T-Cross 200 TSI convence em desempenho e segurança

SUV compacto da Volkswagen mostra desenvoltura mesmo nas versões mais baratas; acabamento é ponto negativo

Texto: Kelvin Silva – Fotos: divulgação

 

Após o lançamento do T-Cross 250 TSI, com motor turboalimentado de 1,4 litro e 150 cv, a Volkswagen apresenta à imprensa as versões que deverão cobrir maior volume de vendas na linha: o T-Cross 200 TSI e o Comfortline 200 TSI, com a unidade turbo de 1,0 litro e três cilindros conhecida de Polo, Virtus e Golf. Com potência de 116 cv com gasolina e 128 com álcool, a opção tem preços sugeridos a partir de R$ 85 mil com transmissão manual e R$ 94.490 com automática, ambas de seis marchas.

Na aparência as versões básica e Comfortline estão bem próximas, alterando apenas as rodas (de 16 polegadas na primeira e 17 na segunda) e detalhes como o aplique nos para-lamas dianteiros, restrito à opção superior. Comparados ao T-Cross Highline, os mais simples deixam de fora alguns cromados e a opção de teto em preto. Faróis de leds são opcionais no Comfortline — sem eles, são usados os de duplo refletor e superfície complexa, que mantêm os leds na luz diurna.

 

Versão básica do T-Cross sobressai na categoria em itens de segurança e tem boa dotação de conveniência, mas interior é simples, assim como o sistema de áudio de série

 

Na parte interna o Comfortline com pacote opcional distingue-se bem da versão básica pelo acabamento, tanto nos bancos com seções que simulam couro quanto no painel. Embora ele seja feito com material simples e que não agrada tanto, na opção superior a Volkswagen ameniza a sensação espartana com apliques em tom bronze brilhante, também presentes no console central e em parte das portas. O sistema de áudio também varia: o básico de caixa manual vem de série apenas com um rádio/MP3, mas pode receber a central Composition Touch com tela de toque de 6,5 pol e integração a celular por Android Auto e Apple Car Play; o automático a traz de série e o Comfortline pode ter a central Discover Media com tela de 8 pol.

 

 

Como no Highline, o T-Cross convence pelo espaço interno mesmo no banco traseiro, beneficiado pelo aumento em 9 centímetros na distância entre eixos em relação ao modelo europeu. O motorista encontra facilmente boa posição, dispondo de ajuste do volante em altura e distância também na versão básica. A regulagem de inclinação do encosto traseiro faz variar a capacidade de bagagem entre 373 e 420 litros.

Quanto à segurança, vale destacar a presença de controle eletrônico de estabilidade e tração, cintos de três pontos para todos os ocupantes e bolsas infláveis laterais dianteiras e de cortina desde a versão mais simples. O Comfortline vem ainda com sistema de Frenagem Automática Pós-Colisão, conhecido na linha VW, que aciona os freios após um acidente a fim de evitar nova colisão do veículo descontrolado. De resto, ele é lançado já com nota máxima no teste de colisão do Latin NCap.

 

Rodas de 17 pol e alguns detalhes distinguem o Comfortline, que usa o tom bronze na faixa do painel e em seções dos bancos; sistema Discover Media com tela de 8 pol é opcional

 

Torque faz a diferença

O motor 200 TSI — referência ao torque em Nm — é o mesmo dos modelos citados, com injeção direta, turbo e resfriador de ar. Se a potência não impressiona diante de concorrentes como Honda HR-V (140 cv com gasolina e 139 cv com álcool), Jeep Renegade de 1,75 litro (135 e 139 cv) e Ford Ecosport de 1,5 litro (130 e 137 cv), o torque faz a diferença: o T-Cross oferece 20,4 m.kgf na faixa entre 2.000 e 3.500 rpm, ante 18,7/19,3 m.kgf do Renegade, 17,3/17,4 m.kgf do HR-V e 15,6/16,2 m.kgf do Ecosport, todos em rotações bem mais altas. Vantagem adicional é que o motor turbo mantém seu desempenho em maior altitude, sem as perdas pela menor densidade do ar que acomete os aspirados.

 

Chega a ser uma surpresa a agilidade do T-Cross: nota-se o acerto da estratégia de criar uma ampla faixa de torque máximo, para desenvoltura em situações urbanas

 

Enquanto não recebemos o T-Cross para medições e avaliação completa, os dados de desempenho declarados são promissores. Com gasolina a Volkswagen informa aceleração de 0 a 100 km/h em 10,9 segundos com caixa automática: se confirmado, é um tempo compatível com os 11,0 s do HR-V e melhor que os 11,8 s do Ecosport e os 13,4 s do Renegade em nossos testes. O T-Cross vence também Nissan Kicks 1,6 (11,0 s), Hyundai Creta 1,6 (12,2 s), Citroën C4 Cactus 1,6 aspirado (12,5 s) e Renault Captur 1,6 (13,2 s). Perde, é claro, para os mais potentes C4 Cactus 1,6 turbo (7,7 s), Chevrolet Tracker 1,4 turbo (9,3 s) e Creta 2,0 (9,9 s).

O Best Cars dirigiu o T-Cross 200 TSI por cerca de 100 quilômetros, em trajeto urbano e rodoviário, na apresentação no Rio de Janeiro, RJ. Foi possível analisar a versão básica manual e a Comfortline automática. Contrariando o conceito geral que as pessoas têm sobre carros de pequena cilindrada, o SUV comprova que com turbo o motor de 1,0 litro é o bastante para conferir bom desempenho. Chega a ser uma surpresa a agilidade do T-Cross. Nota-se o acerto da estratégia de criar uma ampla faixa de torque máximo, para que em situações urbanas o motorista sinta desenvoltura e, caso necessite vencer uma subida mais íngreme, o carro responda de acordo.

 

Desempenho do T-Cross 200 TSI é bastante convincente, com destaque à faixa de torque desde 2.000 rpm; caixa automática opera bem, mas manual requer atenção ao sair

 

Na caixa manual as trocas de marchas são macias e precisas, como é habitual na marca. Na transmissão automática, o conversor de torque “conversa” muito bem com o motor, deixando-o mais ágil nas saídas e compensando o tempo necessário para resposta do turbo. Esse ponto pode incomodar no manual ou requerer certo condicionamento do motorista: é preciso ter bom controle da embreagem para evitar trancos ou que o motor apague. O isolamento acústico é muito eficiente quanto aos ruídos externos e do motor, salvo em rotações altas, nas quais os sons mecânicos se fazem presentes.

 

 

A suspensão do T-Cross cumpre bem sua função, isolando as imperfeições do solo e transmitindo conforto, mas pode melhorar ao passar mais rápido por lombadas ou desníveis — parece copiá-los de forma muito firme. Em curvas de alta ele oferece boa aceleração lateral e sensação de controle. A direção atua bem e, no caso do Comfortline, o seletor de modos de condução a deixa mais suave ou firme para condução esportiva.

Mesmo que a ideia de um SUV com motor de 1,0 litro possa causar receio para um público acostumado a relacionar cilindrada com desempenho, o T-Cross 200 TSI veio para quebrar esse paradigma. O carro merece a chance de provar a validade dessa proposta, que certamente terá seguidores no futuro.

Mais Avaliações

 

Versões, preços e equipamentos

T-Cross 200 TSI manual (R$ 85 mil) – Alarme antifurto, ar-condicionado, assistente de saída em rampa, banco do passageiro dianteiro rebatível, banco traseiro com encosto bipartido, barras de teto, bloqueio eletrônico do diferencial, bolsas infláveis laterais nos bancos dianteiros e de cortina, cintos traseiros de 3 pontos (inclusive o central), computador de bordo, controle eletrônico de estabilidade e tração, faróis com temporizador, faróis de neblina com função de curvas, fixação Isofix para cadeira infantil, luzes de direção nos retrovisores, luzes de leitura dianteiras e traseiras, luzes diurnas e lanternas traseiras em leds, para-sóis com espelhos iluminados, retrovisores com ajuste elétrico, rodas de alumínio de 16 pol, sensores de estacionamento traseiros, sistema de áudio Media Plus com rádio/MP3, Bluetooth e entradas USB e SD, volante com ajuste de altura e distância e comandos.

Opcional – Pacote Interactive I (câmera traseira de manobras, sensores de estacionamento dianteiros, sistema de áudio Composition Touch com tela de toque de 6,5 pol e integração a celular por Android Auto e Apple Car Play).

T-Cross 200 TSI automático (R$ 94.490) – Como o manual, mais controlador de velocidade e sistema Composition Touch.

Opcional – Pacote Interactive II (câmera traseira, rebatimento elétrico dos retrovisores, sensores de estacionamento dianteiros).

T-Cross Comfortline 200 TSI (R$ 100 mil) – Como o 200 TSI automático, mais ar-condicionado automático, banco do motorista com ajuste lombar, câmera traseira, monitor de pressão dos pneus, porta-luvas refrigerado, rodas de alumínio de 17 pol, sensores de estacionamento dianteiros, sistema de Frenagem Automática Pós-Colisão, volante com comandos de marchas.

Opcionais – pacotes Design View (bancos em padrão couro e apliques na cor bronze), Exclusive & Interactive (chave presencial para acesso e partida do motor, rebatimento elétrico dos retrovisores, seletor de modos de condução, sistema de áudio Discover Media com tela de 8 pol), Premium (assistente de estacionamento, faróis de leds, sistema de áudio Beats) e Sky View II (faróis e limpador de para-brisa automáticos, retrovisor interno fotocrômico, teto solar panorâmico).

Garantia – Três anos sem limite de quilometragem.

 

Ficha técnica

Motor
Posição transversal
Cilindros 3 em linha
Comando de válvulas duplo no cabeçote
Válvulas por cilindro 4, variação de tempo
Diâmetro e curso 74,5 x 76,4 mm
Cilindrada 999 cm³
Taxa de compressão 10,5:1
Alimentação injeção direta, turbocompressor, resfriador de ar
Potência máxima (gas./álc.) 116 cv a 5.500 rpm/128 cv a 5.500 rpm
Torque máximo (gas./álc.) 20,4 m.kgf de 2.000 a 3.500 rpm
Transmissão
Tipo de caixa e marchas automática, 6
Tração dianteira
Freios
Dianteiros a disco ventilado
Traseiros a disco
Antitravamento (ABS) sim
Direção
Sistema pinhão e cremalheira
Assistência elétrica
Suspensão
Dianteira independente, McPherson, mola helicoidal
Traseira eixo de torção, mola helicoidal
Rodas
Dimensões 6,5 x 17 pol
Pneus 205/55 R 17
Dimensões
Comprimento 4,199 m
Largura 1,76 m
Altura 1,57 m
Entre-eixos 2,651 m
Capacidades e peso
Tanque de combustível 52 l
Compartimento de bagagem 373 a 420 l, conforme posição do encosto
Peso em ordem de marcha 1.252 kg
Desempenho e consumo (gas./álc.)
Velocidade máxima 179/184 km/h
Aceleração de 0 a 100 km/h 10,9/10,4 s
Consumo em cidade 11,0/7,6 km/l
Consumo em rodovia 13,5/9,5 km/l
Dados do fabricante para Comfortline; consumo conforme padrões do Inmetro