Clube dos 300: Audi TT, Camaro, Mustang e F-Type

Não superamos 300 km/h, mas sim 300 cv e R$ 300 mil com quatro carros esporte que empolgam até desligados

Texto e fotos: Fabrício Samahá

 

Aniversário do Best Cars é, por tradição, a oportunidade de avaliações especiais. No ano passado vimos o mundo de cima a bordo de três utilitários esporte de alto luxo, Audi Q7, Range Rover Vogue e Volvo XC90. Dessa vez, descemos bastante — mas apenas no sentido físico — ao reunir quatro carros esporte com potência individual entre 300 e 466 cv.

O Ford Mustang, que enfim ganhou importação oficial após tanta espera, tinha presença garantida, e onde está o criador do carro-pônei não poderia faltar seu arquirrival Chevrolet Camaro — o outro integrante do trio, o Dodge Challenger, continua a nos visitar apenas a cada Salão do Automóvel. Mas um duelo entre os V8 norte-americanos de mais de 460 cv e cerca de R$ 300 mil seria pouco para uma edição especial. Quem mais convidar?

 

 

Audi TT RS Chevrolet Camaro SS Ford Mustang GT Jaguar F-Type R-Dynamic P300
4,19 m 4,78 m 4,79 m 4,48 m
2,5 litros 6,2 litros 5,0 litros 2,0 litros
400 cv 461 cv 466 cv 300 cv
R$ 424.990 R$ 315.000 R$ 299.900 R$ 353.250
Preços sugeridos para os carros avaliados, com possíveis opcionais

 

Com alguma tolerância entre os quatro “Ps” de nossos comparativos, chegamos a mais dois esportivos. O Audi TTS seria boa pedida pela proximidade de preço (R$ 325 mil), embora seja bem mais compacto e menos potente, 310 cv. Como a marca alemã não tinha mais essa versão na frota da imprensa, aceitamos — você reclamaria? — o TT RS de 400 cv. O inconveniente é que ele custa R$ 425 mil, bem mais que os V8.

 

 

Faltava mais um representante europeu para confrontar a América. Não falta mais: a Jaguar emprestou a versão de entrada R-Dynamic P300 do F-Type, com preço inicial bem situado em relação a Camaro e Mustang, embora de potência inferior aos demais (300 cv) e restrito a dois lugares. A exemplo do Audi, paga-se algo mais pela marca de prestígio e pelo acabamento mais refinado.

Assim, ficamos com quatro carros e um vasto leque de concepções. Dois têm motor V8 de grande cilindrada (6,2 litros no Camaro e 5,0 no Mustang) e aspiração natural, transmissão automática (de oito e 10 marchas, na ordem) e tração traseira. O F-Type, menor em cilindrada (2,0 litros), tem motor turbo de quatro cilindros, caixa automática de oito marchas e tração também atrás. E o TT usa turbo em um cinco-cilindros de 2,5 litros, tem sete marchas em uma transmissão automatizada de dupla embreagem e tração integral.

 

De quatro a oito cilindros, de 2,0 a 6,2 litros, de 300 a 466 cv e de sete a 10 marchas, um vasto leque de soluções mecânicas com o objetivo de empolgar

 

Como antecipamos, os quatro “Ps” tiveram de ser mais elásticos dessa vez. Em porte há até 60 centímetros de diferença em comprimento e 30 cm em distância entre eixos do menor Audi ao maior Chevrolet. Em potência a faixa vai dos 300 cv do F-Type aos 466 do Mustang, com 461 para o Camaro e 400 para o TT. Os preços do Ford (R$ 299.900) e do Chevrolet (R$ 315 mil) estão próximos, enquanto o Jaguar custa R$ 353,2 mil e o Audi sai por R$ 425 mil.

O importante é que eles se equivalem — salvo pela falta de banco traseiro no inglês — em proposta de uso: são carros voltados ao emocional, com muito estilo, farto desempenho e grande capacidade de divertir nas retas e nas curvas. Automóveis em que o mais importante não é o destino da viagem, mas o que está entre o ponto A e o B. Com 25 cilindros, 1.627 cv e R$ 1,4 milhão em mãos, respiramos fundo e assumimos a árdua tarefa de lhe apontar o melhor.

Próxima parte