na faixa de preço —, assim como limitações em torque em baixa rotação, visibilidade e autonomia com o tanque restrito a 45 litros. Em regra, tudo isso vale também para a versão CVT.

 

Espaço e acabamento do T5 estão bem situados na categoria; bancos de couro e sistema de áudio com tela de 8 pol compõem o pacote superior

 

A transmissão opera bem, com a suavidade típica desse tipo de caixa, mas sofre com as respostas insatisfatórias do motor em rotações baixas e médias: em rodovia, ganhos de velocidade são lentos. Para obter agilidade do T5 é necessário pisar fundo e deixar a CVT elevar bastante as rotações, até acima de 5.000 rpm, condição em que o nível de ruído do motor supera o aceitável. Curiosamente a rotação a 120 km/h com a caixa na relação mais longa disponível, 3.100 rpm, supera em 200 rpm a da versão manual do T5, que é particularmente longa — o mais comum é a versão automática girar menos.

 

 

Pelo conteúdo de série e a sensação geral de boa qualidade, percebida até nos vãos de carroceria regulares, o T5 CVT mostra-se uma válida alternativa diante de Ecosport e 2008, entre outros. Ficaria melhor com um motor mais disposto em baixas rotações, mas essa limitação é frequente na categoria e muitos compradores parecem aceitá-la. E a JAC parece estar no caminho certo ao escolher a CVT, sem apelar para soluções ultrapassadas como a caixa automática de quatro marchas ainda usada por vários concorrentes.

Mais Avaliações

 

Preço e equipamentos

T5 CVT (R$ 70 mil): alarme antifurto, ar-condicionado automático, assistente de saída em rampa, banco do motorista com ajuste de altura, bancos revestidos em couro, banco traseiro bipartido 60/40, câmera traseira de manobras, cintos de três pontos e encostos de cabeça para os cinco ocupantes, computador de bordo, controlador de velocidade, controle elétrico de vidros/travas/retrovisores, controle eletrônico de estabilidade e tração, faróis com regulagem elétrica de altura e acendimento automático, faróis de neblina e luz traseira, fixação de cadeira infantil em padrão Isofix, freios com sistema antitravamento (ABS) e assistência adicional em emergência, monitor de pressão dos pneus, rodas de alumínio de 16 pol, sensores de estacionamento traseiros, sistema de áudio com tela de 8 pol, volante ajustável em altura.

 

Ficha técnica

Motor
Posição transversal
Cilindros 4 em linha
Comando de válvulas duplo no cabeçote
Válvulas por cilindro 4, variação de tempo
Diâmetro e curso 75 x 84,8 mm
Cilindrada 1.499 cm³
Taxa de compressão 10:1
Alimentação injeção multiponto sequencial
Potência máxima (gas./álc.) 125/127 cv a 6.000 rpm
Torque máximo (gas./álc.) 15,5/15,7 m.kgf a 4.000 rpm
Transmissão
Tipo de caixa automática de variação contínua
Tração dianteira
Freios
Dianteiros a disco ventilado
Traseiros a disco
Antitravamento (ABS) sim
Direção
Sistema pinhão e cremalheira
Assistência elétrica
Suspensão
Dianteira independente, McPherson, mola helicoidal
Traseira eixo de torção, mola helicoidal
Rodas
Dimensões 16 pol
Pneus 205/55 R 16
Dimensões
Comprimento 4,325 m
Largura 1,765 m
Altura 1,66 m
Entre-eixos 2,56 m
Capacidades e peso
Tanque de combustível 45 l
Compartimento de bagagem 600 l (até o teto)
Peso em ordem de marcha 1.220 kg
Desempenho
Velocidade máxima 192 km/h
Aceleração de 0 a 100 km/h 12,3 s
Dados do fabricante; consumo não disponível