Creta desafia: até onde novo Ecosport pode chegar?

Concorrente com bons argumentos da Hyundai desafia o renovado Ford entre SUVs com motor de 2,0 litros

Texto e fotos: Fabrício Samahá

 

No concorrido segmento de utilitários esporte compactos, um dos que mais crescem no Brasil, há marcas veteranas e estreantes. No primeiro grupo está a Ford, uma das criadoras do tipo de veículo por aqui com o Ecosport de 2003. No segundo aparece a Hyundai, que só em 2016 ingressou na categoria com o Creta — o antigo Tucson pertence a uma classe superior em tamanho, embora não seja tão maior por ter surgido em outra época.

Com a recente reformulação, o Ecosport buscou um patamar superior na categoria, mais próximo de um Focus que de um Fiesta em termos de mecânica, interior e conteúdo. Até onde ele pode chegar dentro das limitações do projeto? É a resposta que buscamos com um comparativo de sua versão Titanium à Prestige do Creta, ambas com motor de 2,0 litros, transmissão automática de seis marchas e tração dianteira (a Ford oferece também a Storm com tração integral).

 

 

Ford Ecosport Titanium Hyundai Creta Prestige
4,27 m 4,27 m
2,0 litros 2,0 litros
170/176 cv 156/166 cv
R$ 98.290 R$ 102.580
Potência com gasolina/álcool; preços sugeridos para os carros avaliados

 

 

A potência situada entre as mais altas do segmento — 170 cv com gasolina e 176 com álcool no Ford, 156 e 166 cv no Hyundai — é uma das semelhanças entre eles. Outra é a proposta de uso: SUVs com dimensões adequadas ao uso urbano, desempenho suficiente para qualquer viagem e ligeira aptidão para uso fora de estrada, desde que moderado, pois não oferecem tração integral.

Estão próximos também em porte, apenas porque o Ecosport traz o estepe junto à tampa traseira: com ele o comprimento iguala o do Creta, mas haveria algo como 15 centímetros de diferença se o pneu mudasse de lugar. A distância entre eixos mede 7 cm a mais no Hyundai. Por fim, os preços sugerem boa competição: o Titanium custa R$ 98,3 mil, e o Prestige, R$ 102,6 mil (4% a mais), ambos em pacotes fechados.

Próxima parte