Fiat Argo deixa tempos de coadjuvante para trás

Acessórios e rodas de até 17 pol realçam a esportividade do HGT, que usa motor de 1,75 litro e calibração própria de suspensão; capacidade de bagagem é de 300 litros

 

As duas versões superiores adotam o E-Torq em sua última fase, a Evo VIS, que associa variação de tempo de abertura das válvulas e coletor de admissão variável, como no Jeep Renegade 2017 e na Toro 2018. Com melhor distribuição de torque que na versão original usada no Punto, esse motor de quatro válvulas por cilindro obtém 135/139 cv e 18,8/19,3 m.kgf. São boas marcas para um carro de 1.243 kg (com caixa manual), que o habilitam a acelerar de 0 a 100 km/h em 9,2 segundos e atingir velocidade máxima de 192 km/h com álcool.

A alternativa para dispensar o pedal de embreagem nessas versões, para alívio de muitos, é uma caixa automática tradicional com conversor de torque e seis marchas, a mesma da Toro, oferecida pela primeira vez em um automóvel nacional da Fiat (o 500 já usava). Ela traz função neutra, que desacopla a transmissão com o carro parado e freado (para reduzir consumo), e permite mudanças manuais com comandos junto ao volante, a exemplo da automatizada. Não há programa esportivo. Todos os motores têm parada/partida automática com botão de desativação, preaquecimento de álcool para partida a frio e acionamento do comando por corrente.

Por que não uma unidade turboalimentada? Afinal, a Fiat foi pioneira em automóveis nacionais em 1994 (Uno, seguido de Tempra) e tem longa tradição em motores turbo, que hoje encontram aceitação bem maior no mercado. A marca admite que é uma tendência, mas que no momento não se justificaria do ponto de vista mercadológico.

 

Interior do HGT vem com faixa vermelha e pode ter bancos de couro; tela de 7 pol nos instrumentos vem também no Precision; ar-condicionado é automático

 

Embora simples em concepção, o Argo surge atualizado em termos técnicos. A direção tem assistência elétrica (era hidráulica nos antecessores) e há recursos eletrônicos comuns no mercado atual, mas ausentes de Palio e Punto, como monitoramento indireto da pressão dos pneus (exceto 1,0), controle de estabilidade e tração e assistente de saída em rampa (versões 1,3 GSR e 1,75). Itens de segurança como fixação Isofix para cadeira infantil e cintos de três pontos para os cinco ocupantes estão em toda a linha, mas bolsas infláveis laterais são opcionais só para as 1,75 e não há cortinas.

 

As impressões com o Precision são agradáveis, com rodar macio e silencioso e volante leve em uso urbano; nas curvas, revelou chassi bem projetado e pneus de grande aderência

 

As suspensões seguem conceitos consagrados, dianteira McPherson e traseira com eixo de torção. No HGT todas as definições são mais esportivas — as quatro molas e amortecedores e o estabilizador dianteiro —, assim como a calibração do controle de estabilidade e da assistência de direção; os freios dianteiros usam discos de maior diâmetro (são ventilados também no Precision) e podem ser aplicadas rodas de 17 pol.

 

Ao volante do Argo

No lançamento em São Paulo, SP, foi possível dirigir as versões Drive 1,3 manual, Precision 1,75 automática e HGT 1,75 manual do Argo. Infelizmente, só tivemos o Precision para o melhor dos trajetos: uma viagem de 170 km pela Rodovia Castello Branco e pela sinuosa Estrada dos Romeiros. Os outros dois foram dirigidos em breve circuito urbano.

 

Motor 1,75 (foto maior) e a caixa automática de seis marchas são os mesmos da Toro; para o Firefly 1,3 há opção da automatizada GSR de cinco marchas

 

As primeiras impressões ao volante são agradáveis, com rodar macio e silencioso, volante bem leve em uso urbano e comandos suaves. O motor 1,75 não chega a ser brilhante em desempenho pelo peso elevado, acima de 1.200 kg, mas produz pouco ruído em viagem; a 120 km/h em sexta está a apenas 2.400 rpm. Ao elevar as rotações (pode ir a 6.200 rpm) se torna barulhento, sem vibração excessiva.

 

 

Na Estrada dos Romeiros, o Argo revelou um chassi bem projetado, que o deixa “na mão” ao tomar as curvas. É grande a aderência dos pneus Continental de 16 pol e o controle de estabilidade só atua em condições realmente críticas. No entanto, essa versão não parecia à vontade naquele uso empolgado: há mais movimentos de carroceria do que o ideal e a direção parece leve ao andar forte ou mesmo em velocidade mais alta em rodovia. O acerto do HGT seria, sem dúvida, mais apropriado às condições.

Outra crítica vai à indecisão da caixa: às vezes, pelo comando do acelerador, reduz marchas e eleva muito os giros sem necessidade para logo após passar a uma marcha superior. Aplicado o modo manual evita-se essa sucessão de mudanças, mas não por inteiro: ao chegar ao fim de curso do pedal a redução vem de qualquer forma. Seria oportuno um batente definido, como algumas marcas usam, para o motorista saber quanto pode pisar sem baixar marchas. Ponto positivo da automática, porém, é a decisão correta de reduzir quando se corta a aceleração em declives.

 

Série de lançamento Mopar Opening Edition é o HGT com caixa automática, teto e retrovisores pretos, rodas escurecidas e plano de revisões gratuitas

 

Passamos ao HGT manual. O motor fica mais “alegre” e combina com o acerto esportivo do conjunto, que no caso usava pneus 16 como os do Precision. O rodar mais firme não penaliza o conforto em piso ondulado, qualidade herdada do Punto equivalente. Poderia ser melhor o comando da caixa, macio mas um pouco vago, típico dos Fiats. Engatar a marcha à ré requer uso de anel-trava. A rotação a 120 km/h em quinta fica por volta de 3.000 rpm.

Por fim, o Drive 1,3 também manual. Grata surpresa: o motor traz desenvoltura no uso urbano, faz pouco ruído nas rotações mais comuns e “gira” muito macio. A 120 seriam cerca de 3.300 rpm, regime adequado à cilindrada. Com suspensão suave como a do Precision, ele é mais simples por dentro, mas deixa a sensação de um carro atualizado e bem projetado.

No conjunto, o Argo nos convenceu. Percebe-se que a Fiat não buscou inovar no desenho ou na técnica, mas fazer bem feito um carro competitivo com os mais vendidos da classe — e capaz de superá-los em alguns quesitos, como a oferta de itens de segurança e de motor mais potente. Tudo indica que os tempos de coadjuvante nesse segmento ficarão no passado.

Mais Avaliações

 

Ficha técnica

Argo Drive 1,0 Argo Drive 1,3 Argo HGT 1,75
Motor
Posição transversal
Cilindros 3 em linha 4 em linha
Comando de válvulas no cabeçote
Válvulas por cilindro 2, variação de tempo 4, variação de tempo
Diâmetro e curso 70 x 86,5 mm 80,5 x 85,8 mm
Cilindrada 999 cm³ 1.332 cm³ 1.747 cm³
Taxa de compressão 13,2:1 12,5:1
Alimentação injeção multiponto sequencial
Potência máxima 72 cv a 6.000 rpm/ 77 cv a 6.250 rpm 101 cv a 6.000 rpm/ 109 cv a 6.250 rpm 135/139 cv a 5.750 rpm
Torque máximo 10,4/10,9 m.kgf a 3.250 rpm 13,7/14,2 m.kgf a 3.500 rpm 18,8/19,3 m.kgf a 3.750 rpm
Transmissão
Tipo de caixa e marchas manual, 5 manual ou automatizada, 5 manual, 5 ou automática, 6
Tração dianteira
Freios
Dianteiros a disco a disco ventilado
Traseiros a tambor
Antitravamento (ABS) sim
Direção
Sistema pinhão e cremalheira
Assistência elétrica
Suspensão
Dianteira independente, McPherson, mola helicoidal
Traseira eixo de torção, mola helicoidal
Rodas
Dimensões 5,5 x 14 pol 16 pol*
Pneus 175/65 R 14 195/55 R 16*
Dimensões
Comprimento 3,998 m 4,00 m
Largura 1,724 m 1,75 m
Altura 1,50 m
Entre-eixos 2,521 m
Capacidades e peso
Tanque de combustível 48 l
Compartimento de bagagem 300 l
Peso em ordem de marcha 1.105 kg 1.140 kg (man.), 1.148 kg (aut.) 1.243 kg (man.), 1.279 kg (aut.)
Desempenho e consumo (caixa manual)
Velocidade máxima 157/162 km/h 180/184 km/h 190/192 km/h
Aceleração de 0 a 100 km/h 14,4/13,4 s 11,8/10,8 s 9,6/9,2 s
Consumo em cidade 14,2/9,9 km/l 12,9/9,2 km/l 11,4/7,8 km/l
Consumo em rodovia 15,1/10,7 km/l 14,3/10,2 km/l 13,3/9,2 km/l
Desempenho e consumo (caixa automatizada ou automática)
Velocidade máxima 180/184 km/h 189/191 km/h
Aceleração de 0 a 100 km/h 11,8/10,8 s 11,1/10,4 s
Consumo em cidade 12,7/8,9 km/l 9,9/7,0 km/l
Consumo em rodovia 14,4/10,0 km/l 12,8/9,1 km/l
Dados do fabricante; consumo conforme padrões do Inmetro; na versão Precision, rodas de 15 pol e pneus 185/60 R 15