10 Chances: Argo HGT, versão esportiva do novo Fiat

Nova seção de análises rápidas avalia o mais temperado dos Argos: quais suas chances de merecer sua garagem?

Texto e fotos: Fabrício Samahá

 

A Fiat talvez seja o fabricante nacional com maior histórico de pequenos hatches esportivos, do 147 ao Punto, passando por Uno e Palio em duas gerações. Esse legado chega agora ao Argo HGT, sua opção mais temperada, que usa o mesmo motor do Precision, de 1,75 litro e até 139 cv. Ele foi avaliado com caixa manual para a nova seção 10 Chances do Best Cars, com análises em texto e vídeo em 10 itens principais. Afinal, quais as chances do HGT para ganhar sua garagem?

Estilo
A Fiat fez um bom trabalho de desenho: o Argo tem identidade própria na frente e linhas agradáveis. No HGT, rodas 16, saída larga de escapamento, molduras pretas, simulação de difusor de ar na traseira realçam a esportividade. 1 ponto

 

 

Acabamento e conveniência
O interior tem bom desenho e materiais simples, mas de aspecto adequado, incluindo o tecido dos bancos. No HGT quase tudo é preto por dentro, em contraste à faixa no painel em vermelho fosco. O sistema de áudio com tela de 7 pol, compatível com Android Auto e Apple Car Play, é um destaque. Bons detalhes: ar-condicionado automático, câmera traseira de manobras, chave presencial para acesso e partida, para-brisa degradê e vidros com abertura e fechamento a distância. O que poderia melhorar: a iluminação da cabine é mínima, o som tem qualidade mediana, não há controlador de velocidade e faltam espaços para objetos. 0,5 ponto

 

 

Posto do motorista
O motorista acomoda-se bem: amplos apoios laterais e bom apoio de coxas no banco, volante bem desenhado com ajuste em altura e distância. Entre os instrumentos há repetidor digital do velocímetro e informações variadas, até temperatura do óleo. As colunas dianteiras atrapalham pouco a visibilidade. 1 ponto

 

O desenho do Argo tem identidade e fica mais esportivo no HGT com rodas de 16 pol, molduras pretas e simulação de difusor de ar na traseira

 

Espaço
O Argo é espaçoso na frente. No banco traseiro, dois adultos têm altura e vão para pernas adequados, mas o carro é estreito para três como a maioria dos concorrentes. 0,5 ponto

Porta-malas
A capacidade de bagagem, 300 litros, está na média da classe. Boa para seu porte. 1 ponto

 

Com o motor E-Torq revitalizado e mais potente, o HGT anda bem — de 0 a 100 em 10,6 segundos —, mas o acelerador tem um retardo de resposta

 

Desempenho
O conhecido motor E-Torq aparece revitalizado, mais potente (135 cv com gasolina e 139 com álcool) e com maior torque em baixa rotação. Sem ser tão esportivo quanto foi o Punto TJet, o HGT anda bem: de 0 a 100 em 10,6 segundos no teste com gasolina. Bem melhor que o Punto Sporting, que havia feito em 12,1 segundos com álcool. A desenvoltura em baixa satisfaz, mas o retardo na resposta do acelerador requer atenção nas saídas para não apagar. 1 ponto

Consumo
O Argo não é muito econômico. Os consumos em cidade e rodovia foram só razoáveis para sua cilindrada e seu peso. 0,5 ponto

 

Interior tem acabamento adequado, bons bancos e espaço mediano; porta-malas de 300 litros é adequado; instrumentos incluem termômetro de óleo; áudio usa tela de 7 pol

 

Comportamento
O HGT tem suspensão e direção mais firmes que os outros Argos. Sua estabilidade é boa, mas melhoraria com pneus mais aderentes. Há controle eletrônico de estabilidade e tração de série. Se o conforto ao rodar perde um pouco para o das demais versões, não incomoda: a suspensão filtra bem as asperezas e só fica mais dura em maiores impactos. Ele freia bem, passa tranquilo por lombadas e tem direção leve em manobras. O comando da transmissão manual é preciso, mas não macio. 1 ponto

 

 

Segurança passiva
O pacote de segurança de série, como no avaliado, traz apenas as bolsas infláveis frontais obrigatórias: é pouco. De positivo, há cintos de três pontos e encostos de cabeça para todos e fixação Isofix para cadeiras infantis. 0,5 ponto

Custo-benefício
O HGT começa em R$ 64.600, mas o avaliado com os pacotes Parking e Tech custava R$ 68.800. É caro em relação ao Renault Sandero RS de 2,0 litros, que sai a R$ 63.600 com motor mais potente (até 150 cv). Por pouco mais (R$ 69.190) existe o novo Volkswagen Polo Highline TSI com turbo e até 128 cv, caixa automática de série e bolsas infláveis laterais. O Argo poderia chegar a R$ 75.400 com bancos que imitam couro, rodas 17 e bolsas laterais. Assim, parece que a Fiat foi com muita sede ao pote. Embora seja um bom carro com tempero esportivo, o HGT deveria custar menos. 0,5 ponto

• Total: 7,5 pontos

Mais Avaliações

 

Suspensão e direção recalibradas dão o toque esportivo ao HGT, mas pneus não estão à altura; motor de 139 cv traz bom desempenho; engates de caixa são razoáveis

 

Desempenho e consumo

Aceleração
0 a 100 km/h 10,6 s
0 a 120 km/h 14,3 s
0 a 400 m 17,5 s
Retomada
60 a 100 km/h (3ª.) 6,4 s
60 a 100 km/h (4ª.) 9,8 s
60 a 120 km/h (3ª.) 10,1 s
60 a 120 km/h (4ª.) 15,0 s
80 a 120 km/h (3ª.) 7,3 s
80 a 120 km/h (4ª.) 10,4 s
Consumo
Trajeto leve em cidade 12,8 km/l
Trajeto exigente em cidade 6,9 km/l
Trajeto em rodovia 13,3 km/l
Testes com gasolina com equipamento Race Capture Pro; as retomadas em novo padrão não devem ser comparadas a testes anteriores a out/17; conheça nossos métodos de medição

 

Ficha técnica

Motor
Posição transversal
Cilindros 4 em linha
Comando de válvulas no cabeçote
Válvulas por cilindro 4, variação de tempo
Diâmetro e curso 80,5 x 85,8 mm
Cilindrada 1.747 cm³
Taxa de compressão 12,5:1
Alimentação injeção multiponto sequencial
Potência máxima 135/139 cv a 5.750 rpm
Torque máximo 18,8/19,3 m.kgf a 3.750 rpm
Transmissão
Tipo de caixa e marchas manual, 5
Tração dianteira
Freios
Dianteiros a disco ventilado
Traseiros a tambor
Antitravamento (ABS) sim
Direção
Sistema pinhão e cremalheira
Assistência elétrica
Suspensão
Dianteira independente, McPherson, mola helicoidal
Traseira eixo de torção, mola helicoidal
Rodas
Dimensões 16 pol
Pneus 195/55 R 16
Dimensões
Comprimento 4,00 m
Largura 1,75 m
Altura 1,50 m
Entre-eixos 2,521 m
Capacidades e peso
Tanque de combustível 48 l
Compartimento de bagagem 300 l
Peso em ordem de marcha 1.243 kg
Desempenho e consumo (fabricante)
Velocidade máxima 190/192 km/h
Aceleração de 0 a 100 km/h 9,6/9,2 s
Consumo em cidade 11,4/7,8 km/l
Consumo em rodovia 13,3/9,2 km/l
Dados do fabricante; consumo conforme padrões do Inmetro