A3 Sedan vs. Civic Si: esportividade a escolher

Quatro portas e linhas mais sóbrias no A3; duas portas e perfil esportivo no Si

 

Concepção e estilo

O A3 tem uma história mais recente: há pouco mais de 20 anos a Audi colocou nas ruas um hatch médio desenvolvido sobre a plataforma que logo serviria ao VW Golf, com seu primeiro motor transversal desde o modelo 50 da década de 1970. Duas gerações mais tarde, em 2013, surgiu a alternativa do A3 Sedan voltada a mercados que valorizam o formato de três volumes, como o norte-americano e o brasileiro, a ponto de ter sido esse o Audi escolhido para reinaugurar a produção da marca no Paraná. Desde o início, uma característica do A3 é oferecer motores turboalimentados.

Bem mais longeva é a trajetória do Civic, lançado em 1972 como hatch e avaliado aqui na nona geração, que surgiu como cupê em 2011 — a décima já foi apresentada nos Estados Unidos, mas deve ser nacionalizada como sedã antes que venha para cá o novo cupê. A versão Si apareceu em 1984 no Japão e, desde o começo do atual século, notabiliza-se pelos motores aspirados de alta rotação e elevada potência específica, como o produzido aqui de 2,0 litros e 192 cv.

 

Aerofólio e rodas de 18 pol (uma a mais que no A3) temperam o visual do Civic

 

Visto de fora, a não ser por 15 milímetros a mais na altura de rodagem, o A3 é o mesmo já conhecido mediante importação. Tem um desenho atraente e jovial para um sedã, com a identidade da marca aplicada a linhas mais inspiradas que, por exemplo, ao do conservador A4. Com o Si o caso é outro: diferente do Civic sedã em todos os painéis de carroceria, obtém um ar bem mais esportivo, acentuado pelos para-lamas dianteiros “musculosos”, as rodas de 18 polegadas e o aerofólio traseiro.

 

Tanto pelas formas quanto pela decoração, o interior do Civic é mais esportivo e ousado, caso dos bancos em preto e vermelho

 

Apenas a Audi informa o coeficiente aerodinâmico (Cx) de seu carro, 0,30, pouco pior que o da versão importada por causa da maior altura de rodagem. É lícito esperar valor ainda melhor para o Si, mas a Honda não o divulga. Os vãos de carroceria muito estreitos e regulares demonstram esmero de fabricação em ambos os modelos.

Conforto e conveniência

Tanto pelas formas quanto pela decoração, o interior do Civic é claramente mais esportivo e ousado: instrumentos em dois níveis com parte deles digital e iluminação em vermelho, bancos revestidos em tecido preto e vermelho (um tanto áspero). Perto dele o A3 é tradicional, com mostradores simples iluminados em branco, painel de formas sóbrias — espartanas demais na opinião de alguns — e bancos de couro sintético preto no caso do avaliado. Materiais e montagem de acabamento de ambos demonstram qualidade, embora sem luxo.

 

Audi A3 Sedan Ambition
Audi A3 Sedan Ambition

 

No A3, um interior discreto e funcional com revestimento em couro e tela elevada no painel; conforto dos bancos não agradou

 

O motorista de ambos encontra um posto bem desenhado e com amplas regulagens, que no A3 são elétricas e incluem as de apoio lombar (intensidade e altura), além do ajuste manual de apoio das coxas; no Si chamam atenção os intensos apoios laterais. Não agradou no Audi a densidade excessiva de espuma (firmeza) do encosto, que o deixa desconfortável mesmo após cuidadoso ajuste. Os volantes de desenho correto são reguláveis em altura e distância. Em comum a ambos está o ótimo apoio para o pé esquerdo.

 

 

A disposição dos instrumentos no painel do Si repete a do Civic nacional, com velocímetro digital lido por cima do volante e conta-giros analógico visto por meio dele. Não há termômetro do motor, mas um indicador da potência em uso e luzes amarelas e vermelhas que indicam o momento para troca de marcha antes do limite de rotação. Os instrumentos do A3, tradicionais e bem legíveis, ladeiam um mostrador digital central que pode indicar velocidade e várias outras funções, caso do completo computador de bordo com duas medições (o do concorrente informa consumos instantâneo, médio e histórico, nada mais).

Os sistemas de áudio têm ótima qualidade, usam grandes telas e incluem conexões auxiliar e Bluetooth; o Civic tem ainda a HDMI e duas USB, enquanto o A3 traz uma para aparelhos Apple (este conector pode ser trocado por um USB, cuja ausência é inaceitável). O Si usa a tela sensível ao toque para controle; já o rival tem comandos no console, para nós a solução mais prática, tanto para operar pelo tato (importante ao dirigir) quanto por permitir uma tela elevada sem causar desconforto. Não consideramos o sistema opcional do A3, dotado de navegador, toca-DVDs, disco interno de 10 GB e duas entradas de cartões SD.

 

Honda Civic Si
Honda Civic Si

 

Decoração em tecido com vermelho e painel em dois níveis garantem ar esportivo e ousado ao Civic; espaço traseiro é mais crítico que no oponente

 

Os dois estão equipados com apoio de braço central (só dianteiro), ar-condicionado com controle automático, aviso para atar cinto, câmera traseira para orientar manobras, controlador de velocidade, destravamento da porta do motorista em separado (configurável), indicação específica de porta mal fechada, mostrador de temperatura externa, teto solar de vidro com controle elétrico e volante revestido em couro, além de bom espaço para objetos no console.

Entre os detalhes favoráveis ao A3 estão acionamento elétrico do freio de estacionamento, alerta programável para excesso de velocidade, ar-condicionado com duas zonas e difusor para o banco traseiro, capô com fecho duplo (mais seguro contra abertura acidental) e mola a gás para se manter aberto, chave presencial para acesso e partida do motor, comando a distância para abrir e fechar vidros e teto solar (na abertura o teto só se ergue), destravamento de porta-malas e bocal do tanque junto à trava central (no rival usa-se alavanca para abertura, menos prático), limpador de para-brisa automático, luzes de cortesia no assoalho e nos para-sóis, quatro alças de teto (só uma no Si) e luzes de leitura (duas no Si), retrovisor interno fotocrômico, sensores de estacionamento atrás e tomada de 12 volts para o banco traseiro.

Próxima parte