Honda CR-V e Volvo XC40: vou de luxo ou não vou?

Optar por marca de prestígio significa pagar mais e levar menos em conteúdo e potência? Nem sempre

Texto e fotos: Fabrício Samahá

 

Carros de marca de prestígio — ou premium, como alguns preferem —, comprar ou não comprar? A dúvida está na mente de muitos consumidores, pois optar pelos fabricantes dedicados a segmentos de luxo significa, em geral, abrir mão de conteúdo e desempenho em favor de um logotipo mais nobre. Mas nem sempre é o que acontece.

Dois utilitários esporte lançados quase juntos no Brasil vêm contestar essa regra. De um lado está o Volvo XC40, primeira incursão da marca sueca entre os SUVs desse porte, depois do êxito dos maiores XC60 e XC90. De outro aparece o novo Honda CR-V, última evolução do modelo disponível aqui desde a primeira geração. Embora apenas uma das marcas — a sueca — possa ser considerada de luxo em nosso mercado, há surpreendente equilíbrio entre o que eles oferecem e o quanto custam… quando a relação não favorece o Volvo. Boa razão para um comparativo.

 

 

Honda CR-V Touring AWD Volvo XC40 Momentum T5 AWD
4,59 m 4,42 m
1,5 litro, turbo 2,0 litros, turbo
190 cv 252 cv
R$ 189.000 R$ 205.950
Preços sugeridos para os carros avaliados, com possíveis opcionais

 

Como eles estão nos quatro “Ps” de nossos confrontos? Têm a mesma proposta de uso: SUVs de porte médio com tração integral, conforto suficiente para levar a família, bom espaço para sua bagagem, desempenho bastante bom e aptidão para trajetos leves fora de estrada. Em porte o CR-V mede mais 17 centímetros em comprimento, mas perde em 4 cm em distância entre eixos para o XC40.

 

 

Potência é algo que os diferencia. Embora o Volvo ofereça a versão de entrada T4 com os mesmos 190 cv do Honda, a opção que mais se aproxima do rival em preço e pela tração integral é a Momentum T5, com 252 cv no motor turbo de 2,0 litros. O CR-V é oferecido em versão Touring com pacote fechado ao preço de R$ 189 mil. O XC40 Momentum começa em R$ 199.950 e o avaliado custava R$ 205.950 com um dos opcionais. Portanto, pagam-se 9% a mais para passar à marca de luxo e levar mais 62 cv sob o capô. Parece interessante? Nas próximas páginas descobriremos se vale a pena.

Próxima parte